Formando engenheiros em um laboratório de usinagem: conhecimento, gênero e gambiarra

Daniel Guerrini, Amanda Yuri Nishiyama de Alencar, Lucas Pinheiro Santos

Resumo


Este artigo discute o processo de formação de engenheiros a partir de observações de uma disciplina de usinagem em um curso de Engenharia Mecânica. Subsidiaram a coleta de dados e sua interpretação a história da engenharia no Brasil, assim como a sociologia das profissões. Assim, entendeu-se como o conhecimento sistematizado desse grupo é mobilizado para marcar posições hierárquicas internas à profissão e em relação a grupos externos. Os dados apontam para uma hierarquização fundamentada na oposição entre formação acadêmica e práticas improvisadas do chão de fábrica, a despeito da estreita relação desses profissionais com tais práticas. Essa oposição assume contornos de forte violência simbólica quando deparada com a variável gênero no processo de formação desses engenheiros.

 

Training engineers in a machining laboratory: knowledge, gender and gambiarra

This paper discusses the process of engineer training from observations of a machining discipline in a Mechanical Engineering course. Data collection and interpretation were subsidized by the history of engineering in Brazil as well as the sociology of professions. Thus, it was understood how the systematized knowledge of this group is mobilized to mark hierarchical positions internal to the profession and in relation to external groups. Data points to a hierarchy based on the opposition between academic training and improvised practices in factories, despite the close relationship of these professionals with such practices. This opposition carries strong symbolic violence when faced with the gender variable in the process of training these engineers.

Engineering, Professional Education, Sociology, Gender Relations

 

Formation d’ingénieurs dans un laboratoire d’usinage : savoir, genre et rafistolage

Cet article traite du processus de formation d’un groupe d’ingénieurs, à partir d’observations réalisées lors d’un laboratoire d’usinage dans un cours de génie mécanique. L’histoire de l’ingénierie au Brésil et la sociologie des professions ont subsidié l´ínterpretation. Grâce à cela, il a été possible de comprendre comment la connaissance systématisée de ce groupe se mobilise pour marquer les positions hiérarchiques internes, mais aussi par rapport à des groupes externes à la profession. Les données montrent qu’il existe une hiérarchisation basée sur l’opposition entre formation académique et pratiques de rafistolage improvisées en atelier, malgré la relation étroite qu’il y a entre les professionnels et de telles pratiques. Cette opposition prend les contours d’une forte violence symbolique face à la variable de genre dans le processus de formation de ces ingénieurs.

Ingénierie, Formation Professionnell, Sociologie, Relations de Genre

 

La formación de ingenieros en un laboratorio de maquinado: conocimiento, género e improvisación

Este artículo discute el proceso de formación de ingenieros a partir de observaciones de una asignatura de maquinado en un curso de Ingeniería Mecánica. Se subsidió la recolección de datos y su interpretación de la historia de la ingeniería en Brasil, así como la sociología de las profesiones. De este modo se entendió como el conocimiento sistematizado de dicho grupo se moviliza para marcar posiciones jerárquicas internas a la profesión y en relación a grupos externos. Los datos señalan una jerarquización fundamentada en la oposición entre formación académica y prácticas improvisadas del piso de fábrica, a pesar de la estrecha relación de estos profesionales con tales prácticas. Esta oposición adquiere contornos de fuerte violencia simbólica cuando se encuentra una variable de género en el proceso de formación de tales ingenieros.

Ingeniería, Formación Profesional, Sociología, Relaciones de Género


Palavras-chave


Engenharia, Formação Profissional, Sociologia, Relações de Gênero

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


ABBOTT, Andrew Delano. The system of professions: an essay on the division of expert labor. Chicago: University of Chicago Press, 1988.

AREOSA, João; DWYER, Tom. Acidentes de trabalho: uma abordagem sociológica. Configurações, Braga, n. 7, p. 107-128, jun. 2010.

BENCHIMOL, Jaime Larry. Pereira Passos, um Haussmann tropical: a renovação urbana da cidade do Rio de Janeiro no início do século XX. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, Divisão de Editoração, 1992.

BOUFLEUR, Rodrigo Naumann. A questão da gambiarra: formas alternativas de desenvolver artefatos e suas relações com o design de produtos. 2007. 148 f. Dissertação (Mestrado em Design e Arquitetura) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em Engenharia. Brasília: MEC, 2019. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=109871-pces001-19-1&category_slug=marco-2019-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 10 ago. 2019.

CARLOTTO, Maria Caramez. Veredas da mudança na ciência brasileira: discurso, institucionalização e práticas no cenário contemporâneo. São Paulo: Scientiae Studia; 34, 2013.

CASAGRANDE, Lindamir Salete; SOUZA, Angela Maria Freire de Lima e. Percorrendo labirintos: trajetórias e desafios de estudantes de engenharias e licenciaturas. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 47, n. 163, p. 168-200, jan./mar. 2017.

COELHO, Edmundo Campos. As profissões imperiais: medicina, engenharia e advocacia no Rio de Janeiro, 1822-1930. Rio de Janeiro: Record, 1999.

CUKIERMAN, Henrique. Yes, nós temos Pasteur: Manguinhos, Oswaldo Cruz e a história da ciência no Brasil. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2007.

CUNHA, Maria Isabel da. Docência na universidade, cultura e avaliação institucional: saberes silenciados em questão. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 32, p. 258-271, maio/ago. 2006.

ANDRADE, Ana Maria Ribeiro de. Físicos, mésons e política: a dinâmica da ciência na sociedade. São Paulo: Hucitec, 1999.

DINIZ, Marli. Os donos do saber: profissões e monopólios do saber. Rio de Janeiro: Revan, 2001.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO – FIESP. Panorama da indústria de transformação brasileira. São Paulo: Fiesp, 2019. Disponível em: https://www.fiesp.com.br/arquivo-download/?id=254650. Acesso em: 20 nov. 2019.

FERNANDES, Ana Maria. A construção da ciência no Brasil e a SBPC. Brasília: Universidade de Brasília, Anpocs, CNPq, 1990.

FREIDSON, Eliot. Renascimento do profissionalismo: teoria, profecia e política. São Paulo: Edusp, 1998.

FREIDSON, Eliot. Profissão médica: um estudo de sociologia do conhecimento aplicado. São Paulo: Unesp, 2009.

GUTIERREZ, Andriei. Engenheiro, política e sociedade no contexto da reestruturação capitalista brasileira. 2011. 351 f. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2011. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/281316. Acesso em: 9 ago. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Pesquisa de inovação: 2014. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

LOMBARDI, Maria Rosa. Engenheiras brasileiras: inserção e limites de gênero no campo profissional. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 127, p. 173-202, jan./abr. 2006.

MARINHO, Pedro Eduardo Mesquita de Monteiro. Companhia Estrada de Ferro D. Pedro II: a grande escola prática da nascente Engenharia Civil no Brasil oitocentista. Topoi, Rio de Janeiro, v. 16, n. 30, p. 203-233, jan./jun. 2015.

MOLISANI, André Luiz. Evolução do perfil didático-pedagógico do professor-engenheiro. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 2, p. 467-482, abr. 2017.

NITSCH, Julio Cesar; BAZZO, Walter Antonio; TOZZI, Marcos José. Engenheiro-professor ou professor-engenheiro: reflexões sobre a arte do ofício. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA, 22., 2004, Brasília, DF. Anais [...] Brasília, DF: [s. n.], 2004. p. 1-9.

OLIVEIRA, Renato de. Ethique et médecine au Brésil: étude sur les rapports entre le débat sur l’éthique médicale et la participation politique des médecins brésiliens. 1994. Tese (Doutorado em Sociologia) – École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris, 1994.

PATACA, Ermelinda Moutinho. Entre a engenharia militar e a arquitetura médica: representações de Alexandre Rodrigues Ferreira sobre a cidade de Belém no final do século XVIII. História Ciência Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 25, n. 1, p. 89-113, mar. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010459702018000100089&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 10 ago. 2019.

PEREIRA, Anna Carolinna Eduardo; MENDES, Davidson Passos; MORAES, Geraldo Fabiano de Souza. Do prescrito ao real: a imprevisibilidade e a importância do trabalho coletivo em um centro de usinagem de uma empresa metal-mecânica do interior do Estado de Minas Gerais. Laboreal, Porto, v. 13, n. 1, p. 24-38, jul. 2017. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1646-52372017000100003&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 10 ago. 2019.

RAMMAZZINA FILHO, Walter Aníbal; BATISTA, Irinéa de Lourdes; LORENCINI Jr., Álvaro. Formação de professores de engenharia: desafios e perspectivas. In: SIMPÓSIO DE ENSINO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, 4., 2014, Ponta Grossa. Anais [...] Ponta Grossa: [s. n.], 2014. p. 1-10. Disponível em: http://www.sinect.com.br/2014/selecionados.php?ordem01=area&ordem02=autor. Acesso em: 10 ago. 2019.

RODRIGUES, Maria de Lurdes. Sociologia das profissões. Oeiras: Celta, 2002.

SEVCENKO, Nicolau. A revolta da vacina: mentes insanas em corpos rebeldes. São Paulo: Unesp, 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.