Educação popular e juventude: o movimento social como espaço educativo

Hadassa Monteiro de Albuquerque Lucena, João Carlos Pereira Caramelo, Severino Bezerra da Silva

Resumo


Este estudo teve por objetivo compreender como os sujeitos, no decurso de suas histórias de vida e por meio de processos sobretudo de aprendizagem experiencial, construíram saberes e conhecimentos na participação em um movimento social. Para tal, foi realizada uma pesquisa qualitativa, com recurso a entrevistas semiestruturadas, para obter narrativas de histórias de vida de seis participantes de um movimento brasileiro que reúne jovens em todo o país: o Levante Popular da Juventude. A pesquisa conduzida permite compreender como a experiência educativa vivenciada em movimentos sociais favorece a emancipação dos sujeitos que a vivenciam e leva a uma conscientização a respeito da cidadania participativa diante da realidade local e global.

Movimentos sociais, Educação popular, Juventude, Aprendizagem.

  

Popular education and youth: the social movement as an educational space

This study aimed to understand how the subjects, in the course of their life stories and through mainly experiential learning processes, built knowledge and awareness through participation in a social movement. Therefore, a qualitative study, using semi-structured interviews, was carried out to obtain narratives of the life stories of six participants in a Brazilian movement that unifies young people nationwide: the Levante Popular da Juventude [Popular Youth Uprising]. The study allowed the understanding of how the educational experience of participation in social movements favors the emancipation of the subjects who experience it, and leads to an awareness of participatory citizenship in the face of local and global reality.

Social movements, Popular education, Youth, Learning.

  

Éducation populaire et jeunesse: le mouvement social en tant qu’espace éducatif

L’objectif de cette étude était de comprendre comment les sujets, au cours de leurs vie et par le biais de processus, en particulier ceux ayant trait à l’apprentissage expérientiel, ont construit des savoirs et des connaissances grâce à leur participation à un mouvement social. Des entretiens semi-structurés on été réalisés dans le cadre d’une recherche qualitative afin de recueillir des récits de vie de six participants à un mouvement social brésilien, le Levante Popular da Juventude, qui rassemble des jeunes dans tout le pays. Cette recherche a permis de mieux comprendre comment l’expérience éducative vécue au sein de mouvements sociaux favorise l’émancipation des sujets et conduit à une prise de conscience de ce qu’est la citoyenneté participative face à la réalité à la fois locale et globale.

Mouvements sociaux, Éducation populaire, Jeunesse, Apprentissage.

 

Educación popular y juventud: el movimiento social como espacio educativo

Este estudio tuvo como objetivo comprender cómo los sujetos, en el transcurso de sus historias de vida y a través de procesos principalmente de aprendizaje experiencial, construyeron saberes y conocimientos en la participación en un movimiento social. Con este fin, se realizó una investigación cualitativa, utilizando entrevistas semiestructuradas, para obtener narraciones de historias de vida de seis participantes de un movimiento brasileño que reúne a jóvenes de todo el país: el Levante Popular de la Juventud. La investigación realizada nos permite comprender cómo la experiencia educativa vivida en los movimientos sociales favorece la emancipación de los sujetos que la experimentan y conduce a una conciencia sobre la ciudadanía participativa frente a la realidad local y global. 

Movimientos sociales, Educación popular, Juventud, Aprendizaje.


Palavras-chave


Movimentos sociais, Educação popular, Juventude, Aprendizagem.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1997.

BOLÍVAR, Antônio; DOMINGO, Jesús. La investigación biográfica y narrativa en Iberoamérica: campos de desarrollo y estado actual. Forum: Qualitative Social Research, v. 7, n. 4, art. 12, Sep. 2006. Disponível em: http://jbposgrado.org/icuali/La%20investigacion%20biografica%20y%20narrativa%20en%20iberoamerica%20%20%20.pdf. Acesso em: 24 jul. 2019.

BORJA, Jordi. Movimentos sociales urbanos. Buenos Aires: SIAP, 1975.

BRANDÃO, Carlos. O que é educação popular. São Paulo: Brasiliense, 2006.

CAMPOS, Claudinei. Métodos de análise de conteúdo: ferramentas para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 57, n. 5, p. 611-614, 2004.

CANÁRIO, Rui. Aprender sem ser ensinado: a importância estratégica da educação não formal. In: LIMA, Licínio C.; PACHECO, José Augusto; ESTEVES, Manuela; CANÁRIO, Rui. A educação em Portugal (1986-2006): alguns contributos de investigação. Lisboa: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação; Conselho Nacional de Educação, 2006. p. 159-206.

CARRILLO, Afonso. A educação popular como prática política e pedagógica emancipadora. In: STREK, Danilo R.; ESTEBAN, Maria T. (org.). Educação popular: lugar de construção social coletiva. Petrópolis: Vozes, 2013. p. 15-32.

CASTELLS, Manuel. Movimentos sociales urbanos. Madri: Siglo XXI, 1974.

CAVACO, Cármen. Adultos pouco escolarizados: diversidade e interdependência de lógicas de formação. 2008. Tese (Doutoramento em Ciências da Educação) – Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2008.

COOMBS, Philip; AHMED, Manzoor. Attacking rural poverty: how normal education can help. Washington, DC: A World Bank Research Publication, 1974.

COSTA, Elisabeth. Educar para a solidariedade: o significado e a manifestação de uma nova consciência. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

FÁVERO, Osmar. Educação não-formal: contextos, percursos e sujeitos. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 99, p. 614-617, maio/ago. 2007.

FIGUEIREDO, João. Educação popular e educação ambiental: @ Educador(a) ambiental popular numa perspectiva descolonializante. In: STRECK, Danilo; ESTEBAN, Maria (org.). Educação popular: lugar de construção social coletiva. Petrópolis: Vozes, 2013.

GADOTTI, Moacir. Pedagogia da terra. São Paulo: Peirópolis, 2000.

GODOY, Arlida. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 57-63, mar./abr. 1995. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rae/v35n2/a08v35n2.pdf. Acesso em: 18 set. 2018.

GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal e cultura política: impactos sobre o associativismo do terceiro setor. São Paulo: Cortez, 1999. (Coleção Questões da Nossa Época, v. 71).

GOHN, Maria da Glória. Teoria dos movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. 3. ed. São Paulo: Loyola, 2002.

GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 50, p. 27-38, jan./mar. 2006.

GOHN, Maria da Glória. Movimentos sociais na contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 16, n. 47, p. 333-361, maio/ago. 2011.

GOMES, Nilma. Sem perder a raiz: corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

GOUVEIA, Valdiney et al. Dimensões normativas do individualismo e coletivismo: é suficiente a dicotomia pessoal vs. social? Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 223-234, 2003.

GUIZZO, Bianca; KRZIMINSKI, Clarissa; OLIVEIRA, Dora. O software QSR NVIVO 2.0 na análise qualitativa de dados: ferramenta para a pesquisa em ciências humanas e da saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 24, n. 1, p. 53-60, abr. 2003.

HOBSBAWM, Eric. Rebeldes primitivos. Rio de Janeiro: Zahar, 1970.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Síntese de indicadores sociais (SIS): uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acesso em: 25 ago. 2017.

LUCENA, Hadassa. Aprendizagens em movimentos sociais: um estudo a partir de narrativas biográficas de partícipes do Levante Popular da Juventude. 2017. Dissertação (Mestrado em Educação e Formação de Adultos) – Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade do Porto, Porto, 2017.

MARICATO, Ermínia. Urbanismo na periferia do mundo globalizado: metrópoles brasileiras. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 14, n. 4, p. 21-33, out./dez. 2000.

MEDINA, Maria Teresa G. Experiências e memórias de trabalhadores do Porto. A dimensão educativa dos movimentos de trabalhadores e das lutas sociais. 2008. Tese (Doutorado em Ciências da Educação) – Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade do Porto, Porto, 2008.

MEJÍA, Marco Raúl. La educación popular: una construccíon colectiva desde el sur y desde abajo. In: STRECK, Danilo R.; ESTEBAN, Maria Teresa. (org.). Educação popular: lugar de construção social coletiva. Petrópolis: Vozes, 2013.

MELUCCI, Alberto. Acción colectiva, vida cotidiana y democracia. México: El Colegio de México, Centro de Estúdios Sociológicos, 1999.

MOREIRA, Dirceu. Autogestão: desenvolvendo talentos para gerir escolas, empresas e instituições. Rio de Janeiro: Wak, 2012.

OFFE, Claus. New social movements: challenging the boundaries of institutional politics. Social Research, n. 52, p. 817-68, 1983.

PIRES, Ana. Educação e formação ao longo da vida: análise crítica dos sistemas e dispositivos de reconhecimento e validação de aprendizagens e competências. 2002. Tese (Doutorado em Ciências da Educação) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2002.

RUDÉ, George. Ideologia e protesto popular. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

SCHWARTZ, Shalom. ¿Existen aspectos universales en la estructura y el contenido de los valores humanos? In: ROS, M.; GOUVEIA, Valdiney V. (org.). Psicología social de los valores: desarrollos teóricos, metodológicos y aplicados. Madri: Biblioteca Nueva, 2001. p. 53-78.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 73-102.

TOURAINE, Alain. Sociologie de l’action. Paris: Seuil, 1965.

VIA CAMPESINA. A voz do camponês internacional. 2011. Disponível em: https://www.viacampesina.org/en/index.php/organisation-mainmenu-44. Acesso em: 9 mar. 2017.

VIEIRA, Flávia. Dos proletários unidos à globalização da esperança: um estudo sobre internacionalismos e a Via Campesina. São Paulo: Alameda, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Financiadores: