Injustiça, conflito e violência: um estudo de caso em escola pública de Recife

Alice Miriam Happ Botler

Resumo


O artigo apresenta resultados parciais de pesquisa com base em estudo de caso realizado em escola pública estadual de Recife (PE). Os dados evidenciam que os atores escolares fazem referência ao sentimento de injustiça, relacionando-o à redução do bem-estar, o que pode gerar conflitos e violências no espaço escolar. Foram entrevistados alunos do ensino médio, professores e gestores, de maneira informal, em intervalos entre aulas, visando a realizar essa atividade em seu ambiente natural, bem como evitando ferir princípios éticos da pesquisa. Também foram entrevistadas professoras e a diretora por meio de instrumento semiestruturado. O estudo conclui que a justiça no contexto escolar deve ser observada em sua pluridimensionalidade e a falta de clareza a seu respeito limita a capacidade de intervenção para sua minimização, levando os atores escolares, muitas vezes, a justificarem práticas injustas.

 

 

 


Palavras-chave


Escolas; Violência; Conflito; Justiça

Texto completo:

PDF_8

Referências


ABRAMOVAY, Miriam; RUA, Maria das Graças. Violências nas escolas. Brasília: Unesco, 2002.

ARENDT, Hannah. Da violência. Tradução de Maria Cláudia Drummond Trindade. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2004.

BARDIN, Laurence. Análise do conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1979.

BOTLER, Alice Miriam Happ. A escola como organização comunicativa. 2004. 299 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – Inep. Ideb. 2012. Disponível em: .

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 12.288, de 20 de julho de 2010. Institui o Estatuto da Igualdade Racial; altera as Leis n. 7.716, de 5 de janeiro de 1989, n. 9.029, de 13 de abril de 1995, n. 7.347, de 24 de julho de 1985, e n. 10.778, de 24 de novembro de 2003. Brasília, 2010.

CORDEIRO, Juliana Nunes; BOTLER, Alice Miriam Happ. Concepções e vivências de alunos de 5º ano a respeito da gestão democrática e da justiça em escolas de maior e menor IDEB. In: ENCONTRO DE PESQUISA EDUCACIONAL DO NORTE E NORDESTE – EPENN, 21., 2013, Recife.

Anais... Recife: Anped, 2013.

DEROUET, Jean-Louis. A sociologia das desigualdades em educação posta à prova pela segunda explosão escolar: deslocamento dos questionamentos e reinício da crítica. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 21, p. 5-16, set./dez. 2002.

ESTEVÃO, Carlos Alberto Vilar. Justiça e educação. São Paulo: Cortez, 2001.

ESTEVÃO, Carlos Alberto Vilar. Educação, justiça e democracia. São Paulo: Cortez, 2004.

ESTEVÃO, Carlos Alberto Vilar. Educação, justiça e direitos humanos. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 1, p. 85-101, jan./abr. 2006.

FRASER, Nancy. Sobre justiça: lições de Platão, Rawls e Ishiguro. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 15, p. 265-277, set./dez. 2014.

GALVÃO, Afonso et al. Violências escolares: implicações para a gestão e o currículo. Ensaio: Avaliação de Políticas Públicas Educacionais, Rio de Janeiro, v. 18, n. 68, p. 425-442, jul./set. 2010.

LOPES, Claudivan Sanches; GASPARIN, João Luiz. Violência e conflitos na escola: desafios à prática docente. Acta Scientiarum, Human and Social Sciences, Maringá, v. 25, n. 2, p. 295-304, 2003.

MAINARDES, Jefferson; MARCONDES, Maria Inês. Entrevista com Stephen Ball: um diálogo sobre justiça social, pesquisa e política educacional. Educação e Sociedade, Campinas, v. 30, n. 106, p. 303-318, jan./abr. 2009. Disponível em: .

NOGUEIRA, Eliete Jussara; SOARES, Maria Lúcia de Amorim. Desafios educacionais na modernidade líquida: cotidiano, medo e indisciplina. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 12, n. 27, p. 153-174, 2015.

OUTHWAITE, William; BOTTOMORE, Tom. Dicionário do pensamento social do século XX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.

RAWLS, John. Justiça como eqüidade: uma concepção política, não metafisica. Lua Nova, São Paulo, n. 25, p. 25-29, 1992.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.