Fluência de leitura: evolução do construto e relações com a compreensão

Autores

Palavras-chave:

Leitura, Fluência, Compreensão do texto

Resumo

Há diferentes definições de fluência de leitura, e, mesmo existindo consenso crescente de que envolva precisão, automaticidade e prosódia, as definições não deixam claro se a fluência contribui para a compreensão, ou se a compreensão promove fluência, ou se a relação é recíproca. Esta revisão integrativa investiga, descreve e compara tais definições, objetivando examinar como elas abordam a relação entre fluência e compreensão. Os resultados apontam que, ao incluir a prosódia na definição, fica claro que um nível de compreensão é necessário para a leitura fluente, indicando uma relação recíproca entre fluência e compreensão. As conclusões mostram a necessidade de direcionar as pesquisas para melhor refinamento e operacionalização do construto. Desdobramentos pedagógicos são sugeridos.

Biografia do Autor

Amanda Oliveira Meggiato, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre (RS), Brasil

Pedagoga pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Mestranda na linha de Aprendizagem e Ensino da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Helena Vellinho Corso, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre (RS), Brasil

Doutora em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Luciana Vellinho Corso, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre (RS), Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora Associada do Programa de Pós Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

Afflerbach, P., Scott Beers, J., Blachowicz, C. L. Z., Boyd, C. D., Cheyney, W., Diffilly, D., & Wixon, K. (2002). Scott Foresman reading. Scott Foresman.

Amendum, S. J., Conradi, K., & Liebfreund, M. D. (2015). The push for more challenging texts: An analysis of early readers’ rate, accuracy, and comprehension. Reading Psychology, 37(4), 570-600. https://doi.org/10.1080/02702711.2015.1072609

Arcand, M.-S., Dion, E., Lemire-Théberge, L., Guay, M.-H., Barrette, A., Gagnon, V., Caron, P.-O., & Fuchs, D. (2014). Segmenting texts into meaningful word groups: Beginning readers’ prosody and comprehension. Scientific Studies of Reading, 18(3), 208-223. https://doi.org/10.1080/10888438.2013.864658

Basso, F. P., Alves, L. M., Miná, C. S., Piccolo, L. da R., & Salles, J. F. de. (2018). Pressupostos teóricos que embasaram o desenvolvimento do instrumento Avaliação da Fluência de Leitura Textual (AFLeT). In F. P. Basso, C. S. Miná, L. da R. Piccolo & J. F. Salles (Eds.), Avaliação da Fluência de Leitura Textual (AFLeT) (pp. 19-33). Vetor.

Basso, F. P., Piccolo, L. da R., Miná, C. S., & Salles, J. F. (2019). Instrumento de Avaliação da Fluência de Leitura Textual: Da decodificação à compreensão de leitura. Letras de Hoje, 54(2), 146-153. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2019.2.32519

Begeny, J. C. (2009). Helping Early Literacy with Practice Strategies (HELPS): A one-on-one program designed to improve students’ reading fluency. The HELPS Education Fund.

Capellini, S. A., Smythe, I., & Silva, C. da. (2012). Protocolo de avaliação de habilidades cognitivo-linguísticas. Book Toy.

Chard, D. J., Pikulski, J. J., & Mcdonagh, S. H. (2006). Fluency: The link between decoding and comprehension for struggling readers. In T. Rasinski, C. Blachowicz, & K. Lems (Eds.), Fluency instruction: Researchbased best practices (pp. 39-61). Guilford.

Coltheart, M. (2013). Modelando a leitura: A abordagem da dupla rota. In M. Snowling, & C. Hulme (Eds.), A ciência da leitura (pp. 24-41). Penso.

Corso, H. V., Sperb, T. M., & Salles, J. F. de. (2013). Leitura de palavras e de texto em crianças: Efeitos de série e tipo de escola, e dissociações de desempenhos. Letras de Hoje, 48(1), 81-90. https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/12033

Corso, H. V., Sperb, T. M., Piccolo, L. da R., Miná, C. S., & Salles, J. F. de. (2017). Pressupostos teóricos que embasaram o desenvolvimento do instrumento de avaliação da compreensão de leitura textual para crianças (COMTEXT). In H. V. Corso, L. da R. Piccolo, C. S. Miná, & J. F. de. Salles (Eds.). Avaliação da compreensão de leitura textual (COMTEXT) (pp. 17-29). Vetor.

Cunha, V. L. O., & Capellini, S. A. (2014). PROCOMLE: Protocolo de Avaliação da Compreensão de Leitura. Book Toy.

Daane, M. C., Campbell, J. R., Grigg, W. S., Goodman, M. J., & Oranje, A. (2005). Fourth-Grade Students Reading Aloud: NAEP 2002 special study of oral reading. U.S. Department of Education. Institute of Education Sciences, National Center for Education Statistics. Government Printing Office.

Fletcher, J. M., Lyons, R. G., Fuchs, L. S., & Barnes, M. A. (2009). Transtornos de aprendizagem: Da identificação à intervenção. Artmed.

Fuchs, L. S., Fuchs, D., Hosp, M. K., & Jenkins, J. R. (2001). Oral reading fluency as an indicator of reading competence: A theoretical, empirical, and historical analysis. Scientific Studies of Reading, 5(3), 239-256. https://doi.org/10.1207/S1532799XSSR0503_3

Harris, T. L., & Hodges, R. E. (1995). The literacy dictionary: The vocabulary of reading and writing. International Reading Association.

Hudson, R. F., Lane, H. B., & Pullen, P. C. (2005). Reading fluency assessment and instruction: What, why, and how? The Reading Teacher, 58(8), 702-714. https://doi.org/10.1598/RT.58.8.1

Kang, E. Y., & Shin, M. (2019). The contributions of reading fluency and decoding to reading comprehension for struggling readers in fourth grade. Reading & Writing Quarterly, 35(3), 1-14. https://doi.org/10.1080/10573569.2018.1521758

Klauda, S. L., & Guthrie, J. T. (2008). Relationships of three components of reading fluency to reading comprehension. Journal of Educational Psychology, 100(2), 310-321. https://doi.org/10.1037/0022-0663.100.2.310

Kuhn, M. R., & Stahl, S. A. (2003). Fluency: A review of developmental and remedial practices. Journal of Educational Psychology, 95(1), 3-21. https://doi.org/10.1037/0022-0663.95.1.3

Kuhn, M. R., Schwanenflugel, P. J., & Meisinger, E. B. (2010). Aligning theory and assessment of reading fluency: Automaticity, prosody, and definitions of fluency. Reading Research Quarterly, 45(2), 232-253. https://doi.org/10.1598/RRQ.45.2.4

Martins, M. A. (2018). Programa de fluência de leitura para escolares do 3º ao 5º ano: Tradução, adaptação e aplicação [Tese de Doutorado, Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista]. Repositório Institucional Unesp. https://repositorio.unesp.br/handle/11449/152976

National Reading Panel. (2000). Teaching children to read: An evidence-based assessment of the scientific research literature on reading and its implications for reading instruction. National Institute of Child Health and Human Development.

Navas, A. L. G. P., Pinto, J. C. B. R., & Dellisa, P. R. R. (2009). Avanços no conhecimento do processamento da fluência em leitura: Da palavra ao texto. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, 14(4), 553-559. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-80342009000400021

O’Connor, R. E. (2018). Reading fluency and students with reading disabilities: How fast is fast enough to promote reading comprehension? Journal of Learning Disabilities, 51(2), 124-136. https://doi.org/10.1177/0022219417691835

Piccolo, L. da R., Becker, N., Basso, F. P., Koltermann, G., Lima, M., Esteves, C., & Salles, J. F. de. (2018). Evidências de validade baseadas na relação com outras variáveis e com construtos conceitualmente relacionados ao instrumento Avaliação da Fluência de Leitura Textual (AFLeT). In F. P. Basso, C. S. Miná, L. da R. Piccolo, & J. F. de Salles (Eds.), AFLeT: Avaliação da Fluência de Leitura Textual. Avaliação neuropsicológica da leitura e escrita (pp. 51-67). Vetor.

Puliezi, S., & Maluf, M. R. (2014). A fluência e sua importância para a compreensão da leitura. Psico-USF, 19(3), 467-475. https://doi.org/10.1590/1413-82712014019003009

Samuels, J. S. (2006). Reading fluency: Its past, present, and future. In T. Rasinski, C. lachowicz, & K. Lems (Eds.), Fluency instruction: Research-based best practices (pp. 3-16). Guilford.

Sbicigo, J. B., Piccolo, L. da R., Basso, F. P., Miná, C. S., Esteves, C., & Salles, J. F. de. (2018). Evidências de fidedignidade do instrumento Avaliação da Fluência de Leitura Textual (AFLeT). In F. P. Basso, C. S. Miná, L. da R. Piccolo, & J. F. de Salles (Eds.), AFLeT: Avaliação da Fluência de Leitura Textual (pp. 69-75). Vetor.

Schwanenflugel, P. J., Hamilton, A. M., Wisenbaker, J. M., Kuhn, M. R., & Stahl, S. A. (2004). Becoming a fluent reader: Reading skill and prosodic features in the oral reading of young readers. Journal of Educational Psychology, 96(1), 119-129. https://doi.org/10.1037/0022-0663.96.1.119

Snow, C., & Juel, C. (2013). O ensino de leitura para crianças: O que sabemos a respeito? In M. Snowling, & C. Hulme (Eds.), A ciência da leitura (pp. 520-538). Penso.

Woodcock, R. W., Mcgrew, K. S., & Mather, N. (2001). Woodcock-Johnson tests of achievement (3a ed.). Riverside.

Publicado

09-08-2021

Edição

Seção

Teorias, Métodos, Pesquisa Educacional