Influências externas como ativos ou passivos na escolarização dos estudantes

Autores

Palavras-chave:

Escola, Rendimento escolar, Ambiente social

Resumo

O artigo examina entrevistas semiestruturadas com sujeitos de diferentes segmentos de quatro escolas, eleitas por contraste, problematizando as influências externas como ativos ou passivos na trajetória escolar dos estudantes. Revela que tanto a influência da família quanto a do bairro são percebidas como potencializadoras ou não de um maior aproveitamento da oportunidade educacional disponível. Passando pelos modelos de socialização no bairro, recursos materiais disponíveis no lar, exposição ao risco de violência e possibilidade de vivência de atividades extraescolares como elementos que atuam como ativos ou passivos, os entrevistados indicam desde a organização familiar, especialmente o acompanhamento escolar provido por ela, até a infraestrutura do bairro como aspectos a serem considerados.

Biografia do Autor

Luana Costa Almeida, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos (SP), Brasil

É doutora em Educação na área de Ensino e Práticas Culturais pela Universidade Estadual de Campinas-Unicamp (2014), com período de estágio na Universidade Autônoma de Barcelona-Espanha, ambos com financiamento da FAPESP; mestre em Educação na área de Ensino, Avaliação e Formação de Professores (2008) pela Unicamp e graduada em Pedagogia (2004) pela Unicamp. Fez pós-doutorado no Centro de Estudos da Metrópole-CEM/Cebrap, com financiamento da FAPESP (2014/2015). Atuou como professora dos anos iniciais do Ensino Fundamental, de graduação e de pós-graduação em diferentes instituições. Mãe do Gabriel desde final de 2017. Atualmente é Professora Adjunta do quadro efetivo da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), junto ao Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas (DTPP); é pesquisadora colaboradora no Laboratório de Observação e Estudos Descritivos-LOED (FE/Unicamp); é editora assistente da revista Educação & Sociedade-CEDES. Os principais temas de estudo são: Organização do Trabalho Pedagógico. Relação Escola-Entorno Social. Desigualdades Educacionais. Avaliação Educacional. (Fonte: Currículo Lattes)

Referências

Almeida, L. C. (2014). Relação entre o desempenho e o entorno social em escolas municipais de Campinas: A voz dos sujeitos [Tese de Doutorado]. Universidade Estadual de Campinas.

Almeida, L. C. (2017). As desigualdades e o trabalho das escolas: Problematizando a relação entre desempenho e localização socioespacial. Revista Brasileira de Educação, 22, 361-384.

Alves, F., Franco Jr., C., & Ribeiro, L. C. de Q. (2008). Segregação residencial e desigualdade escolar no Rio de Janeiro. In L. C. de Q. Ribeiro, & R. Kaztman (Orgs.), A cidade contra a escola? Segregação urbana e desigualdades educacionais em grandes cidades da América Latina (pp. 91-118). Letra Capital.

Arroyo, M. G. (2010). Políticas educacionais e desigualdades: À procura de novos significados. Educação & Sociedade, 31(113), 1381-1416.

Bernal, E. C. (2009). Las condiciones sociales para el aprendizaje en la relación equidad social y educación. In N. López. (Org.), De relaciones, actores y territorios: Hacia nuevas políticas para la educación en América Latina (pp. 171-201). IIPE-Unesco.

Bilac, E. D. (2006). Gênero, vulnerabilidade das famílias e capital social: Algumas reflexões. In J. M. P. da Cunha (Org.), Novas metrópoles paulistas: População, vulnerabilidade e segregação (pp. 51-65). Nepo/Unicamp.

Bourdieu, P. (1974). A economia das trocas simbólicas. Perspectiva.

Bourdieu, P. (1998). Escritos de educação. Vozes.

Brecht, B. (1982). Nada é impossível de mudar. Antologia poética. ELO Editora.

Brooks-Gunn, J., Duncan, G. J., & Aber, J. L. (Orgs.). (1997). Neighborhood poverty: Context and consequences for children (Vol. 1). Russell Sage Foundation.

Coleman, J. S., Campbell, E. Q., Hobson, C. J., McPartland, J., Mood, A. M., Weinfeld, F. D., & York, R. L. (1966). Equality of educational opportunity. Washington: Office of Education and Welfare.

Corbetta, S. (2009). Territorio y educación: La escuela desde un enfoque de territorio en políticas públicas. In N. López (Org.), De relaciones, actores y territorios: Hacia nuevas políticas para la educación en América Latina (pp. 263-303). IIPE-Unesco.

Cunha, J. M. P. da (Org.). (2006). Novas metrópoles paulistas: População, vulnerabilidade e segregação. Nepo/Unicamp.

Cunha, J. M. P. da, & Jiménez, M. A. (2006). Segregação e acúmulo de carências: Localização de pobreza e condições educacionais na Região Metropolitana de Campinas. In J. M. P. da Cunha (Org.), Novas metrópoles paulistas: População, vulnerabilidade e segregação (pp. 365-398). Nepo/Unicamp.

Ellen, I. G., & Turner, M. A. (1997). Does neighborhood matter? Assessing recent evidence. Housing Policy Debate, 8(4), 833-866.

Érnica, M., & Batista, A. A. G. (2012). A escola, a metrópole e a vizinhança vulnerável. Cadernos de Pesquisa, 42(146), 640-666.

Figueiredo, G. de O., Weihmüller, V. C., Vermelho, S. C., & Araya, J. B. (2017). Discusión y construcción de la categoría teórica de vulnerabilidad social. Cadernos de Pesquisa, 47(165), 796-818.

Flores, C. (2008). Segregação residencial e resultados educacionais na cidade de Santiago do Chile. In L. C. de Q. Ribeiro, & R. Kaztman, R. (Orgs.), A cidade contra a escola? Segregação urbana e desigualdades educacionais em grandes cidades da América Latina (pp. 145-179). Letra Capital.

Franco, C., Brooke, N., Alves, F. (2008). Estudo longitudinal sobre qualidade e equidade no ensino fundamental brasileiro: Geres 2005. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 16(61), 625-638.

Freire, P. (1979). Educação e mudança. Paz e Terra.

Kaztman, R. (Org.). (1999). Activos y estructuras de oportunidades: Estudios sobre las raíces de la vulnerabilidad social en Uruguay. Pnud/Cepal.

Kaztman, R. (2000). Notas sobre la medición de la vulnerabilidad social. Borrador para discusión. 5 Taller regional, la medición de la pobreza, métodos e aplicaciones. México: BID-BIRF-CEPAL. http://www.eclac.cl/deype/mecovi/docs/TALLeR5/24.pdf

Kaztman, R., Beccaria, L., Filgueira, F., Golbert, L., & Kessler, G. (1999). Vulnerabilidad, activos y exclusión social en Argentina y Uruguay. Proyecto Fundación Ford.

Kaztman, R., & Filgueira, F. (2006). As normas como bem público e privado: reflexões nas fronteiras do enfoque “ativos, vulnerabilidade e estrutura de oportunidades” (Aveo). In J. M. P. da Cunha (Org.), Novas metrópoles paulistas: População, vulnerabilidade e segregação (pp. 68-94). Nepo/Unicamp.

Koslinski, M. C., & Alves, F. (2012). Novos olhares para as desigualdades de oportunidades educacionais: a segregação residencial e a relação favela-asfalto no contexto carioca. Educação & Sociedade, 33(120), 783-803.

Mészáros, I. (2008). A educação para além do capital. Boitempo.

Moser, C. O. N. (1998). The asset vulnerability framework: Reassessing urban poverty reduction strategies. World Development, 26(1), 1-19.

Paixão, L. P. (2006). Compreendendo a escola na perspectiva das famílias. In M. L. R. Müller, & L. P. Paixão (Org.), Educação, diferenças e desigualdades (pp. 57-81). EdUFMT.

Patto, M. H. de S. (1990). A produção do fracasso escolar. T.A. Queiroz.

Penna, N. A., & Ferreira, I. B. (2014). Desigualdades socioespaciais e áreas de vulnerabilidades nas cidades. Mercator, 13(3), 25-36.

Resende, T. de F. (2008). Entre escolas e famílias: Revelações dos deveres de casa. Paidéia, 18(40), 385-398.

Ribeiro, L. C. de Q., & Kaztman, R. (Orgs.). (2008). A cidade contra a escola? Segregação urbana e desigualdades educacionais em grandes cidades da América Latina. Letra Capital.

Ribeiro, L. C. de Q., Koslinski, M. C., Alves, F., & Lasmar, C. (Orgs.). (2010). Desigualdades urbanas, desigualdades escolares. Letra Capital.

Ribeiro, L. C. de Q., Koslinski, M. C., Zuccarelli, C., & Christovão, A. C. (2016). Desafios urbanos à democratização do acesso às oportunidades educacionais nas metrópoles brasileiras. Educação & Sociedade, 37(134), 171-193.

Small, M. L., & Newman, K. (2001). Urban poverty after the truly disadvantaged: The rediscovery of the family, the neighborhood, and culture. Annual Review of Sociology, 27, 23-45.

Souza, M. A. de A. (2018). Abordagens recentes da pobreza urbana. Mercator, 17, e17020.

Stoco, S., & Almeida, L. C. (2011). Escolas municipais de Campinas e vulnerabilidade sociodemográfica: Primeiras aproximações. Revista Brasileira de Educação, 16(48), 663-694.

Thin, D. (2006). Famílias de camadas populares e a escola: Confrontação desigual de modos de socialização. In M. L. R. Müller, & L. P. Paixão (Orgs.), Educação, diferenças e desigualdades (pp. 17-55). EdUFMT.

Torres, H. G., Ferreira, M. P., & Gomes, S. (2005). Educação e segregação social: Explorando as relações de vizinhança. In E. Marques, & H. G. Torres (Orgs.), São Paulo: Segregação, pobreza e desigualdade. Senac.

Publicado

20-08-2021

Edição

Seção

Educação Básica, Cultura, Currículo