O manifesto dos educadores de 1959 revisitado: evento, narrativas e discursos

Autores

Palavras-chave:

Intelectuais,, Documentos, Imprensa, História da Educação

Resumo

Trata-se de análise histórica do manifesto de educadores “Mais uma vez convocados: manifesto ao povo e ao governo” (1959), divulgado em resposta à irrupção de um substitutivo ao projeto de Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Examina os alicerces de sua memória, interrogando as razões e os efeitos da predominante explicação por meio de suas relações com o Manifesto dos Pioneiros e a Campanha em Defesa da Escola Pública. Reconstrói eventos, agentes e significados, compreendendo-os como ação coletiva e coordenada de intelectuais para fins políticos determinados. Conclui-se realçando o manifesto em sua especificidade e historicidade, aparando equívocos historiográficos resultantes de repetições sem lastro e abordagens que produziram lacunas em sua compreensão como evento singular.  

Biografia do Autor

Bruno Bontempi Jr, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, Brasil

Possui mestrado (1995) e doutorado (2001) em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, pós-doutorado no Programa de História da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2009). Atualmente, é Chefe do Departamento de Filosofia da Educação e Ciências da Educação (EDF) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo; orientador pleno e credenciado no Programa de Pós-Graduação em Educação da USP. Tem experiência nas áreas de Educação e História, com ênfase em História da Educação, atuando principalmente nos temas: historiografia da educação, história dos intelectuais, história das universidades, história das elites. Líder do Grupo de Pesquisa Intelectuais da educação brasileira: formação, ideias e ações (CNPq). Editor Assistente da Revista Educação e Pesquisa. Autor do livro: Laerte Ramos de Carvalho e a constituição da História e Filosofia da Educação como disciplina acadêmica (Edufu, 2015).

Referências

Alves, C. (2012). Jean-François Sirinelli e o político como terreno da história cultural. In E. M. T. Lopes, & L. M. Faria Filho (Org.), Pensadores sociais e a história da educação II (pp. 111-134). Autêntica.

Anais da Câmara dos Deputados (1959, julho 1). O sr. Luiz Vianna (para uma comunicação). 68a Sessão da Câmara dos Deputados, de 30 de junho de 1959, pp. 496-512. https://imagem.camara.leg.br/dc_20b.asp#/

Azevedo, F. (1959). Mais uma vez convocados (Manifesto ao povo e ao Govêrno). Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 31(74), 8-24.

Azevedo, F. (1971). A cultura brasileira (5a. ed.). Melhoramentos.

Barros, R. S. M. (Org.). (1960). Diretrizes e bases da educação. Pioneira.

Bomeny, H. Manifesto “Mais uma vez convocados”. https://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/JK/artigos/Educacao/ManifestoMaisUmaVez.

Bontempi Jr., B. (2005). A presença visível e invisível de Durkheim na historiografia da educação brasileira. In L. M. Faria Filho (Org.), Pensadores sociais e história da educação (pp. 47-62). Autêntica.

Bontempi Jr., B. (2015). Laerte Ramos de Carvalho e a constituição da História e Filosofia da Educação como disciplina acadêmica. Edufu.

Bontempi Jr., B. (2018). Laerte Ramos de Carvalho (1922-1972). A educação pela presença. In T. C. Rego. Educadores brasileiros: Ideias e ações de nomes que marcaram a educação nacional (pp. 197-208). CRV.

Brandão, Z. (1999). A intelligentsia educacional: Um percurso com Paschoal Lemme por entre as memórias e as histórias da escola nova no Brasil. Edusf.

Buffa, E. (1979). Ideologias em conflito: Escola pública e escola privada. Cortez & Moraes.

Carta de Jaime Junqueira Ayres a Anísio Teixeira (1956, agosto 13). Correspondência entre Jaime Junqueira Aires e Anísio Teixeira sobre assuntos diversos. Arquivo do CPDOC. Classificação: AT c 1927.09.26/2. Série: c – Correspondência. Data de produção: 26/09/1927 a 19/06/1970. Quantidade de documentos: 23 (67 folhas).

Carvalho, J. P. F. (2008, maio). A origem do Manifesto dos educadores mais uma vez convocados, de 1959, na correspondência de alguns de seus signatários. [Apresentação de comunicação]. Congresso Brasileiro de História da Educação. Aracaju, Brasil. Unit/Ufes, pp. 1-15.

Carvalho, M. M. C. (1989). O novo, o velho, o perigoso: relendo a cultura brasileira. Cadernos de Pesquisa, 71, 29-35.

Catani, A. M. (2009). A Revista de Cultura Anhembi (1950-62): Um projeto elitista para elevar o nível cultural no Brasil. Eduem.

Charle, C. (1990). Naissance des “ intellectuels” (1880-1900). Minuit.

Cunha, L. A. (1983). A universidade crítica: O ensino superior na República Populista. Francisco Alves.

Cunha, L. A. (1988). A universidade reformanda. Francisco Alves.

Diário do Congresso Nacional (1959, julho 1). 68a Sessão da Câmara dos Deputados, do dia 30 de junho de 1959, pp. 3691-3695.

Dias, J. A. Carlos Pasquale. (2002). In M. L. A. Fávero, & J. M. Britto (Org.), Dicionário de educadores no Brasil: Da colônia aos dias atuais (2a. ed., pp. 225-229). Editora UFRJ/MEC-Inep-Comped.

Drummond, A. A. José Carlos de Mello e Souza. (2002). In M. L. A. Fávero, & J. M. Britto (Org.), Dicionário de educadores no Brasil: Da colônia aos dias atuais (2a. ed., pp. 587-594). Editora UFRJ/MEC-Inep-Comped.

Duarte, R. A. (2019). Carolina Ribeiro: o lugar da mulher na educação em São Paulo. In D. G. Vidal, & P. P. Vicentini (Org.), Mulheres inovadoras no ensino (São Paulo, séculos XIX e XX) (pp. 83-96). Fino Traço.

Escola pública é o único patrimônio para nossa consolidação democrática. (1959, junho 23). Correio Paulistano, p. 9. Arquivo IEB-USP. Fundo Fernando de Azevedo/ Cx. 085/Coleção Atividades Profissionais/FA-D9/1, 33.

Fernandes, F. (1960a). A posição dos escritores. In R. S. M. Barros (Org.), Diretrizes e bases da educação nacional (pp. 85-92). Pioneira.

Fernandes, F. (1960b). A democratização do ensino. In R. S. M. Barros (Org.), Diretrizes e bases da educação nacional (pp. 154-165). Pioneira.

Fernandes, F. (1966). Educação e sociedade no Brasil. Dominus/Edusp.

Ghiraldelli Jr., P. (1999). Posso conversar sobre “história das idéias” e “história da educação” a partir do neopragmatismo de Richard Rorty? In C. Monarcha (Org.), História da educação brasileira: A formação do campo (pp. 65-94). Unijuí.

Lambert, J. (1969). Os dois Brasil (5a. ed.). Companhia Editora Nacional.

Lemme, P. (1988). Memórias (Vol. 4). Inep.

Lima, V. L. S. (2017). Os manifestos de 1932 e 1959 e suas contribuiçõ es para as diretrizes e bases da educação. Revista Communitas, 1(1), 247-267.

Mais uma vez convocados. Manifesto ao povo e ao governo. (1959, julho 1). O Estado de S. Paulo, p. 8.

Manifesto dos educadores em princípio de julho. (1959, junho 20). O Estado de S. Paulo, p. 11 (recorte). Arquivo IEB-USP. Fundo Fernando de Azevedo/Cx. 085/Coleção Atividades Profissionais/FA-D9/1, 31.

Manifesto dos educadores mais uma vez convocados. (1959, julho 2). Diário de Notícias, p. 6, segunda seção.

Manifesto público dos educadores para reafirmação de princípios diante dos problemas educacionais. (1959, junho 18). Folha da Manhã, s.p. (recorte). Arquivo IEB-USP. Fundo Fernando de Azevedo/Cx. 085/Coleção Atividades Profissionais/FA-D9/1, 30.

Manifesto sobre as bases da educação. (1959, julho 26). O Estado de S. Paulo, p. 21.

Manifestos dos pioneiros da educação nova (1932) e dos educadores (1959). (2010). Fernando de Azevedo et al. Recife, PE: Fundaçã o Joaquim Nabuco; Massangana.

Manuscrito de Fernando de Azevedo: “Manifesto dos educadores mais uma vez convocados”, publicado em vários jornais e revistas em 1959 (primeiro exemplar). 24 p. (datilografado). Arquivo IEB-USP. Fundo Fernando de Azevedo/Cx. 085/Coleção Atividades Profissionais/FA-D9/1, 14a.

Mea culpa perante o povo e a mocidade. (1959, julho 2). Jornal do Commercio, p. 1.

Pasinato, D. (2011). Importância do manifesto de 1959 para a educação brasileira. Revista Semina, 10(1), 1-12.

Por um ensino público obrigatório e gratuito. (1959, julho 5). Jornal do Commercio, p. 8-9.

Rabello, R. S. (2019). Noemy da Silveira Rudolfer e a vanguarda da psicologia educacional. In D. G. Vidal, & P. P. Vicentini (Org.), Mulheres inovadoras no ensino (São Paulo, séculos XIX e XX) (pp. 219-240). Fino Traço.

Ribeiro, M. L. S. (1992). História da educação brasileira: Organização escolar (12a. ed.). Cortez.

Ribeiro, M. L. S. (1999). A reconstrução do texto histórico em educação no contexto da sociedade brasileira: minha experiência nesse processo. In C. Monarcha (Org.), História da educação brasileira: A formação do campo (pp. 121-146). Unijuí.

Ridenti, M. (2003). Cultura e política brasileira: enterrar os anos 60? In E. R. Bastos, M. Ridenti, & D. Rolland (Org.), Intelectuais: Sociedade e política, Brasil-França (pp. 197-212). Cortez.

Ridenti, M. (1998). Um romantismo revolucionário em Florestan Fernandes? In P. H. Martinez (Org.), Florestan ou o entido das coisas (pp. 169-176). Boitempo.

Romanelli, O. O. (1986). História da educação no Brasil (1930-1977) (8a. ed.). Vozes.

Sanfelice, J. L. (2007). O Manifesto dos educadores (1959) à luz da história. Revista Educação e Sociedade, 28(99), 542-557.

Saviani, D. (1996). Florestan Fernandes e a educação. Estudos Avançados, 10(26), 71-87.

Sirinelli, J.-F. (1986). Le hasard ou la nècessité? Une histoire enchantier: l’histoire des intellectuels. Vingtième Siècle, Revue d’Histoire, 9, 97-108.

Sirinelli, J. F. (2003). Os intelectuais. In R. Rémond. Por uma história política (pp. 231-269). FGV.

Skinner, Q. (2005). Visões da política: Sobre os métodos históricos. Difel.

Vidal D. G. (Org.). (2000). Na batalha da educação: Correspondência entre Anísio Teixeira e Fernando de Azevedo (1929-1971). Edusf.

Vieira, C. E. (2017). Contextualismo linguístico: contexto histórico, pressupostos teóricos e contribuições para a escrita da história da educação. Revista Brasileira de História da Educação, 17(3) (46), 31-55.

Warde, M. J. (2002). Noemy da Silveira Rudolfer. In M. L. A. Fávero, & J. M. Britto (Org.), Dicionário de educadores no Brasil: Da colônia aos dias atuais (2a. ed., pp. 860-866). Editora UFRJ/MEC-Inep-Comped.

Warde, M. J. (2004). Legado e legatários: Questões sobre o Manifesto dos pioneiros da educação nova. In M. C. Xavier (Org.), Manifesto dos pioneiros da educação: Um legado educacional em debate (pp. 221-240). Editora FGV.

Xavier, L. N. (2015). O manifesto de 1932 e a democracia como valor universal. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 96 (n. especial), 133-156.

Fontes para consulta

Luís Viana Filho. Perfil do Acadêmico. Academia Brasileira de Letras. http://www.academia.org.br/academicos/luis-viana-filho.

Verbete biográfico “Viana Filho, Luís”. Arquivo do CPDOC. https://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-biografico/viana-filho-luis.

Publicado

30-04-2021

Edição

Seção

Políticas Públicas, Avaliação e Gestão