A implementação de unidades didáticas multiestratégicas na formação inicial de professores de Química

Autores

  • Amadeu Moura Bego Universidade Estadual Paulista (Unesp), Araraquara, São Paulo, Brasil

Resumo

A formação inicial deve possibilitar um saber-fazer prático racional e
fundamentado para agir em situações complexas de ensino. Por isso, o conhecimento-base deve constituir-se a partir de vivências e análise de práticas concretas que permitam constante dialética entre a prática profissional e a formação teórica e, ainda, entre a experiência concreta nas salas de aula e a pesquisa, entre os professores e os formadores universitários. Nesse sentido, ao longo dos últimos anos, vimos
desenvolvendo o conceito de Unidade Didática Multiestratégica (UDM), que
consiste em um projeto de ensino que integra, de modo organizado e sequenciado, um conjunto de estratégias didáticas de acordo com objetivos de aprendizagem previamente definidos e delimitados. O presente trabalho se insere no contexto de desenvolvimento das disciplinas obrigatórias Instrumentação para o Ensino de Química e Estágio Curricular Supervisionado V para as turmas do curso de licenciatura em Química do Instituto de Química da Universidade Estadual Paulista "Júlio de
Mesquita Filho" (Unesp), campus de Araraquara, dos anos de 2014 e de 2015. Esse trabalho tem como foco o estudo da mobilização e do desenvolvimento de saberes profissionais de professores em formação inicial no processo de implementação de UDM para o ensino de Química. O processo de implementação envolve três etapas que se coadunam: a primeira consiste no planejamento da UDM, a segunda se refere à própria intervenção didático-pedagógica nas salas de aula das unidades escolares parceiras, e a última etapa abarca o replanejamento da UDM a partir da reflexão crítica sobre a intervenção realizada. Os objetivos principais das disciplinas consistiram na investigação sobre o processo de mobilização, desenvolvimento e articulação de saberes profissionais da docência por professores em formação inicial no processo de implementação de UDM no ensino de Química; e na promoção de inovações didáticopedagógicas no ensino de Química no nível médio. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGOSTINI, G.; ULIANA, F.; BEGO, A. M. Saberes docentes desenvolvidos por licenciandos em química no estágio supervisionado: influências da implementação de uma unidade didática multiestratégica. In: EVENTO DE EDUCAÇÃO EM QUÍMICA, 14, 2016, Araraquara. Anais... Araraquara: Unesp, 2016.

BABOUR, R. Grupos focais. Porto Alegre: Artmed, 2009.

BASTOS, F.; NARDI, R.; DINIZ, R. E. S.; CALDEIRA, A. M. A. Da necessidade de uma pluralidade de interpretações acerca do processo de ensino e aprendizagem de ciências: revisitando os debates sobre construtivismo. In: NARDI, R.; BASTOS, F.; DINIZ, R. E. S. (Org.). Pesquisas em ensino de ciências: contribuições para a formação

de professores. São Paulo: Escrituras, 2004. p. 9-55.

BEGO, A. M.; SILVA, C. S.; TERRAZZAN, E. A. O Modelo de Racionalidade Implícito na reestruturação de um curso de licenciatura em química. In: CONGRESSO ESTADUAL PAULISTA SOBRE FORMAÇÃO DE EDUCADORES, 11.; CONGRESSO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES, 1., 2011, Águas de Lindoia. Livro de

resumos... São Paulo: Unesp/Prograd, 2011. v. 1, p. 76.

BLANCO, G. S.; PÉREZ, M. V. V. Diseño de unidades didácticas en el área de ciencias experimentales. Enseñanza de las ciencias, v. 11, n. 1, p. 33-44, 1993.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP 01, de 18 de fevereiro de 2002. Brasília, 2002a.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP 2, de 19 de fevereiro de 2002. Brasília, 2002b.

CARVALHO, A. M. P.; GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de ciências: tendências e inovações. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

FERREIRA, L. H.; KASSEBOEHMER, A. C. Formação inicial de professores de química: a instituição formadora (re)pensando sua função social. São Carlos: Pedro & João, 2012.

GALIAZZI, M. C. Educar pela pesquisa: ambiente de formação de professores de ciências. Ijuí: Unijuí, 2003.

GARCÍA, C. M. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto, 1999.

KASSEBOEHMER, A. C.; FERREIRA, L. H. O espaço da prática de ensino e do estágio curricular nos cursos de formação de professores de química das IES públicas paulistas. Química Nova, v. 31, n. 3, p. 694-699, 2008.

MALDANER, O. A. A formação inicial e continuada de professores de química: professores/pesquisadores. Ijuí: Unijuí, 2003.

MESQUITA, N.; SOARES, M. H. F. Os projetos político-pedagógicos dos cursos de licenciatura em química no estado de Goiás: relações e interações. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA, 14., Curitiba. Anais.... Curitiba: UFPR, 2008.

MONTERO, L. A construção do conhecimento profissional docente. Lisboa: Instituto Piaget, 2005.

MORAIS, R. P.; FERRARI, T. B.; BEGO, A. M. Utilização de debate no ensino de ciclos biogeoquímicos: o uso de uma Unidade Didática Multiestratégica na perspectiva histórico-crítica. In: EVENTO DE EDUCAÇÃO EM QUÍMICA, 14., 2016, Araraquara. Anais... Araraquara: Unesp, 2016.

PEREIRA, J. E. D. As licenciaturas e as novas políticas educacionais para a formação docente. Educação e Sociedade, Campinas, v. 20, n. 68, p. 109-125, 1999.

PIMENTA, S. G. (Org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

RAMOS, M. G.; MORAES, R. A avaliação em química: contribuição aos processos de mediação da aprendizagem e de melhoria do ensino. In: MALDANER, O. A.; SANTOS, W. L. P. Ensino de química em foco. 4. ed. Ijuí: Unijuí, 2011. Cap. 12, p. 313-330.

SANMARTÍ, N. Didactica de las ciencias en la educación secundaria obligatoria. Madrid: Síntesis, 2002.

SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SHULMAN, L. S. Knowledge and teaching: foundations of the new reform. Harvard Education Review, v. 57, n. 1, p. 1-22, Febr. 1987.

SILVA, L. V.; MARQUES, J. A. C.; BEGO, A. M. Unidades didáticas multiestratégicas de matemática contextualizadas e problematizadoras: relato de uma intervenção

didático-pedagógica do Pibid. In: SEMINÁRIO PIBID/SUDESTE, 1.; ENCONTRO ESTADUAL DO PIBID/ES: Avaliação, perspectivas e metas, 3., 2015, Aracruz, ES. Anais... Aracruz: UFES, 2015.

SILVA, A. L.; ALVES, M.; STAIN, S. N.; MORALLES, V. A.; BEGO, A. M. Relato de experiência: utilização de um júri simulado no ensino de radioatividade. In: EVENTO DE EDUCAÇÃO EM QUÍMICA, 13., 2015, Araraquara. Anais... Araraquara: Unesp, 2015.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 8. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

TERRAZZAN, E. A.; DUTRA, E. F.; WINCH, P. G.; SILVA, A. A. Configurações curriculares em cursos de licenciatura e formação identitária de professores. Diálogo Educacional, Curitiba, v. 8, n. 23, p. 71-90, 2008.

ZABALZA, M. A. Diários de aula: um instrumento de pesquisa e desenvolvimento profissional. Porto Alegre: Artmed, 2004.

Downloads

Publicado

17-11-2016

Como Citar

Bego, A. M. (2016). A implementação de unidades didáticas multiestratégicas na formação inicial de professores de Química. Textos FCC, 50, 55–72. Recuperado de https://publicacoes.fcc.org.br/textosfcc/article/view/4316