Resistência e resignação: narrativas de gênero na escolha por Enfermagem e Pedagogia

Renata Mourão Macedo

Resumo


O artigo analisa narrativas de estudantes universitárias dos cursos de Enfermagem e Pedagogia em duas faculdades privadas em São Paulo (SP), a partir de pesquisa de cunho etnográfico. Em especial, focaliza as narrativas de gênero (articulado com classe social e idade), elucidando como as próprias estudantes percebem suas escolhas. No caso do ingresso no curso de Enfermagem, evidenciam-se relatos sobre as dificuldades de cursar Medicina, por um lado, e as expectativas de ultrapassar o nível técnico ou ter uma profissão com reconhecimento social, por outro. Já no caso de Pedagogia, trata-se do desafio de conciliar a aptidão para o trabalho docente com os aspectos pragmáticos, diante de um curso mais acessível, embora pouco valorizado. Em ambas as carreiras, os processos de feminização dessas áreas se produzem e reproduzem por meio de associações persistentes entre feminilidades e cuidado.

Palavras-chave


Escolha profissional; Ensino superior; Gênero; Estudantes universitários

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Wilson. Os herdeiros e os bolsistas do ProUni na cidade de São Paulo. Educação e Sociedade, Campinas, v. 36, n. 130, p. 85-100, mar. 2015.

BANDERA, Nicolau Dela. A escolha da tradição: o campo dos possíveis para os estudantes do IFSP. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 41, n. 3, p. 809-832, 2016.

BARBIERI, Márcia; RODRIGUES, Jaime. Memórias do cuidar: setenta anos da Escola Paulista de Enfermagem. São Paulo: Editora Unifesp, 2010.

BARROSO, Carmen Lucia de Melo; MELLO, Guiomar. O acesso da mulher ao ensino superior brasileiro. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 15, p. 47-77, dez. 1975.

BOURDIEU, Pierre. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: NOGUEIRA, Maria Alice; CATANI, Afrânio (org.). Escritos de educação. Petrópolis: Vozes, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Apresentação – Censo da Educação Superior 2015. 2015. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/apresentacao/2015/Apresentacao_Censo_Superior_2015.pdf. Acesso em: 15 out. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Apresentação – Censo da Educação Superior 2016. 2016. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/mec-e-inep-divulgam-dados-do-censo-da-ducacaosuperior-

/21206. Acesso em: 3 set. 2017.

BRUSCHINI, Cristina; AMADO, Tina. Estudos sobre mulher e educação: algumas questões sobre o magistério. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 64, p. 4-13, fev. 1988.

BUTLER, Judith. Regulações de gênero. Cadernos Pagu, Campinas, v. 42, p. 249-274, jan./jun. 2014.

CASAGRANDE, Lindamir; SOUZA, Ângela. Percorrendo labirintos: trajetórias e desafios de estudantes de engenharias e licenciaturas. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 47, n. 163, p. 168-200, jan./mar. 2017.

CONNELL, Raewyn. Gênero em termos reais. São Paulo: Versos, 2016.

COSTA, Henrique Bosso. Entre o lulismo e o ceticismo: um estudo de caso com prounistas em São Paulo. 2015. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

DUBET, François. Injustiças: a experiência das desigualdades no trabalho. Florianópolis: Editora UFSC, 2014.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 132, p. 595-609, set./dez. 2007.

HIRATA, Helena; GUIMARÃES, Nadya; SUGITA, Kurumi. Cuidado e cuidadoras: o trabalho do Care no Brasil, França e Japão. Sociologia & Antropologia, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 151-180, jan./jun. 2011.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA – IPEA. Radar: tecnologia, produção e comércio exterior. N. 27 – Especial Perspectivas profissionais – níveis técnico e superior. 2013. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/3485/1/Radar_n27.pdf. Acesso em: 30 mar. 2017.

KOPPER, Moisés; DAMO, Arlei. A emergência e evanescência da nova classe média brasileira. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 24, n. 50, p. 335-376, jan./abr. 2018.

LAHIRE, Bernard. Sucesso escolar nos meios populares: as razões do improvável. São Paulo: Ática, 2004.

LOPES, Marta; LEAL, Sandra. A feminização persistente na qualificação da enfermagem brasileira. Cadernos Pagu, Campinas, v. 24, p. 105-125, 2005.

LOURO, Guacira Lopes. Mulheres na sala de aula. In: PRIORE, Mary. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Editora Unesp; Contexto, 2001.

MACEDO, Renata Mourão. Trabalhadoras e consumidoras: transformações do emprego doméstico na sociedade brasileira. Política & Trabalho: Revista de Ciências Sociais, n. 42, p. 311-333, jan./jun. 2015.

MISKOLCI, Richard. Sociologia digital: notas sobre pesquisa na era da conectividade. Revista Contemporânea, São Carlos, v. 6, n. 2, p. 275-297, 2016.

MOORE, Henrietta. Fantasias de poder e fantasias de identidade: gênero, raça e violência. Cadernos Pagu, Campinas, n. 14, p. 13-44, 2000.

MOTT, Maria Lúcia. Revendo a história da enfermagem em São Paulo (1890-1920). Cadernos Pagu, Campinas, n. 13, p. 327-355, 1999.

NOGUEIRA, Claudio. Escolha racional ou disposições incorporadas: diferentes referenciais teóricos na análise sociológica do processo de escolha dos estudos superiores. Revista Estudos de Sociologia, Recife, v. 2, n. 18, 2012.

NOGUEIRA, Claudio; PEREIRA, Flávia. O gosto e as condições de sua realização: a escolha por pedagogia entre estudantes com perfil social e escolar mais elevado. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 26, n. 3, dez. 2010.

PEREIRA, Alexandre. Do controverso “chão de escola” às controvérsias da etnografia: aproximações entre antropologia e educação. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 23, n. 49, p. 149-176, set./dez. 2017.

RIBEIRO, Carlos Antonio Costa; SCHLEGEL, Rogerio. Estratificação horizontal e ensino superior no Brasil (1960 a 2010). In: ARRETCHE, Marta (org.). Trajetórias de desigualdades: como o Brasil mudou nos últimos cinquenta anos. São Paulo: Editora Unesp, 2015.

RODRIGUES, Jaime; SCHIRMER, Janine. Enfermagem: uma profissão feminina? O caso do curso de enfermagem da Universidade Federal de São Paulo. In: BARBIERI, Márcia; RODRIGUES, Jaime. Memórias do cuidar: setenta anos da Escola Paulista de Enfermagem. São Paulo: Editora Unifesp, 2010.

SAMPAIO, Helena. Diversidade e diferenciação no ensino superior no Brasil: conceitos para discussão. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 29, n. 84, p. 43-55, fev. 2014.

SALDAÑA, Paulo; BOLDRINI, Angela. Total de matrículas no ensino superior tem estagnação inédita em 2016. Folha de S.Paulo, 31/08/2017. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2017/08/1914492-total-de-matriculas-no-ensino-superior-tem-estagnacao-inedita-em-2016.shtml?loggedpaywall. Acesso em: 1 set. 2017.

VELHO, Gilberto. Um antropólogo na cidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

VIANNA, Claudia; ALVARENGA, Carolina. Relações sociais de gênero e divisão sexual do trabalho: desafios para a compreensão do tempo de trabalho docente. Revista Laboreal, Porto, v. 8, n. 1, p. 11-27, jul. 2012.

WILLIS, Paul. Aprendendo a ser trabalhador: escola, resistência e reprodução social. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

WILLIS, Paul; TRONDMAN, Mats. Manifesto pela etnografia. Revista Educação, Sociedade e Culturas, n. 27, p. 211-220, 2008.

YANNOULAS, Silvia. Feminização ou feminilização? apontamentos em torno de uma categoria. Temporalis, Brasília, v. 11, n. 22, p. 271-292, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Financiadores: