Ingressar no ensino superior depois dos 23 anos: oportunidades e motivações

Catarina Mangas, Sara Lopes, Paula Ferreira, Isabel Beato

Resumo


O artigo pretende apresentar um estudo de caso, aplicado numa instituição pública portuguesa de ensino superior, que teve a intenção de caracterizar os estudantes que ingressaram nessa instituição a partir da prova de acesso para maiores de 23 anos, conhecer os motivos para o seu ingresso, bem como a sua perspetiva sobre esta forma de acesso ao ensino superior. Foi realizado um estudo de abordagem mista concretizado através de um inquérito por questionário respondido por 180 ex-estudantes. A aquisição de novos conhecimentos, a valorização pessoal e a mudança profissional são os motivos mais considerados para o acesso ao ensino superior. A leitura dos dados permite destacar a importância das políticas educativas para adultos, que, no caso português, são ainda escassas e localizadas, para a promoção de oportunidades de aprendizagem para todos.


Palavras-chave


Acesso à educação superior; Educação de adultos; Oportunidades educacionais; Portugal

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


BARROS, Rosanna. Genealogia dos conceitos em educação de adultos. Lisboa: Chiado, 2011.

BARROS, Rosanna. As políticas educativas para o sector da educação de adultos em Portugal: as novas instituições e processos educativos emergentes entre 1996-2006. Lisboa: Chiado, 2013.

BARROS, Rosanna; LOPES, Sara. As políticas de ensino superior em Portugal e o caso dos estudantes não tradicionais: reflexões sobre o direito dos adultos à educação (superior). Poiésis, Tubarão, v. 9, n. 16, p. 364-383, jul./dez. 2015.

BEATO, Isabel. Contributos do ensino superior na formação de “maiores de 23 anos” em Portugal: novos públicos, desafios. 2014. Tese (Doutoramento em Ciências da Educação) – Universidad de Extremadura, Badajoz, 2014.

BECK, Ulrich; GIDDENS, Anthony; LASH, Scott. Reflexive modernization: politics, tradition and aesthetics in the modern social order. Cambridge: Polity, 1994.

CORREIA, Ana; MESQUITA, Anabela. Os novos públicos no ensino superior e a sociedade do conhecimento. Lisboa: Sílabo, 2006.

COUTINHO, Clara. Metodologia de investigação em Ciências Sociais e Humanas: teoria e prática. Coimbra: Almedina, 2018.

DIREÇÃO GERAL DE ESTATÍSTICAS DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Estatísticas globais 2016/2017. 2017a. Disponível em: http://www.dgeec.mec.pt/np4/estatglobal. Acesso em: 28 maio 2018.

DIREÇÃO GERAL DE ESTATÍSTICAS DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Vagas e inscritos (inclui inscritos em mobilidade internacional). 2017b. Disponível em: http://www.dgeec.mec.pt/np4/120.html. Acesso em: 6 jun. 2018.

FORTIN, Marie-Fabienne; CÔTE, José; VISSANDJÉE, Bilkis. A investigação científica. In: FORTIN, Marie-Fabienne (coord.). O processo de investigação: da concepção à realização. Loures: Lusociência, 2009. p. 15-24.

FORTIN, Marie-Fabienne (coord.). O processo de investigação: da concepção à realização. Loures: Lusociência, 2009.

LOPES, Sara. Trajetórias sociais e políticas de formação de adultos em Portugal. Lisboa: Chiado, 2014.

LOPES, Sara; BARROS, Rosanna. Aprender no curso da vida: as políticas de educação de adultos e o acesso ao ensino superior em Portugal. In: PIMENTEL, Luísa; LOPES, Sara; FARIA, Susana (org.). Envelhecendo e aprendendo: a aprendizagem ao longo da vida nos processos de envelhecimento ativo. Lisboa: Coisas de Ler, 2016. p. 75-98.

MANGAS, Nuno; MARQUES, João; CADIMA, Rita; PEDROSA, Rui. Plano estratégico politécnico de Leiria 2017. Leiria: Instituto Politécnico de Leiria, 2017.

MONTEIRO, Angélica; BARROS, Rita; MOREIRA, António. Novos públicos do ensino superior: abordagem à aprendizagem de estudantes maiores de 23 anos. Revista Portuguesa de Pedagogia, Coimbra, v. 49, n. 1, p. 131-149, dez. 2015.

OLIVEIRA, Albertina. Quem são e como são eles? O caso dos adultos no ensino superior. Revista Portuguesa de Pedagogia, Coimbra, v. 41, n. 3, p. 43-76, dez. 2007.

PARDAL, Luís; LOPES, Eugénia. Métodos e técnicas de investigação social. Porto: Areal, 2011.

PEREIRA, Eduarda. Alunos maiores de 23 anos: motivações para o ingresso no ensino superior na UP. 2009. Tese (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Letras, Porto, 2009.

PORTUGAL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. Decreto-Lei n. 54, de 21 de março de 2008. Diário da República, Lisboa, n. 57, Série I-A, de 21 mar. 2006.

PRODANOV, Cleber; FREITAS, Ernani. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

RAYMOND, Quivy; CAMPENHOUDT, Luc Van. Manual de investigação em ciências sociais. Lisboa: Gradiva, 2005.

SEIXAS, Ana. Portugal e o espaço europeu de ensino superior: regulação supranacional e políticas públicas. In: NETO, Antônio; REBELO, Maria (org.). O ensino superior no Brasil e em Portugal: perspectivas políticas e pedagógicas. Natal: Editora da UFRN, 2010. p. 73-99.

SAUNDERS, Mark; LEWIS, Philip; THORNHILL, Adrian. Research methods for business students. Nova York: Pearson, 2012.

SOARES, Diana; ALMEIDA, Leandro; FERREIRA, Joaquim. Percursos vocacionais e experiências académicas: o caso dos alunos maiores de 23 anos. Psicologia, Educação e Cultura, Pedroso, v. 14, n. 1, p. 2013-2014, maio 2010.

TONIN, Elane, AMORIM, José; MENEZES, Isabel. Os candidatos adultos não tradicionais - “maiores de 23” - e a equidade de acesso à educação superior em Portugal. Revista Brasileira de Ensino Superior, Passo Fundo, v. 2, n. 3, p. 18-30, 2016.

VILELAS, José. Investigação: o processo de construção do conhecimento. Lisboa: Sílado, 2009.

YIN, Robert. Case study research: design and methods. Housand Oaks, CA: Sage, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Financiadores: