Yalorixás e educação: discutindo o ensino religioso nas escolas

Kelly Russo, Alessandra Almeida

Resumo


Yalorixás são mães de santo do Candomblé; possuem reconhecimento social e força de mobilização e, ao mesmo tempo, convivem com situações de racismo e intolerância dentro ou fora de suas comunidades. Neste artigo, procuramos discutir a relação entre educação escolar e religiosidade a partir da visão de cinco Yalorixás do Candomblé da Baixada Fluminense. Por meio de entrevistas e observações realizadas entre maio de 2014 e janeiro de 2015, em quatro diferentes terreiros dessa região, identificamos como essas líderes religiosas percebem a intolerância, o racismo e discutem criticamente o ensino religioso na rede pública do Rio de Janeiro.

 

 


Palavras-chave


Educação Pública, Ensino Religioso, Candomblé, Racismo

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES FILHO, Francisco. Um rio de atabaques. Isto é, n. 1471, 10/12/1997. Disponível em: . Acesso em: abr. 2015.

BASTIDE, Roger. Imagens do Nordeste místico em preto e branco. O Cruzeiro, Rio de Janeiro, 1945.

BENISTE, José. As águas de Oxalá. 9. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

CAPONE, Stefania. Le pur et dégénéré: le candomblé de Rio de Janeiro ou les oppositions revisitées. Journal de la Société des Américanistes, v. 82, p. 259-292, 1996.

CAPPELLI, Rogério. Um Brasil de Áfricas: novos olhares sobre a religiosidade afro-brasileira. In: OLIVEIRA, Iolanda; SOUZA, Maria Helena Viana (Org.). Educação e população negra: contribuições para a educação das relações étnico-raciais. Niterói: Eduff, 2007. p. 285-309 (Cadernos PENESB, 9).

CAPUTO, Stela Guedes. Educação nos terreiros: e como a escola se relaciona com crianças de candomblé. Rio de Janeiro: Pallas, 2012.

CARNEIRO, Edson. Ladinos e crioulos: estudos sobre o negro no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964.

COSTA NETO, Antônio da. O ensino religioso e as religiões de matrizes africanas no Distrito Federal. 2010. 102f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

DUSSSEL, Enrique. Europa, modernidade e eurocentrismo. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 55-70 (Sur Sur).

FONSECA, Denise Pini Rosalem da; GIACOMINI, Sônia Maria. Presença do axé: mapeando terreiros no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio, 2013.

GAMA, Elizabeth Castelano. Mulato, homossexual e macumbeiro: que rei é este? Trajetória de João da Goméia (1914-1971). Niterói: UFF, 2012.

MAIO, Marcos Chor. O projeto UNESCO e a agenda das ciências sociais no Brasil dos anos 40 e 50. Revista Brasileira das Ciências Sociais, v. 14, n. 41, p. 141-158, out. 1999.

MALDONADO-TORRES, N. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Org.). El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre, 2007.

MIGNOLO, Walter D. A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. In: LANDER, Edgardo. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 71-103.

NOGUEIRA, Maria Alice Rezende. O candomblé e o lúdico. Rio de Janeiro: Quartet, NEAB-UERJ, 2007.

OLIVEIRA, Luís Cláudio de; SOBREIRA, Henrique Garcia. Representações sobre religiões afro-brasileiras na formação de professores. In: ORTIGÃO, Maria Isabel Ramalho (Org.). Educação nas periferias urbanas. Rio de Janeiro: 7Letras, 2011. p. 52-76.

OLIVEIRA, Luiz Fernandes de; CANDAU, Vera. Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 26, n. 1, p. 15-40, abr. 2010.

OLIVEIRA, Luiz Fernandes de; RODRIGUES, Marcelino Euzébio. A cruz, o ogó e o oxê: religiosidades e racismo epistêmico na educação carioca. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO, 36., 2013, Goiânia. Anais... Goiânia: Anped, 2013.

PACHÓN SOTO, Damián. Nueva perspectiva filosófica en América Latina: el grupo Modernidad/colonialidad. Peripecias, n. 63, ago. 2007. Disponível em: . Acesso em: abr. 2015.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005.

SANTOS, Erisvaldo Pereira dos. A educação e as religiões de matriz africana: motivos da intolerância. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO, 28., 2005, Caxambu. Anais... Caxambu: Anped, 2005. Disponível em: . Acesso em: 28 dez. 2009.

SANTOS, Juana Elbein dos. Os Nagô e a morte: pàdê, àèsè e o culto égum na Bahia. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 1984.

SANTOS, Maria Stella de Azevedo. Meu tempo é agora. Salvador: Assembleia Legislativa da Bahia, 2010.

VERGER, Pierre. Oral tradition in the cult of the orishas and its connection with the history of the Yoruba. Journal of the Historical Society of Nigeria, v. 1, n. 1, p. 61-63, 1956.

WALSH, Catherine. Interculturalidad critica/pedagogia de-colonial. In: SEMINARIO INTERNACIONAL “DIVERSIDAD, INTERCULTURALIDAD Y CONSTRUCCIÓN DE CIUDAD”, de 17 a 19 de abril de 2007. Bogotá. Memorias… Bogotá: Universidad Pedagogica Nacional, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Financiadores: