Política de ação afirmativa na pós-graduação: o caso das universidades públicas

Autores

Palavras-chave:

Ação Afirmativa, Ensino Superior, Pós-Graduação, Universidade Pública

Resumo

A pós-graduação brasileira é marcada por intensas desigualdades regionais, étnico-raciais e econômicas, o que ensejou a criação de ações afirmativas em prol de estudantes pertencentes a grupos dela historicamente excluídos. O artigo apresenta resultados do processo de criação de ações afirmativas em cursos de pós-graduação acadêmicos (mestrado e doutorado) de universidades públicas. A pesquisa baseou-se na análise dos editais de seleção de 2.763 programas de pós-graduação acadêmicos de universidades públicas divulgados de janeiro de 2002 a janeiro de 2018. Os dados coletados apontam para uma difusão significativa desse tipo de política nos últimos quatro anos, com 26,4% dos programas tendo algum tipo de ação afirmativa em janeiro de 2018. Affirmative action policy in graduate studies: the case of public universities Brazilian graduate studies are marked by intense regional, ethnic-racial and economic inequalities, which led to the creation of affirmative action programs for students belonging to historically excluded groups. This paper analyses the process of creation of affirmative action in graduate courses (master’s and doctorate) from public universities. The database was made of the application guides published by 2,763 academic graduate programs in public universities, from January 2002 to January 2018. We found a significant diffusion of these policies in the last 4 years. As of January, 2018, 26.4% of the graduate programs had some kind of affirmative action program.Affirmative Action, Higher Education, Graduate Studies, Public University Política de acción afirmativa en el postgrado: el caso de las universidades públicas El postgrado en Brasil se caracteriza por intensas desigualdades regionales, étnico-raciales y económicas, lo que llevó a la creación de acciones afirmativas en pro de los estudiantes que pertenecen a grupos históricamente excluidos del mismo. El artículo presenta resultados del proceso de creación de acciones afirmativas en cursos de postgrado académicos (maestría y doctorado) de universidades públicas. La investigación se basó en el análisis de los edictos de selección de 2.763 programas de postgrado académicos de universidades públicas divulgados desde enero de 2002 a enero de 2018. Los datos recogidos señalan una significativa difusión de este tipo de política durante los últimos cuatro años, en los cuales un 26,4% de los programas pasó a poseer algún tipo de acción afirmativa en enero de 2018.Acción Afirmativa, Educación Superior, Posgrado, Universidade Pública Politique d’action positive dans les deuxième et troisième cycles: le cas des universités publiquesLes deuxième et troisième cycles brésiliens sont marqués par de fortes inégalités régionales, ethniques/raciales et économiques ayant conduit à la mise en oeuvre d’actions positives en faveur d’étudiants appartenant à des groupes qui en étaient historiquement exclus. Cet article présente les résultats du processus de mise en place d’actions positives au niveau master et doctorat dans des universités publiques. La recherche s’est appuyée sur l’analyse des appels à candidatures pour 2.763 programmes de deuxième et troisièmes cycles d’universités publiques, publiés entre janvier 2002 et janvier 2018. Les données recueillies indiquent une expansion importante de ce type de politique au cours des quatre dernières années, avec 26,4% des programmes engagés dans une forme d’action positive en janvier 2018.Action Positive, Enseignement Supérieur, Supérieur Troisième Cycle, Université Publique

Biografia do Autor

Anna Carolina Venturini, Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), São Paulo (SP), Brasil.

Pós-doutoranda vinculada ao Programa Internacional e Interdisciplinar de Pós-Doutorado (IPP) do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) com a pesquisa sobre ação afirmativa na pós-graduação e padrões de mudança institucional. Doutora em Ciência Política (2019) pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), tendo realizado parte de sua pesquisa de doutoramento como pesquisadora visitante na Universidade de Harvard (EUA - 2017). Mestre em Direito do Estado (2014) e Bacharel em Direito (2010) pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP). Integrante do Afro - Núcleo de Pesquisa e Formação em Raça, Gênero e Justiça Racial coordenado pela Profa. Dra. Marcia Lima e do Núcleo Democracia e Ação Coletiva (NDAC) coordenado pelo Prof. Adrian Gurza Lavalle, ambos no Cebrap. Pesquisadora associada do Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa (GEMAA) do IESP/UERJ. 

João Feres Júnior, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

ossui graduação em Ciências Sociais e mestrado em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas (1988 e 1997) e mestrado e doutorado em Ciência Política pela City University of New York, Graduate Center (1998, 2003). Foi professor de ciência política do IUPERJ de 2003 a 2010 e da UNIRIO de 2010 a 2012. É professor associado de ciência política do Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP), da UERJ, onde atua desde 2010. É coordenador do GEMAA - Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa (http://gemaa.iesp.uerj.br/), do LEMEP - Laboratório de Estudos de Mídia e Esfera Pública -- no âmbito do qual implementa o projeto Manchetômetro --, e do Observatório do Legislativo Brasileiro (OLB). 

Referências

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS DIRIGENTES DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR; FÓRUM NACIONAL DE PRÓ-REITORES DE ASSUNTOS ESTUDANTIS. V Pesquisa Nacional de Perfil Socioeconômico e Cultural dos(as) Graduandos(as) das IFES. Brasília: Andifes; Fonaprace, 2019. BRASIL. Lei n. 12.711, de 29 de agosto de 2012. Diário Oficial da União, Seção 1, 30/8/2012, p. 1.

BRASIL. Lei n. 13.409, de 28 de dezembro de 2016. Diário Oficial da União, Seção 1, 29/12/2016, p. 3. BRASIL. Portaria Normativa MEC n. 13, de 11 de maio de 2016. Diário Oficial da União, Seção 1, 12/05/2016, p. 47.

CAMPOS, Luiz Augusto de Souza Carneiro de; FERES JÚNIOR, João. Ação afirmativa, comunitarismo e multiculturalismo: relações necessárias ou contingentes? Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 29, n. 84, p. 103-118, fev. 2014.

CARVALHO, José Jorge de. Inclusão étnica e racial: a questão das cotas no ensino superior. 2. ed. Brasília: Attar, 2006.

DAFLON, Verônica Toste; FERES JÚNIOR, João; CAMPOS, Luiz Augusto de Souza Carneiro de. Ações afirmativas raciais no ensino superior público brasileiro: um panorama analítico. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 148, p. 302-327, jan./abr. 2013.

DAFLON, Verônica Toste; FERES JÚNIOR, João; MORATELLI, Gabriella. Evolução temporal e impacto da Lei n. 12.711 sobre as universidades federais. Rio de Janeiro: Iesp/Uerj, 2014. (Levantamento das políticas de ação afirmativa – Gemaa).

DE FIORI, Ana Letícia; ASSÊNCIO, Cibele; ANDRADE, Fabiana; TEIXEIRA, Jacqueline; PATRICARCA, Letizi; DAL BO, Talita. O tempo e o vento: notas sobre a arte de burocratizar políticas de cotas na USP. Revista de Antropologia, v. 60, n. 1, p. 55-83, 2017.

DINIZ FILHO, José Alexandre Felizola; FIORAVANTI, Maria Clorinda Soares; MELLO, Luiz; FREDRIGO, Fabiana de Souza; PAULA, Maria Helena de; DIAS, Luciene de Oliveira; ALVAREZ, Gabriel Omar; LIMA, Roberto Cunha Alves de; TAVARES, Francisco Mata Machado; OLIVEIRA, Dijaci David de. Cotas étnico-raciais na pós-graduação: a experiência da Universidade Federal de Goiás. In: ARTES, Amélia; UNBEHAUM, Sandra; SILVÉRIO, Valter Roberto (ed.). Ações afirmativas no Brasil: reflexões e desafios para a pós-graduação. São Paulo: Cortez; Fundação Carlos Chagas, 2016. p. 183-212. (Ações Afirmativas no Brasil, v. 2).

DURHAM, Eunice Ribeiro. As universidades públicas e a pesquisa no Brasil. São Paulo: Núcleo de Pesquisas sobre Ensino Superior (Nupes); Universidade de São Paulo, 1998. (Documento de trabalho, 9).

EURÍSTENES, Poema; CAMPOS, Luiz Augusto de Souza Carneiro de; FERES JÚNIOR, João. As políticas de ação afirmativa nas universidades estaduais (2015). Rio de Janeiro: Iesp/Uerj, 2015. (Levantamento das políticas de ação afirmativa – Gemaa).

EURÍSTENES, Poema; FERES JÚNIOR, João; CAMPOS, Luiz Augusto de Souza Carneiro de. Evolução da Lei n. 12.711 nas universidades federais (2015). Rio de Janeiro: Iesp/Uerj, 2016 (Levantamento das políticas de ação afirmativa – Gemaa).

FERES JÚNIOR, João; DAFLON, Verônica Toste; CAMPOS, Luiz Augusto de Souza Carneiro de. A ação afirmativa no ensino superior brasileiro (2011). Rio de Janeiro: Iesp/Uerj, 2011. (Levantamento das políticas de ação afirmativa – Gemaa).

FERES JÚNIOR, João; DAFLON, Verônica Toste; RAMOS, Pedro; MIGUEL, Lorena. O impacto da Lei n. 12.711 sobre as universidades federais. Rio de Janeiro: Iesp/Uerj, 2013 (Levantamento das políticas de ação afirmativa – Gemaa).

GUIMARÃES, Antônio Sérgio A. Classes, raças e democracia. 2. ed. São Paulo: 34, 2012.

MACHADO, Marcell; EURÍSTENES, Poema; FERES JÚNIOR, João. Políticas de ação afirmativa nas universidades estaduais (2017). Rio de Janeiro: Iesp/Uerj, 2017. (Levantamento das políticas de ação afirmativa – Gemaa).

RIBEIRO, Carlos Antonio Costa; SCHLEGEL, Rogerio. Estratificação horizontal da educação superior no Brasil: 1960 a 2010. In: ARRETCHE, Marta T. S. (ed.). Trajetórias das desigualdades: como o Brasil mudou nos últimos cinquenta anos. São Paulo: Editora Unesp, 2015.

RIO DE JANEIRO. Lei estadual n. 6.914, de 06 de novembro de 2014. Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro (DOERJ), Parte I (Poder Executivo), 07/11/2014, p. 1.

RIO DE JANEIRO. Lei estadual n. 6.959, de 14 de janeiro de 2015. Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro (DOERJ), Parte I (Poder Executivo), 15/01/2015, p. 1.

ROSEMBERG, Fúlvia. Experiências do programa de bolsas de pós-graduação da Fundação Ford no Brasil. In: ZONINSEIN, Jonas; FERES JÚNIOR, João (ed.). Ação afirmativa no ensino superior brasileiro. Rio de Janeiro; Belo Horizonte: Iuperj; Editora UFMG, 2008. p. 193-214.

ROSEMBERG, Fúlvia. Ação afirmativa na pós-graduação: o Programa Internacional de Bolsas da Fundação Ford na Fundação Carlos Chagas. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2013. (Textos FCC, v. 36).

SANTOS, Jocélio Teles dos. Pós-graduação em Direito e ações afirmativas no Brasil: uma experiência induzida. Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, v. 7, n. 14, p. 155-172, 2010.

SILVA, Mário Augusto Medeiros da. Rumos e Desafios das políticas de ações afirmativas no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. In: ARTES, Amélia;

UNBEHAUM, Sandra; SILVÉRIO, Valter Roberto (org). Ações Afirmativas no Brasil: reflexões e desafios para a pós-graduação. São Paulo: Cortez; Fundação Carlos Chagas, 2016. p. 157-181. (Ações Afirmativas no Brasil, v. 2).

UNBEHAUM, Sandra; LEÃO, Ingrid Viana; CARVALHO, Camila Magalhães. Programas e áreas de concentração em direitos humanos no Brasil: o desenho de uma possível interdisciplinaridade. Revista Interdisciplinar de Direitos Humanos, Bauru, SP, v. 2, n. 2, p. 35-53, 2014.

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA – UNB. Programa de Pós-Graduação em História, Edital n. 01, Seleção de candidatos às vagas do Programa de Pós-Graduação em História para os cursos de mestrado acadêmico e doutorado para o segundo período letivo de 2018, publicado em 23 de setembro de 2017. 2017a.

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA – UNB. Programa de Pós-Graduação em Linguística, Edital n. 01, Seleção de candidatos/as surdos/as às vagas do Programa de Pós-Graduação em Linguística para os cursos de mestrado e de doutorado para o segundo período de 2017, publicado em 05 de maio de 2017. 2017b.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO – USP. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS), Edital de seleção para ingresso no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social em 2018. 2017a.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO – USP. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS), Edital de seleção para ingresso de candidatas/os indígenas no Programa de Pós-graduação em Antropologia Social em 2018. 2017b.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB. Resolução n. 196/2002, do Conselho Universitário (Consu) da Uneb, revogada e substituída pela Resolução n. 468, aprova a reformulação no sistema de reservas de vagas para negros e indígenas e dá outras providências, 10 de agosto de 2007, publicada no D.O.E. de 16 ago. 2007, p. 14.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA – UDESC. Programa de Pós-Graduação em Teatro, Edital n. 3, processo seletivo (inscrição, seleção e matrícula) para aluno regular com ingresso em 2017 nos cursos de mestrado e doutorado do programa de pós-graduação em teatro (PPGT), 16 de fevereiro de 2017.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ – UEPA, Programa de Pós-Graduação em Biologia Parasitária na Amazônia, Seleção para o Doutorado – Ano Acadêmico de 2017, publicado em 27 de janeiro de 2017.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – UERJ. Sub-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, Instruções específicas para os candidatos às vagas do sistema de cotas para pós-graduação instituído pela Lei n. 6.914, 2014. Disponível em: https://www.cepuerj.uerj.br/app_upload/Anexo%20I%20-%20INSTRU%C3%87%C3%95ES%20 ESPEC%C3%8DFICAS%20PARA%20OS%20CANDIDATOS%20%C3%80S%20VAGAS%20DO%20SISTEMA%20DE%20COTAS%20 PARA%20P%C3%93S-GRADUA%C3%87%C3%83O%20INSTITU%C3%8DDO.pdf. Acesso em: 10 mar. 2015.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS – UNICAMP. Ata da 209ª sessão ordinária da congregação do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, 11 de março de 2015. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS – UNICAMP. Programa de Pós-Graduação em História, Edital PPGH 1, publicado em setembro de 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA – UFBA. Resolução n. 01, de 11 de janeiro de 2017, do Conselho Acadêmico de Ensino da UFBA. Institui normas para procedimentos, editais e reservas de vagas para processos seletivos da PósGraduação stricto sensu da UFBA.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL – UFFS. Resolução n. 08, de 06 de julho de 2017, do Conselho Universitário (Consuni) e da Câmara de Pesquisa, Pós-Graduação, Extensão e Cultura (CPPGEC) da UFFS. Aprova a Política de Ações Afirmativas de acesso à Pós-Graduação da Universidade Federal da Fronteira Sul.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS – UFGD. Resolução n. 176, de 20 de julho de 2017, do Conselho de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura da UFGD.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA – UFPB. Programa de Pós-Graduação em Sociologia Edital n. 01 – Processo de Seleção 2017, publicado em 21 de outubro de 2016. 2016a.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA – UFPB. Resolução n. 58, de 07 de outubro de 2016, do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) da UFPB. Dispõe sobre ações afirmativas na Pós-Graduação Stricto Sensu na UFPB para candidatos autodeclarados e oriundos da população negra, povos indígenas, povos e comunidades tradicionais e pessoas com deficiência. 2016b.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS – UFG. Resolução Consuni n. 07. Dispõe sobre a política de ações afirmativas para pretos, pardos e indígenas na Pós-Graduação stricto sensu na UFG, Goiânia, 24 de abril de 2015.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS – UFMG. Resolução n. 02, de 04 de abril de 2017, do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFMG. Dispõe sobre a Política de Ações Afirmativas para inclusão de pessoas negras, indígenas e com deficiência na Pós-Graduação stricto sensu na Universidade Federal de Minas Gerais.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO – UFOP. Resolução n. 7.200, de 1 de junho de 2017, do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) da Ufop.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS – UFPEL. Resolução n. 5, de 26 de abril de 2017, do Conselho Universitário (CONSUN) da UFPel. Dispõe sobre a política de ações afirmativas para pessoas negras, quilombolas, indígenas e pessoas com deficiência nos Programas de Pós-Graduação stricto sensu da UFPel.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA – UNIR. Programa de Pós-Graduação em Biologia Experimental, Edital 001/2017/PGBIOEXP, Seleção do Mestrado em Biologia Experimental.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR. Programa de Pós-Graduação em Recursos Naturais, Edital n. 01 – PRONAT-PRPPG, publicado em 27 de março de 2017. 2017a.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA – UFRR. Resolução n. 02, de 15 de março de 2017, do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) da UFRR. Dispõe sobre a política de ações afirmativas para negros (pretos e pardos), indígenas e pessoas com deficiência na Pós-graduação stricto sensu na UFRR. 2017b.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS – UFSCAR. Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Edital do Processo Seletivo de Candidatos a Aluno do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de São Carlos (PPGS/CECH/UFSCAR) para Ingresso no Curso de Doutorado em 2018, publicado em 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE – UFS. Resolução n. 59, de 04 de dezembro de 2017, do Conselho do Ensino, da Pesquisa e da Extensão (Conepe) da UFS Estabelece procedimentos sobre Política de Ações Afirmativas na Pós-Graduação da Universidade Federal de Sergipe.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA – UFU. Resolução n. 06, de 19 de julho de 2017, do Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação da UFU. Dispõe sobre a política de ações afirmativas para pretos, pardos, indígenas e pessoas com deficiência na pós-graduação stricto sensu na Universidade Federal de Uberlândia.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ – UNIFAP. Resolução n. 39, de 29 de novembro de 2017, do Conselho Universitário da Unifap. Estabelece a Política de Ações Afirmativas da Universidade Federal do Amapá.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS – UFAM. Resolução n. 010 do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) da Ufam, Regulamenta a política de ações afirmativas para pretos, pardos e indígenas na pós-graduação stricto sensu da UFAM, 16 de fevereiro de 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO – UFES. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional, Edital de Seleção para o Mestrado (Turma 2017/1), 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA – UNIPAMPA. Resolução n. 189, de 05 de dezembro de 2017, do Conselho Universitário da Unipampa.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ – UFPA. Programa de Pós-graduação em Direito, Edital n. 003, Seleção para o ingresso no primeiro semestre letivo de 2017, publicado em 19 de outubro de 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ – UFPA. Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Edital n. 006, processo seletivo de mestrado 2018, publicado em 15 de dezembro de 2017. 2017a.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ – UFPA. Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Cultura e Amazônia, Edital de Seleção do Curso de Mestrado Acadêmico 2017. 2017b.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ – UFPI. Resolução n. 059, de 11 de maio de 2015, do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFPI. Aprova Programa de Inclusão de Pessoas com Deficiência nos Programas de Pós-Graduação da UFPI.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ – UNIFESSPA. Programa de Pós-Graduação em Dinâmicas Territoriais e Sociedade na Amazônia, Edital n. 05, edital de inscrição e seleção da 7ª turma do curso de mestrado acadêmico interdisciplinar do Programa de Pós-Graduação em Dinâmicas Territoriais e Sociedade na Amazônia (PDTSA), publicado em 8 de agosto de 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS – UFT. Resolução n. 14, de 22 de março de 2017, do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) da UFT. Dispõe sobre a Política de Ações Afirmativas para pretos, pardos, indígenas, quilombolas e/ou pessoas com deficiência na Pós-Graduação stricto sensu na UFT.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO – UFTM. Resolução n. 4, 27 de março de 2017, do Conselho Universitário (Consu) da UFTM. Dispõe sobre a adoção de ações afirmativas para negros (pretos e pardos), indígenas e pessoas com deficiência na Pós-Graduação stricto sensu da UFTM.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE – UFF. Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Edital de Seleção Pública – Mestrado em Comunicação, 2017.

VENTURINI, Anna Carolina. O Programa de Inclusão Social da USP (Inclusp). Rio de Janeiro: Iesp/UERJ, 2015. (Textos para discussão Gemaa, 9).

VENTURINI, Anna Carolina. Onze anos da ação afirmativa sem cota da Unicamp. Rio de Janeiro: Iesp/UERJ, 2016. (Textos para discussão Gemaa, 11).

VENTURINI, Anna Carolina. Formulação e implementação da ação afirmativa para pós-graduação do Museu Nacional. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 47, n. 166, p. 1292-1313, out./dez. 2017.

VENTURINI, Anna Carolina; FERES JÚNIOR, João. Efeitos das alterações do PAAIS-Unicamp nos vestibulares de 2016 e 2017. Rio de Janeiro: Iesp/UERJ, 2018. (Textos para discussão Gemaa, 16).

VENTURINI, Anna Carolina. Ação afirmativa na pós-graduação: os desafios da expansão de uma política de inclusão, 2019. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Instituto de Estudos Sociais e Políticos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

Publicado

08-10-2020

Edição

Seção

Artigos