Proposta de um indicador de rotatividade docente na Educacão Básica

Autores

Palavras-chave:

Indicadores educacionais, Política educacional, Educação básica

Resumo

Este artigo propõe uma medida para a rotatividade docente na educação básica tomando a escola como unidade de análise. Foram consideradas variáveis potencialmente explicativas como dependência administrativa, etapa/modalidade de ensino e vínculo empregatício. A parte empírica foi realizada com base nos microdados do Censo Escolar de 2016 e 2017 (Inep, 2017, 2018) e focalizou o município de Curitiba-PR. Os resultados sugerem que a rotatividade em 2017 foi de 34,4%. No nível das escolas, a taxa mediana foi 55,4% na rede estadual, 22,2% na rede municipal e 16,5% na rede federal. Em relação às escolas privadas, a maior mediana deu-se entre as instituições conveniadas (33,3%). Os resultados reiteram o fenômeno como questão relevante para a agenda das políticas educacionais e da gestão das redes públicas de ensino.

Biografia do Autor

Maíra Gallotti Frantz, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo (SP), Brasil

Doutoranda em Educação pela USP. Mestre em Educação pela UFPR.  

Thiago Alves, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia (GO), Brasil

Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Ciências Econômicas (FACE/UFG) Área de Administração Públicas e Políticas Públicas

Referências

Azevedo, K. A. A. (2012). Rotatividade docente e suas implicações no contexto escolar. Secretaria de Estado de Educação. http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2010/2010_uel_ped_artigo_kelly_aparecida_almeida_azevedo.pdf

Campos, C. V. de A., & Malik, A. M. (2008). Satisfação no trabalho e rotatividade dos médicos do Programa de Saúde da Família. Revista de Administração Pública, 42(2), 347-368.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1988). Senado Federal. https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/CF88_Livro_EC91_2016.pdf

Cunha, M. B. (2015). Rotatividade docente na Rede Municipal de Ensino da cidade do Rio de Janeiro [Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro]. Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações. http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/PUC_RIO1_a8562aefffaf012e546b66ecd9fbbfc8

Decreto n. 23.020 de 17 de junho de 2003. (2003). Dispõe sobre a gratificação pelo exercício de atividades em unidades escolares situadas em local de difícil acesso. Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro.

Decreto n. 235 de 27 de março de 2007. (2007). Estabelece os requisitos para o recebimento da gratificação prevista nos parágrafos 1º, 2º, 3º e 4º, do artigo 34, da Lei n. 12.083/2006 e artigos 1º, 2º e 3º da Lei n. 12.114/2007. Câmara Municipal de Curitiba.

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. (2014a). Os números da rotatividade no Brasil: Um olhar sobre os dados da RAIS 2002-2013. Dieese. https://www.dieese.org.br/notaaimprensa/2014/numerosRotatividadeBrasil.pdf

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. (2014b). Rotatividade e as pesquisas públicas para o mercado de trabalho. Dieese. https://www.dieese.org.br/livro/2014/livroRotatividade.pdf

Diógenes, L. C., Paschoal, T., Neiva, E. R., & Meneses, P. P. M. (2016). Intenção de rotatividade e percepção de suporte organizacional em um órgão público federal. Revista do Serviço Público, 67(2), 147-172. https://doi.org/10.21874/rsp.v67i2.655

Duarte, R. G. (2009). Os determinantes da rotatividade dos professores no Brasil: Uma análise com base nos dados do SAEB 2003 [Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo]. Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. https://doi.org/10.11606/D.96.2009.tde-07052010-163617

Fanfani, E. T. (2005). La condición docente: Analisis comparado de la Argentina, Brasil, Perú y Uruguay. Siglo XXI Editores. https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000144319/PDF/144319spa.pdf.multi

Frantz, M. G. (2018). Rotatividade docente nas escolas públicas de Educação Básica: Marcas da singularidade do fenômeno [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná]. Repositório Digital Institucional da UFPR. https://hdl.handle.net/1884/58638

Grissom, J. A. (2011). Can good principals keep teachers in disadvantaged schools? Linking principal effectiveness to teacher satisfaction and turnover in hard-to-staff environments. Teachers College Record, 113(11), 2552-2585.

Ingersoll, R. (2001). Teacher turnover and teacher shortages: An organizational analysis. American Educational Research Journal, 38(3), 499-534.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2017). Microdados do Censo Escolar da Educação Básica 2016. Inep. http://portal.inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/microdados-do-censo-escolar-2016-ja-podem-ser-consultados/21206

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2018). Microdados do Censo Escolar da Educação Básica 2017. Inep. http://portal.inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/microdados-do-sistema-de-avaliacao-da-educacao-basica-de-2017-sao-divulgados/21206

Jannuzzi, P. de M. (2005). Indicadores para diagnóstico, monitoramento e avaliação de programas sociais no Brasil. Revista do Serviço Público, 56(2), 137-160. https://doi.org/10.21874/rsp.v56i2.222

Johnson, S. M., Berg, J. H., & Donaldson, M. L. (2005). Who stays in teaching and why: A review of the literature on teacher retention. Project on Next Generation of Teachers, Harvard Graduate School of Education.

Kasmirski, P. R. (2012). Mobilidade de professores na rede estadual paulista [Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo]. Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. https://doi.org/10.11606/D.12.2012.tde-20022013-163802

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996). Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. MEC.

Lei n. 10.190 de 28 de junho de 2001. (2001). Institui o plano de carreira do magistério público municipal, alterando as leis n. 8.580/94, 6.761/85 e 8.579/94. Câmara Municipal de Curitiba.

Lei n. 11.738, de 16 de julho de 2008. (2008). Regulamenta a alínea “e” do inciso III do caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica. Diário Oficial da União.

Lei n. 14.544, de 11 de novembro de 2014. (2014). Instituiu o Plano de Carreira do Profissional do Magistério de Curitiba. Câmara Municipal de Curitiba.

Lei n. 14.580, de 22 de dezembro de 2014. (2014). Reestrutura a carreira dos profissionais da educação infantil da Prefeitura Municipal de Curitiba. Câmara Municipal de Curitiba.

Lei n. 15.043 de 2017. (2017). Altera a data de pagamento do terço de férias dos servidores para o mês de férias dos trabalhadores. Câmara Municipal de Curitiba.

Linhares, L. M. (2014). Rotatividade no serviço público: Estudo de caso do cargo de analista de planejamento e orçamento [Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília]. Repositório Institucional da UnB. https://repositorio.unb.br/handle/10482/36884

Medeiros, C. R. G., Junqueira, Á. G. W., Schwingel, G., Carreno, I., Jungles, L. A. P., & Saldanha, O. M. de F. L. (2010). A rotatividade de enfermeiros e médicos: Um impasse na implementação da Estratégia de Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, 15(suppl 1), 1521-1531. https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000700064

Ministério do Trabalho e do Emprego. (2013). Avaliação Financeira do Fundo de Amparo ao Trabalhador – FAT. (Nota Técnica n. 043/2013/CGFAT/SPOA/SE/MTE). Secretaria Executiva. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Projetos/PLN/2013/Anexos/MSG153-IV.9%20Abono%20e%20Seguro%20Desemprego.pdf

Nomura, F. H., & Gaidzinski, R. R. (2005). Rotatividade da equipe de enfermagem: Estudo em hospital-escola. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 13(5), 648-653. https://doi.org/10.1590/s0104-11692005000500007

Paranaíba, N. F. (2014). Satisfação no trabalho e intenção de rotatividade de servidores das carreiras de uma autarquia federal. In M. R. de S. Camões, D. R. da F. Fonseca, & V. Porto (Eds.), Estudos de gestão de pessoas no serviço público (Cadernos ENAP, 37, pp. 119-142). ENAP.

Pereira, E. A., Jr. (2017). Condições de trabalho docente nas escolas de educação básica no Brasil: Uma análise quantitativa [Tese de Doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais]. Repositório Institucional Universidade Federal de Minas Gerais. https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/BUOS-AQQPSG

Pereira, E. A., Jr., & Oliveira, D. A. (2016). Indicadores de retenção e rotatividade dos docentes da educação básica. Cadernos de Pesquisa, 46(160), 312-332. https://doi.org/10.1590/198053143370

Sancho, L. G., Carmo, J. M. do, Sancho, R. G., & Bahia, L. (2011). Rotatividade na força de trabalho da rede municipal de saúde de Belo Horizonte, Minas Gerais: Um estudo de caso. Trabalho, Educação e Saúde, 9(3), 431-447.

Silva, J. L. (2007). A rotatividade docente numa escola da rede estadual de ensino [Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo]. TEDE: Sistema de Publicação Eletrônica de Teses e Dissertações. https://tede2.pucsp.br/handle/handle/10610

Silva, M. R. da. (2011). Perspectivas curriculares contemporâneas. Ibpex.

Siqueira, W. R. de, & Alves, L. C. F. (2016). Rotatividade de professores universitários: O caso de um campus fora da sede. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da Fundace, 7(2). https://doi.org/10.13059/racef.v7i2.324

Supiot, A. (1995). A crise de espírito do serviço público. Adverso – Revista da Associação de Docentes da UFRGS, 5(7), 16-25.

Tardif, M., & Lessard, C. (2014). O trabalho docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Vozes.

Torres, R. V. B. S. (2015). Rotatividade no poder executivo federal: Uma análise das intenções de sair e de permanecer dos servidores comissionados [Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília]. Repositório Institucional da UnB. https://repositorio.unb.br/handle/10482/18361

Vicentini, P. P., & Lugli, R. G. (2009). História da profissão docente no Brasil: Representações em disputa. Cortez.

Weber, M. (1994). Os três tipos de dominação legítima. In M. Weber (Ed.), Economia e sociedade. Editora UnB.

Publicado

26-07-2021

Edição

Seção

Formação e Trabalho Docente