A formação matemática de futuros pedagogos e pedagogas de um curso a distância

Autores

Palavras-chave:

Formação de Professores, Educação Básica, Educação Matemática , Educação a Distância

Resumo

Este artigo discute resultados de uma pesquisa que buscou compreender como ocorreu a formação matemática de futuros pedagogos e pedagogas de um curso na modalidade a distância. Os dados foram produzidos com base em um questionário on-line e entrevistas semiestruturadas e organizados e analisados por análise de conteúdo. Os resultados indicam que os participantes têm dificuldades com o conteúdo matemático, embora se sintam preparados metodologicamente. Além disso, experiências de microagressões ao longo da trajetória escolar influenciaram negativamente a relação dos futuros pedagogos e pedagogas com a matemática. Os resultados indicam dificuldades na formação relacionadas à característica do curso, principalmente por uma necessidade da presença do professor e por um sentimento de solidão.

Referências

Almeida, M. E. B., Iannone, L. R., & Silva, M. G. M. (2012). Educação a distância: Oferta, características e tendências dos cursos de licenciatura em pedagogia. Estudos e Pesquisas Educacionais, 3, 279-354.

Almeida, R. N. (2009). Modelagem matemática nas atividades de estágio: Saberes revelados por futuros professores [Dissertação de Mestrado]. Universidade Federal de São Carlos.

Auad, D. (2018). Educar meninos e meninas: Relações de gênero na escola (2a ed.). Contexto.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. Lisboa.

Barros, J. N. S. (2015). Educação a distância: Democracia e utopia na sociedade do conhecimento. Papirus.

Behar, P. A. (Org.). (2009). Modelos pedagógicos em educação a distância. Artmed.

Costa, S. C. S. (2011). O professor que ensina matemática nos anos iniciais do ensino fundamental: Limites e possibilidades do curso de licenciatura em pedagogia [Dissertação de Mestrado]. Universidade Cruzeiro do Sul.

Curi, E. (2005). A matemática e os professores dos anos iniciais. Musa.

Decreto n. 5.622, de 19 de dezembro de 2005. (2005, 19 dezembro). Regulamenta o art. 80 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Câmara dos Deputados.

Dourado, L. F. (2008). Políticas e gestão da educação superior no Brasil e modalidade EAD. In D. Mancebo, J. R. Silva Jr., & J. F. Oliveira (Orgs.), Reformas e políticas: Educação superior e pós-graduação no Brasil (pp. 97-113). Alínea.

Fiorentini, D., Passos, C. L. B., & Lima, R. C. R. (Orgs.). (2016). Mapeamento da pesquisa acadêmica brasileira sobre o professor que ensina matemática: Período 2001-2012. FE/Unicamp.

Fiorentini, D., Souza Jr., A., & Melo, G. (1998). Saberes docentes: Um desafio para acadêmicos e práticos. In C. M. C. Geraldi, D. Fiorentini, & E. M. A. Pereira (Eds.), Cartografias do trabalho docente: Professor(a) pesquisador(a) (pp. 307-335). Mercado de Letras.

Gatti, B. A. (2014). A formação inicial de professores para a educação básica: As licenciaturas. Revista USP, (100), 33-46.

Gatti, B. A., & Nunes, M. M. R. (2009). Formação de professores para o ensino fundamental: Estudo de currículos das licenciaturas em pedagogia. Fundação Carlos Chagas.

Gómez-Chacón, I. M. (2000). Matemática emocional: Los afectos en el aprendizaje matemático. Narcea.

Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2018). Resumo Técnico do Censo da educação superior 2017. Inep. http://portal.inep.gov.br/informacao-da-publicacao/-/asset_ publisher/6JYIsGMAMkW1/document/id/6725796

Julio, R. S., & Silva, G. H. G. (2018). Compreendendo a formação matemática de futuros pedagogos por meio de narrativas. Boletim de Educação Matemática, 32(62), 1012-1029.

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996, 20 dezembro). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF.

Litto, F. M. (2014). As interfaces da EAD na educação brasileira. Revista USP, (100), 57-66.

Marquesin, D. F. B. (2012). Os espaços de formação e a constituição da profissionalidade docente: O estágio e o ensino de matemática nos anos iniciais do ensino fundamental [Tese de Doutorado]. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Marquesin, D. F. B., & Nacarato, A. M. (2018). Cenas de práticas de ensino de matemática em narrativas de futuras professoras. Revista do Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Maria, 44, 1-22.

Megid, M. A. B. A. (2009). Formação inicial de professoras mediada pela escrita e pela análise de narrativas sobre operações numéricas [Tese de Doutorado]. Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação.

Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Ministério de Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental.

Mioto, R. (2008). As inter-relações entre universidade e escola básica: O estágio e a prática de futuros professores das séries iniciais na construção de conhecimentos pedagógicos da matemática [Dissertação de Mestrado]. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Mizukami, M. G. N. (2004). Aprendizagem da docência: Algumas contribuições de L. S. Shulman. Educação, 29(2), 33-49.

Mizukami, M. G. N. (2006). Aprendizagem da docência: Conhecimento específico, contextos e práticas pedagógicas. In A. M. Nacarato, & M. A. V. Paiva (Org.), A formação do professor que ensina matemática: Perspectivas e pesquisas (pp. 213-231). Autêntica.

Nacarato, A. M. (2010). A formação matemática das professoras das séries iniciais: A escrita de si como prática de formação. Boletim de Educação Matemática, 23(37), 905-930.

Nacarato, A. M., & Paiva, M. A. V. (2006). A formação do professor que ensina matemática: Estudos e perspectivas a partir das investigações realizadas pelos pesquisadores do GT 7 da SBEM. In A. M. Nacarato, & M. A. V. Paiva (Org.), A formação do professor que ensina matemática: Perspectivas e pesquisas (pp. 7-26). Autêntica.

Nacarato, A. M., Mengali, B. L. S., & Passos, C. L. B. (2019). A matemática nos anos iniciais do ensino fundamental: Tecendo fios do ensinar e do aprender (3a ed.). Autêntica.

Parecer CNE/CP n. 5, de 13 de dezembro de 2005. (2005, 13 dezembro). Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Pedagogia. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno.

Passos, C. L. B. (2013). Formação matemática de professores dos anos iniciais. In Anais, do 13 Encontro Nacional de Educação Matemática. (v. 1, pp. 1-13). SBEM/PR.

Ponte, J. P. D. (2006). Estudos de caso em educação matemática. Boletim de Educação Matemática, 19(25), 1-23.

Resolução n. CNE/CP 2, de 1 de julho de 2015. (2015, 1 julho). Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação.

Santiago, E. C. (2007). Concepções e práticas avaliativas de professores formadores e de acadêmicos futuros professores, em curso de licenciatura em matemática [Dissertação de Mestrado]. Universidade Federal de Mato Grosso.

Saviani, D. (2007). Pedagogia: O espaço da educação na universidade. Cadernos de Pesquisa, 37(130), 99-134.

Shulman, L. (1986). Those who understand: Knowledge growth in teaching. Educational Research, 15(2), 4-14.

Shulman, L. (1987). Knowledge the pedagogy of teaching: Foundation of the new reform. Harvard Educational Review, 57(1), 1-22. https://doi.org/10.17763/haer.57.1.j463w79r56455411

Shulman, L. (1992). Renewing the pedagogy of teacher education: The impact of subject-specific conceptions of teaching. In L. M. Mesa, & J. M. V. Jeremias (Orgs.), Las didácticas específicas en la formación del professorado. Tórculo.

Silva, A. P. P. S. (2012). A concepção de professores dos anos iniciais do ensino fundamental sobre a construção do conceito de número pela criança [Dissertação de Mestrado]. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Silva, G. H. G., & Powell, A. B. (2016). Microagressões no ensino superior nas vias da educação matemática. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 9(3), 44-76.

Skovsmose, O. (2014). Um convite à educação matemática crítica. Papirus.

Soares, I. C. (2005). A formação do professor em exercício: Uma análise da Licenciatura Plena Parcelada em Matemática na Unemat [Dissertação de Mestrado]. Universidade São Francisco.

Solórzano, D. G., Ceja, M., & Yosso, T. J. (2000). Critical race theory, racial microaggressions, and campus racial climate: The experiences of African American college students. Journal of Negro Education, 69(1-2), 60-73.

Yin, R. (2001). Pesquisa de estudo de caso: Design e métodos. Bookman.

Zawacki-Richter, O., & Anderson, T. (2015). Educação a distância online: Construindo uma agenda de pesquisa. Artesanato Educacional.

Downloads

Publicado

14-05-2021

Edição

Seção

Formação e Trabalho Docente