Meninas bem-comportadas, boas alunas; meninos inteligentes, indisciplinados.

Autores

  • Cármen A. Duarte da Silva Universidade Federal de Pelotas
  • Fernando Barros Universidade Federal de Pelotas
  • Sílvia C. Halpern Universidade Federal de Pelotas
  • Luciana A. Duarte da Silva

Palavras-chave:

Relações de Gênero, Repetência, Professores

Resumo

Estudo longitudinal vem acompanhando todas as crianças nascidas em Pelotas, Rio Grande do Sul, no ano de 1982. Suas trajetórias escolares mostraram-se fortemente determinadas pela variável gênero, mesmo quando eliminados por estatística outros fatores intervenientes. Um estudo com 84 professoras/es buscou identificar que processos estão presentes na escola e nas representações que ajudem a compreender essas diferenças no desempenho escolar das meninas e dos meninos. A análise do material aponta para a maneira feminina de exercer o magistério que atravessa a prática docente, para a profecia auto-realizadora referendada no critério de bom comportamento e para a estreita relação entre gênero e saber regulados pelos regimes de verdade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

12-07-2013

Como Citar

Silva, C. A. D. da, Barros, F., Halpern, S. C., & Silva, L. A. D. da. (2013). Meninas bem-comportadas, boas alunas; meninos inteligentes, indisciplinados. Cadernos De Pesquisa, (107), 207–225. Recuperado de http://publicacoes.fcc.org.br/index.php/cp/article/view/686

Edição

Seção

Outros Temas