@meninasemulheresnaliteratura: escrita diaspórica em língua italiana, conexão de redes, de saberes e formação docente

Autores

  • Paula Garcia de Freitas Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba (PR), Brasil
  • Cristiane Maria Landulfo Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador (BA), Brasil

DOI:

https://doi.org/10.18222/fcc-pprmm2022_3

Resumo

O Meninas e Mulheres na Literatura é um projeto coordenado por duas professoras dos cur­sos de Licenciatura em Língua Italiana – uma da Universidade Federal da Bahia e outra da Universidade Federal do Paraná –, que promoveu, em 2021, práticas que possibilitaram às professoras em formação dos dois cursos desenvolverem conhecimento linguístico, pedagógi­co e tecnológico por meio de uma educação linguística e literária potencialmente intercultural, decolonial e emancipadora. Durante três meses, foram apresentadas ao público brasileiro dez obras escritas por mulheres de origem africana e asiática que escrevem em língua italiana os dilemas de viver em trânsito. Adotou-se a abordagem multimodal, em que posts no Instagram, aulas síncronas pelo YouTube, podcasts e vídeos ajudaram-nos a conhecer, refletir e discutir as temáticas tratadas nos livros, como racismo, questões de gênero, colonialismo italiano, aspec­tos históricos e culturais dos países de origem das autoras e ainda ter contato com diferentes gêneros textuais. Semanalmente, uma aluna-professora de italiano das referidas instituições de ensino superior (IES) apresentou um livro através de atividades para fomentar o desen­volvimento de uma postura intercultural e o pensamento decolonial, isto é, a capacidade de interagir com outros saberes, respeitando modos de vida e cosmopercepções outras. A partir dos feedbacks bastante positivos, concluiu-se que, mesmo que o italiano ainda não seja uma das línguas mais ensinadas no país, o projeto é capaz de inspirar novas práticas de ensino de língua e literatura que contemplem saberes de diferentes lugares, em múltiplos contextos, es­pecialmente na escola básica. Atualmente, o perfil @meninasemulheresnaliteratura pode ser visitado a qualquer momento, e a leitura das obras, realizada de diferentes formas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADICHIE, C. N. O perigo de uma história única. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

BLOOM, B.; KRATHWOHL, D.; MASIA, B. Taxionomia de objetivos educacionais: domínio cognitivo. Trad. Jurema Alcides Cunha. Porto Alegre: Globo; Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1972.

CANDAU, V. M. (org.). Didática crítica intercultural. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

CASTRO-GOMEZ, S.; GOSFROGUEL, R. (org.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidade epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar; Universidad Central-Iesco; Siglo del Hombre, 2007.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

FREITAS, P. G. Intercultura nas escolas e na formação de professores de línguas. Línguas & Letras, v. 20, n. 46, p. 126-146, 2019.

FREITAS, P. G. Ensinando a ensinar com tarefas comunicativas: um percurso para a formação inicial de professores. In: TREVISOL, J.; SILVA, I. T. Fundamentos e práticas no ensino de línguas. v. II. Catu: Bordô-Grená, 2020. p. 55-79.

GARDNER, H. Frames of mind: the theory of multiple intelligences. New York, NY: Basic Books, 1983.

IMBERNÓN, F.; COLÉN, M. T. Los vaivenes de la formación inicial del professorado. Revista

Tendencias Pedagógicas, n. 25, p. 57-76, 2014.

LANDULFO, C. Currículo e formação inicial dos professores de italiano no Brasil: constatações e reflexões. 2016. 340 f. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

LANDULFO, C.; MATOS, D. Escritoras ítalo-africanas e uma proposta decolonial para a educação linguística em italiano. Línguas & Letras, v. 22, n. 52, 2021. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/linguaseletras/article/view/26433. Acesso em: 26 out. 2022.

MENDES, E. Língua, cultura e formação de professores: por uma abordagem de ensino intercultural. In: MENDES, E.; CASTRO, M. L. (org.). Saberes em português: ensino e formação docente. Campinas, SP: Pontes, 2008. p. 57-77.

NORRIS, J. Thinking and acting programmatically in task-based language teaching. In: BYGATE, M. (ed.). Domains and directions in the development of TBLT. Amsterdam: John Benjamins, 2015. p. 27-58.

ROLDÃO, M. Formação de professores e desenvolvimento profissional. Revista de Educação

PUC-Campinas, Campinas, SP, v. 22, n. 2, p. 191-202, 8 jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v22n2a3638

SANTORO, E. Da indissociabilidade entre o ensino de língua e de literatura: uma proposta para o ensino do italiano como língua estrangeira. 2007. 355 f. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

VAN LEEUWEN, T. Critical discourse analysis and multimodality. In: HART, C.; CAP, P. (ed.).

Contemporary critical discourse studies. Bloomsbury: Bloomsbury Publishing, 2014. p. 281-295.

WILLIS, J. A. Framework for task-based learning. Harlow: Longman, 2003.

XAVIER, R. P. Metodologia do ensino de inglês. Florianópolis: LLE/CCE/UFSC, 2012.

Downloads

Publicado

25-11-2022

Como Citar

Freitas, P. G. de, & Landulfo , C. M. . (2022). @meninasemulheresnaliteratura: escrita diaspórica em língua italiana, conexão de redes, de saberes e formação docente. Textos FCC, 62, 35–62. https://doi.org/10.18222/fcc-pprmm2022_3