Literatura, tecnologia e inclusão de deficientes visuais no ensino de História: o que acontece quando Shakespeare vai à escola?

Autores

  • Maria Renata da Cruz Duran Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, Paraná, Brasil
  • Ana Heloisa Molina Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, Paraná, Brasil

Resumo

A importância da literatura shakespeareana como fonte de estudos
históricos acerca da História Moderna foi o ponto de partida para o presente trabalho. Sessenta alunos da disciplina Tópicos de Ensino de História Moderna do curso de História da Universidade Estadual de Londrina gravaram, por meio de software livre, no formato de audiobooks, nove peças do bardo, disponibilizadas em domínio público. Depois, conformaram os recursos educacionais de minicursos temáticos implementados, no âmbito da disciplina de Estágio Supervisionado, no Instituto Londrinense de Instrução e Trabalho para Cegos, agora denominado Roberto Miranda, atendendo dez estudantes com níveis diferentes de deficiência visual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMIEL, Tel; DURAN, Maria Renata C. Desafios do trabalho com recursos educacionais abertos na formação inicial docente. EmRede, Revista de Educação a Distância, v. 12, n. 2, 2015.

ARIES, Philippe; DUBY, Georges; LA DURIE, E. Leroy; GOFF, Jacques Le. História e nova história. Lisboa: Teorema, 1986.

ASSMANN, Aleida. Cultural memory and western civilization. London, Cambridge, 2013.

BITTENCOURT, Circe (Org.). O saber histórico em sala de aula. São Paulo: Contexto, 1997.

BLOOM, Harold. O cânone ocidental: os livros e a escola do tempo. Tradução de Marcos Santarrita. Rio de Janeiro: Objetiva, 1995.

BORGES, Jorge Luis. La memória de Shakespeare. Buenos Aires: Emecé, 2005.

BOURDIEU, Pierre. Economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio, 2010. Brasília, DF: MEC, 2010.

BRAUDEL, Fernand. Escritos sobre a História. São Paulo: Perspectiva, 1978.

BROTTON, Jerry. A history of the world in twelve maps. London: Peguin Books, 2013.

BURCKHARDT, Jacob. A cultura do renascimento na Itália: um ensaio. Tradução de Sérgio Tellaroli. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

BURGESS, Anthony. A literatura inglesa. São Paulo: Ática, 1996.

BURKE, Peter. O cortesão. In: GARIN, Eugenio. O homem renascentista. Lisboa: Presença, 1991. p. 99-120.

BURKE, Peter. Cultura popular na Idade Moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

BURKE, Peter. Problemas causados por Gutenberg: a explosão da informação nos primórdios da Europa moderna. Estudos Avançados, São Paulo, v. 16, n. 44, jan./abr. 2002.

BURKE, Peter. Linguagens e comunidades na idade moderna. São Paulo: Unesp, 2012.

CAMPOS, Paulo Mendes. Contos de Shakespeare. Belo Horizonte: Tecnoprint, 1970.

CASSIRER, Ernst. A filosofia do iluminismo. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1992.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

CHARTIER, Roger. O mundo como representação. Revista de Estudos Avançados, São Paulo, v. 5, n. 11, jan./abr. 1991.

CHASTEL, André. O artista. In: O Homem Renascentista. Lisboa: Presença, 1991.

CHIAPPINI, Lígia. Relações entre história e literatura no contexto das humanidades hoje: perplexidades. In: SIMPÓSIO NACIONAL DA ANPUH. HISTÓRIA: FRONTEIRAS, 20., 1999, Florianópolis. Anais... São Paulo: Humanitas, 1999.

COSERIU, Eugênio. O homem e sua linguagem. Rio de Janeiro: Presença, 1982.

COSTA, João Paulo Oliveira. Maré Nostrum: em busca de honra e riqueza nos séculos XV e XVI. Lisboa: Círculo de Leitores, 2013.

CURTO, Diogo Ramada. Cultura escrita: séculos XV a XVIII. Lisboa: ICS, 2007.

DARNTON, Robert. A questão dos livros. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

DURAN, Maria Raquel da C.; DURAN, Maria Renata C. Identidade, auto-imagem e felicidade no mundo virtual. Domínios da Imagem, Londrina, v. 8, n. 14, p. 73-84, 2014.

ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

ELIAS, Norbert. A sociedade de corte. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

FEBVRE, Lucien. Martinho Lutero, um destino. São Paulo: Três Estrelas, 2012.

FERRY, Luc. Homo aestheticus: a invenção do gosto na era democrática. São Paulo: Ensaio, 1994.

FONTANA, Josef. História: análise do passado e projeto social. Bauru: Edusc, 1998.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas. Uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

FRANCO, Gustavo; FARNAN, Henry. Shakespeare e a economia. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

GATTI, Bernardete A.; BARRETTO, Elba Siqueira de S. Política docente no Brasil: um balanço da arte. Brasília: Unesco, 2011.

GAY, Peter. O estilo na história. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

GREENBLATT, Stephen. Como Shakespeare se tornou Shakespeare. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

GREENBLATT, Stephen. A virada: o nascimento do mundo moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro : LTC, 2008.

GUTMAN, Guilherme. Freud, Lear & Bloom: algumas notas sobre leitura e psicanálise. Alea, v. 10, n. 1, p. 108-120, jun. 2008.

HELIODORA, Barbara. Shakespeare: o que as peças contam. Rio de Janeiro: Edições de Janeiro, 2014.

HILL, Christopher. O século das revoluções (1603-1714). São Paulo: Unesp, 2012.

HILSDORF, Maria Lucia Spedo. O aparecimento da escola moderna. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

IGLESIAS, Francisco. Memória e história. In: SEMINÁRIO BASES PARA

IMPLANTAÇÃO DE UM ARQUIVO MODERNO: O ARQUIVO PÚBLICO DA

CIDADE DE BELO HORIZONTE, 1991. Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte. Secretaria Municipal de Cultura, 1991.

KANTOROWICZ, Ernst H. Os dois corpos do rei. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

KOSELLECK, Reinhart. Crítica e crise. Tradução de Luciana Villas-Boas Castelo-Branco. Rio de Janeiro: UERJ/Contraponto, 1999.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto; Editora PUC-Rio, 2006.

MOIMAZ, Erica R.; MOLINA, A. H. Arte e história: a pintura de Bruegel e o ensino de História. Cadernos do CEOM, v. 28, p. 143-166, 2008.

MOLINA, Ana Heloísa. Renascimento, Shakespeare e a sala de aula. Boletim Informativo do Laboratório de Ensino de História, Londrina, ano 5, n. 15, p. 3-4, maio 1999.

MOLINA, Ana Heloísa. Diálogos possíveis entre o ensino de História e a literatura shakesperiana. Revista de História Regional, Ponta Grossa, n. 5, p. 167-186, 2000.

MONTEIRO, Rodrigo Bentes. As Reformas Religiosas na Europa Moderna: notas para um debate historiográfico. Varia hist., Belo Horizonte, v. 23, n. 37, jan./jun. 2007.

MORE, Thomas. Utopia. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

MORIN, Edgar. A religação dos saberes: o desafio do século XXI. São Paulo: Bertrand Brasil, 2004.

MURRAY, Janet. Hamlet no Holodeck: o futuro da narrativa no ciberespaço. São Paulo: Unesp, 2003.

NAKLÁDALOVÁ, Iveta. La lectura docta en la primera edad modernaSEVCENKO, Nicolau. O Renascimento: os humanistas, uma nova visão de mundo: a criaçã o das línguas nacionais: a cultura renascentista na Itália. São Paulo: Atual; Unicamp, 1985.

NAKLÁDALOVÁ, Iveta. La lectura docta en la primera edad moderna (1450-1650). Madrid: Abada, 2013.

PAIXÃO, Luciano de Pontes. O uso de recursos didáticos no ensino de História para os deficientes visuais. Revista Benjamin Constant, n. 50, 2011.

PROENÇA FILHO, Domício. Estilos de época na literatura. São Paulo: Ática, 1992.

SANTANA, Bianca; ROSSINI, Carolina; PRETTO, Nelson De Luca (Org.). Recursos educacionais abertos: práticas colaborativas e políticas públicas. Salvador: Edufba, 2012.

SANTOS, Marlene S. dos. O teatro elisabetano. In: NUNEZ, Carlinda F. P. O teatro através da história. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 1994. 2 volumes.

SEVCENKO, Nicolau. O Renascimento. Campinas: Unicamp, 1988.

SEVCENKO, Nicolau. O Renascimento: os humanistas, uma nova visão de mundo: a criação das línguas nacionais: a cultura renascentista na Itália. São Paulo: Atual; Unicamp, 1985.

SHAKESPEARE, William. Teatro completo: tragédias e romances sombrios: v. I. Tradução, notas e organização de Barbara Heliodora. São Paulo: Nova Aguilar, 2009.

SHAKESPEARE, William. Teatro completo: comédias e romances: v. II. Tradução, notas e organização de Barbara Heliodora São Paulo, Nova Aguilar, 2009.

SHAKESPEARE, William. Otelo, o mouro de Veneza: obras completas de Shakespeare: v. XIV. Tradução de Carlos Alberto Nunes. São Paulo: Melhoramentos, [196-].

SHAKESPEARE, William. Macbeth: do texto e da tradução. Tradução de Geir Campos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1970. (Teatro Hoje).

SILVA, Renán. Entre Cervantes y Shakespeare: nuevas formas de escribir la historia de la literatura. Co-herencia, v. 9, n. 17, p. 223-230, jul. 2012.

SIMÃO, Valdirene. Recursos e estratégias para o ensino de pessoas com cegueira e baixa visão. Material do IRM. 2015.

SISSON, Charles Jasper. Shakespeare. In: SHAKESPEARE, William. Obra completa: v. I. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1989.SOARES, Magda. História e linguagem: uma perspectiva discursiva. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 27, jul. 1998.

STAROBINSKI, Jean. A invenção da liberdade. São Paulo: Editora Unesp, 1994.

STEVENS, Kera; MUTRAN, Munira. O teatro inglês da Idade Média até Shakespeare. São Paulo: Global, 1988.

THOMPSON, Edward Palmer. Costumes em comum. Estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo, Companhia das Letras, 1998.

TOCQUEVILLE, Alexis. O Antigo Regime e a Revolução. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

TREVOR-ROPER, H. A crise do século XVII: religião, a reforma e mudança social. Rio de Janeiro: Topbooks, 2007.

WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

YOSHINO, Kenji. Mil vezes mais justo: o que as peças de Shakespeare nos ensinam sobre a Justiça. Tradução Fernando Santos. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

Downloads

Publicado

17-11-2016

Como Citar

Duran, M. R. da C., & Molina, A. H. (2016). Literatura, tecnologia e inclusão de deficientes visuais no ensino de História: o que acontece quando Shakespeare vai à escola?. Textos FCC, 50, 11–53. Recuperado de https://publicacoes.fcc.org.br/textosfcc/article/view/4315