Escola de Enfermagem de São Paulo: o modelo educacional-profissional Sesp

Autores

Palavras-chave:

Interdisciplinaridade, Formação Profissional, Enfermagem, Modelo Educacional

Resumo

O artigo analisa a formação profissional da enfermagem pós-1930 como parte de um processo histórico que redimensionou a profissão e sua profissionalização no Brasil. Por intermédio de documentos que remetem à experiência das primeiras alunas da Escola de Enfermagem de São Paulo, considera-se que o movimento evoca uma ruptura em relação tanto às origens quanto à manutenção das representações estabelecidas. Derivadas da instalação de um novo modelo de ensino oriundo dos Estados Unidos, mudanças processadas transferem para São Paulo o núcleo intelectual da enfermagem no Brasil, que passa a ser o centro irradiador da profissionalidade preconizada e como parte de acordos bilaterais realizados durante o Estado Novo.Interdisciplinaridade, Formação Profissional, Enfermagem, Modelo EducacionalEscola de Enfermagem de São Paulo: the Sesp educational-professional model This paper analyzes the professional formation of nursing in Brazil after the 1930s as part of a historical process that evaluates the professions and the professionalization in the country. Through several documents on the experience of the first female students at the Escola de Enfermagem de São Paulo, the movement is thought to underscore a rupture regarding the origins and the maintenance of representations established for nurses in Brazil. Changes were transposed from the new nursing model in the United States and applied in São Paulo as the nursing’s intellectual nucleus, center of professionalism as part of joint ventures undertaken during the Brazilian Estado Novo.Interdisciplinary, Professional Education, Nursing, Educational Models Escola de Enfermagem de São Paulo: el modelo educacional-profesional SespEl artículo analiza la formación profesional de los cursos de enfermería posteriores a 1930 como parte de un proceso histórico que redimensionó la profesión y su profesionalización en Brasil. Por intermedio de documentos que remiten a la experiencia de las primeras alumnas de la Escola de Enfermagem de São Paulo, se considera que el movimiento evoca una ruptura tanto en lo que se refiere a los orígenes como al mantenimiento de las representaciones establecidas. Derivados de la instalación de un nuevo modelo de enseñanza proveniente de Estados Unidos, los cambios efectuados trasladan a São Paulo el núcleo intelectual de la enfermería en Brasil, pasando a ser esta ciudad el centro irradiador de la profesionalidad preconizada y parte de acuerdos bilaterales realizados durante el Estado Novo.Interdisciplinaridad, Formación Professional, Enfermería, Modelo EducacionalEscola de Enfermagem de São Paulo : le modèle educationnel-professionnel Sesp L’article analyse la formation professionnelle en infirmerie après 1930 comme partie integrante d’un processus historique qui a redimensionné la profession et sa professionnalisation au Brésil. Par moyen des documents qui renvoyent à l’expérience des premières élèves de l’Escola de Enfermagem de São Paulo, on considère que le mouvement évoque une rupture par rapport aussi bien aux origines qu’à la maintenance des réprésentations établies. Dérivés de l’installation d’un nouveau modèle d’enseignement des États-Unis, les changements effectués déplacent à São Paulo le noyau intellectuel de l’infirmerie au Brésil, qui devient le centre de rayonnement du professionnalisme préconisé et fait partie des accords bilatéraux réalisés pendant l’Estado Novo.Interdisciplinarité, Formation Professionnelle, Infirmerie, Modèle Éducatif

Referências

BARREIRA, Ieda de Alencar. Os primórdios da enfermagem no Brasil. Escola Anna Nery – Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 1, n. 0, p. 161-176, 1997.

BORSAY, Anne. Nursing history: an irrelevance for nursing practice? Nursing History Review, v. 17, p. 14-27, 2009.

CAMPOS, André Luís Vieira de. Políticas internacionais de saúde na Era Vargas: o Serviço Especial de Saúde Pública, 1942-1960. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2006.

CARVALHO, Amália Corrêa de. A Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo: resumo histórico. São Paulo: EEUSP, 1980.

CASTRO SANTOS, Luiz Antonio de; FARIA, Lina. Saúde & história. São Paulo: Hucitec, 2010.

CYTRYNOWICZ, Roney. Guerra sem guerra: a mobilização e o cotidiano em São Paulo durante a Segunda Guerra Mundial. São Paulo: Geração/Edusp, 2002.

EM São Paulo a maior Escola de Enfermagem da América do Sul. A Gazeta, São Paulo, p. 04, 17 de julho de 1943.

ESCOLA DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. São Paulo: Universidade de São Paulo; [194-] (Material publicitário).

FERREIRA, Luiz Otávio; BROTTO, Renata Batista. Nordestinas e normalistas: um estudo sobre as características socioculturais das alunas de uma escola católica de enfermagem no Brasil (1940-1960). História Unisinos, São Leopoldo, RS, v. 22, n. 4, p. 579-591, nov./dez. 2018.

FERREIRA, Luiz Otávio; SALLES, Renata Batista Brotto. A origem social da enfermeira padrão: o recrutamento e a imagem pública da enfermeira no Brasil, 1920-1960. Nuevo Mundo Mundos Nuevos [on-line]. Questões do tempo presente, out. 2019. Disponível em: http://journals.openedition.org/nuevomundo/77966. Acesso em: 12 jul. 2020.

FICHA DE ADMISSÃO na Escola de Enfermagem da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Setor de Graduação da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. São Paulo, fev. 1942.

FIGUEIREDO, Regina Érika Domingos de. Cuidar da saúde do vizinho: atuação do antropólogo Charles Wagley no Serviço Especial de Saúde Pública. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 21, n. 4, p. 1417-1436, out./dez. 2014.

FRANÇA, Lilian Silva de; BARREIRA, Ieda de Alencar. A enfermeira-chefe como figura-tipo em meados do século XX. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 57, n. 4, p. 508-511, jul./ago. 2004.

FUNDAMENTOS DE UMA BOA ESCOLA DE ENFERMAGEM. Tradução Haydée Guanais Dourado; Celina Viegas. Rio de Janeiro: Serviço Especial de Saúde Pública, 1951.

GOMES, Ângela de Castro. A política brasileira em busca da modernidade: na fronteira entre o público e o privado. In: SCHWARCZ, Lilia Moris. História da vida privada no Brasil: contrastes da intimidade contemporânea. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. p. 489-558.

HALLAN, Julia. Nursing the image: media, culture and professional identity. New York: Routledge, 2000.

LEVINE, Robert. M. Pai dos pobres? O Brasil e a Era Vargas. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

MARINHO, Maria Gabriela S. M. C. Norte-americanos no Brasil: uma história da Fundação Rockefeller na Universidade de São Paulo, 1934-1952. Campinas: Autores Associados, 2001.

MOTA, André; MARINHO, Maria Gabriela Silva Martins da Cunha. O discurso da excelência em solo paulista: marchas e contramarchas na criação e instalação do Hospital das Clínicas (1916-1950). In: MOTT, Maria Lucia; SANGLARD, Gisele (org.). História da saúde em São Paulo: instituições e patrimônio arquitetônico (1808-1958). Barueri: Manole, 2011. p. 133-170.

MOTT, Maria Lúcia; SANGLARD, Gisele (org.). História da saúde em São Paulo: instituições e patrimônio arquitetônico (1808-1958). Barueri: Manole, 2011.

NOGUEIRA, Oracy. Preconceito de marca: as relações raciais em Itapetininga. São Paulo: Edusp, 1998.

OGUISSO, Taka; SCHMIDT, Maria José. O exercício da enfermagem: uma abordagem ético-legal. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017.

PADILHA, Maria Itayra; FERREIRA, Aline Coelho; MALISKA, Isabel Cristina Alves; VILLARINHO, Mariana Vieira; ZYTKUEWISZ, Gabriela Venier; SELL, Camilla. Tendências recentes da produção em história da enfermagem no Brasil. História Ciência Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p. 695-707, abr./jun. 2013.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. O Brasil contemporâneo. 2. ed. Porto Alegre: UFRS, 1994.

RIZZOTTO, Maria Lúcia Frizon. História da enfermagem e sua relação com a saúde pública. Goiânia: AB, 1999.

SANTIAGO, Emiliane Silva. Tradição e modernidade: desanexação da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. 2011. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

SANTOS, Roberto Figueiras; OGUISSO, Taka; RIGAUD, Hyeda Maria da Gama; TAHARA, Ângela Tamiko Sato. Ivete Oliveira: ícone da enfermagem brasileira. Salvador: UFBA, 2002.

SANTOS, Tânia Cristina Franco; BARREIRA, Ieda de Alencar. O poder simbólico da enfermagem norte-americana no ensino da enfermagem na capital do Brasil (1928-1938). Rio de Janeiro: UFRJ, 2002.

SILES GONZÁLEZ, José et al. Cultura de los cuidados: historia de la enfermeira ibero-americana. Alicante: Editorial Club Universitário, 2011.

SILVA, Zélia Lopes da. A domesticação dos trabalhadores nos anos 30. São Paulo: Marco Zero; CNPq, 1991.

SIMILI, Ivana. Mulher e política: a trajetória da primeira-dama Darcy Vargas (1930-1945). São Paulo: Unesp, 2008.

SOIHET, Rachel. O feminismo tático de Bertha Lutz. Florianópolis: Mulheres, 2006.

SOUZA CAMPOS, Paulo Fernando de; CARRIJO, Alessandra Rosa. Ilustre inominada: Lydia das Dôres Matta e enfermagem brasileira pós-1930. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 26, n. 1, p.165-185, jan./mar. 2019.

SOUZA CAMPOS, Paulo Fernando de; OGUISSO, Taka. Enfermagem no Brasil: formação e identidade profissional pós-1930. São Caetano do Sul: Yendis, 2013.

TOTA, Antonio Pedro. O imperialismo sedutor: a americanização do Brasil na época da Segunda Guerra. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

WEFFORT, Francisco. O populismo na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

WEINSTEIN, Barbara. Racializando as diferenças regionais: São Paulo x Brasil, 1932. Esboços, Florianópolis, v. 13, n. 16, p. 281-303, 2006.

Publicado

16-11-2020

Edição

Seção

Artigos