A vulnerabilidade do professor diante dos desafios da educação ambiental

Autores

Palavras-chave:

Bioética, Cidadania, Educação Ambiental, Interdisciplinaridade

Resumo

Objetivou-se caracterizar o papel do educador de ensino básico diante dos desafios da educação ambiental. A concepção e representação, acessadas por meio de questionário, constataram o envolvimento pessoal e profissional com a educação ambiental contrastante a uma inexpressiva participação em projetos. A análise apontou os obstáculos enfrentados que compreendem a urgência do tema, mas demonstra dificuldade para colocá-lo em prática principalmente em virtude da falta de capacitação, apoio das instituições e envolvimento da coletividade escolar. Levantou-se a pluralidade de fatores que colocam o educador ambiental em uma posição de vulnerabilidade e propôs-se a bioética ambiental como agregadora de diversos saberes na tentativa de mediar idoneamente esses desafios.Bioética, Cidadania, Educação Ambiental, InterdisciplinaridadeTeachers’ vulnerability in dealing with the challenges of environmental educationThe goal of this article was to describe the role of primary education teachers in dealing with the challenges of environmental education. The conception and representation, accessed through a questionnaire, found that while teachers are personally and professionally involved in environmental education, they hardly ever participate in projects. Our analysis pointed out obstacles such as the theme’s urgency, but it also shows teachers’ difficulty putting it into practice, mainly due to a lack of training, support from institutions and involvement on the part of the school community. We show the multiple factors that put the environmental educator in a position of vulnerability and propose Environmental Bioethics as an aggregator of different types of knowledge so as to mediate these challenges.Bioethics, Citizenship, Environmental Education, Interdisciplinarity La vulnerabilidad del professor frente a los desafíos de la educación ambientalNuestro objetivo ha sido caracterizar el papel del educador de educación básica frente a los desafíos de la educación ambiental. La concepción y representación, a las cuales tuvimos acceso por medio de un cuestionario, constataron la implicación personal y profesional con la educación ambiental en contraste con una inexpresiva participación en proyectos. El análisis puso de manifiesto los obstáculos enfrentados que abarcan la urgencia del tema, pero demuestra dificultad para ponerlo en práctica, sobre todo en función de la falta de capacitación, apoyo de las instituciones e involucración de la colectividad escolar. Se planteó la pluralidad de factores que lo sitúan al educador ambiental en una posición de vulnerabilidad y se propuso la bioética ambiental como agregadora de diversos saberes para intentar mediar idóneamente dichos desafíos.Bioética, Ciudadanía, Educación Ambiental, Interdisciplinaridad La vulnerabilité de l’enseignant face aux défis de la sensibilisation a l’environnementOn a eu comme but de caractériser le rôle de l’enseignant de l’école élémentaire face aux défis de la sensibilisation à l’environnement. La conception et réprésentation accedées par moyen de questionaire constatent un engagement personnel et profesisonnel avec l’éducation environnementale em contraste à une très faible participation dans des projets. L’analyse montre les obstacles confrontés tels que l’urgence du thème, mais démontre une dificulté pour sa mise en pratique, surtout en raison de leur faible capacitation et du manque de soutien des institutions et d’engagement de la comunauté scolaire. On a donc évoqué la pluralité de facteurs qui mettent l’enseignant dans une position de vulnerabilité et on propose la bioéthique environnementale comme agrégatrice des savoirs divers à fin d’essayer une médiation adéquate à ces défis.Bioéthique, Citoyenneté, Education a l’Environnement, Interdisciplinarité

Biografia do Autor

Robiram José dos Santos-Junior, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), Curitiba (PR), Brasil.

Licenciado em Ciêncis Biológicas, Especialista em Educação ambiental, Mestre em Bioética, Professor do Ensino básico

Marta Luciane Fischer, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), Curitiba (PR), Brasil.

Bacharel e Licenciada em Biologia/PUCPR, Licenciada em Arte Educação/FAP, Mestre e Doutora em Zoologia, Pós-doutora em ĺEcologia Química. Docente dos Cursos de Biologia, Psciologia e Pós-Graduação em Bioética/PUCPR. Ex editora chefe da Revista Estudos de Biologia. Ex Coordenadora CEUA/PUCPR. Lider do Grupo de Pesquisa Bioética Ambiental.

Referências

ALMIRO, P. A. Uma nota sobre a desejabilidade social e o enviesamento de respostas. Avaliação Psicológica, Campinas, SP, v. 16, n. 3, p. 256-386, 2017.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1994.

BORTOLOZZI, A.; PEREZ-FILHO, A. Diagnóstico da educação ambiental no ensino de geografia. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 109, p. 145-171, 2000.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 30 out. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm . Acesso em: 10 dez. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – BNCC. 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 10 dez. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica – DCN, 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15548-d-c-n-educacao-basica-nova-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 10 dez. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. PCN – Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Brasília, 1999. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/blegais.pdf . Acesso em: 10 dez. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional de Educação – PNE. 2001. Disponível em: http://pne.mec.gov.br/. Acesso em: 14 dez. 2019.BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Disponível em: https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

. Acesso em: 30 out. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 510, de 7 de abril de 2016. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf. Acesso em: 30 out. 2020.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Programa Nacional de Educação Ambiental – ProNEA, 2005. Disponível em: https://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/pronea3.pdf. Acesso em: 14 dez. 2019.

CARVALHO, I. C. M. A invenção do sujeito ecológico: identidades e subjetividade na formação dos educadores ambientais. In: SATO, Michéle; CARVALHO, Izabel (org.). Educação ambiental; pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005.

CHAVES, A.; FARIAS, M. E. Meio ambiente, escola e a formação dos professores. Ciência e Educação, Bauru, SP, v. 11, n. 1, p. 63-71, 2005.

DECLARAÇÃO DE TBILISI. Conferência Intergovernamental sobre Educação Ambiental. Tbilisi, Geórgia: Unesco; Pnuma, 1977. v. 14.

FERREIRA, F.; BOMFIM, Z. A. C. Sustentabilidade ambiental: visão antropocêntrica ou biocêntrica?. Ambientalmente Sustentable: Revista Científica Galego-Lusófona de Educación Ambiental, n. 9, p. 37-51, 2010.

FISCHER, M. L.; CUNHA, T.; RENK, V.; SGANZERLA, A. Y.; ZACARKIN, J. Da ética ambiental à bioética ambiental: antecedentes, trajetórias e perspectivas. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 24, n. 2, p. 391-409, 2017.

FISCHER, M. L.; CUNHA, T.; MOSER, A. M.; DINIZ, A. L. F. Metodologias inovadoras no ensino da bioética para o curso de Licenciatura em Ciências Biológicas. Revista EDaPECI, São Carlos, SP, v. 18, n. 2, p. 128-14, 2018.

FISCHER, M. L.; FURLAN, A. L. D. Interfaces entre a bioética ambiental e a educação ambiental. In: SGANZERLA, A.; RAULI, P. M. F.; RENK, V. E. Bioética ambiental. Curitiba: Pucpress, 2018. p. 135-163.

FISCHER, M. L.; MOSER, A. M.; DINIZ, A. L. F. Bioética e educação: a utilização do nivelamento moral como balizador para construção de um agente moral consciente, autônomo e reflexivo. In: RENK, V. E. (org.). Bioética e educação: múltiplos olhares. Curitiba: Prisma, 2016. p. 33-67.

FRANCISCO (Papa). Carta Encíclica Laudato Si’ do Santo, 2015. Disponível em: https://www.puc-campinas.edu.br/wp-content/uploads/2016/03/NFC-Carta-Enciclica-laudato-si.pdf. Acesso em: 10 dez. 2019.

FURNHAM, A. Response bias, social desirability and dissimulation. Personality and Individual Differences, s.l., v. 7, n. 3, p. 385-400, 1986.

GAZZINELLI, M. F. Representações do professor e implementação de currículo de educação ambiental. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 115, p. 173-194, 2002.

GOLDIM, J. R. Bioética e interdisciplinaridade. Educação, Subjetividade & Poder, Inijuí, RS, v. 4, n. 1, p. 24-8, 1997.

GOMIDE, P. Comportamento moral. In: GOMIDE, P. (ed.). Comportamento moral: uma proposta para o desenvolvimento das virtudes. Curitiba: Juruá, 2010. p. 300.

GUATTARI, F. As três ecologias. Tradução Maria Cristina F. Bittencourt. 21. ed. Campinas, SP: Papirus, 2011

GUIMARÃES, M. Educação ambiental crítica. In: LAYRARGUES, P. P. Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004. p. 25-34.

JACOBI, P. R. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 118, p. 189-205, 2003.

JUNGES, J. R. Ética ecológica: antropocentrismo ou biocentrismo?. Perspectiva Teológica, Belo Horizonte, v. 33, n. 89, p. 33, 2001.

KAHN JR, P. H. The human relationship with nature: development and culture. Cambridge: MA: The MIT Press, 1999.

KAHN JR, P. H. Developmental psychology and the biophilia hypothesis: children’s affiliation with nature. Developmental Review, v. 17, n. 1, p. 1-61, 1997.

KOHLBERG, L. Psicologia del desarrollo moral. Bilbao: Desclée, 1992.

MARQUES, M. D.; DIAS, L. S. Educação ambiental: a interdisciplinaridade para mudanças de intelecto, hábitos e comportamentos. In: SEOLIN DIAS, L. (org.). Educação ambiental em foco. Tupã, SP: Associação Amigos da Natureza – Anap, 2014. v. 1. p. 133-155.

MATOS, M. A Formação de professores/as e de educadores/as ambientais: aproximações e distanciamentos. Pesquisa em Educação Ambiental, São Paulo, v. 4, n. 2, p. 203-214, 2012.

MELLO, S. S.; TRAJBER, R. Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em educação ambiental na escola. Brasília: Ministério da Educação, Coordenação Geral de Educação Ambiental; Ministério do Meio Ambiente, Departamento de Educação Ambiental; Unesco, 2007.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA – UNESCO. Declaração universal sobre bioética e direitos humanos. Cátedra Unesco da Universidade de Brasília/Sociedade Brasileira de Bioética. Brasília, 2005. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001461/146180por.pdf. Acesso em: 14 dez. 2019.

PIAGET, J.; MERLONE, M. A equilibração das estruturas cognitivas: problema central do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

QUEIROZ, A. M.; CARNIATTO, I. Concepções sobre projetos de educação ambiental na formação continuada de professores. Revista Electrónica de Investigación en Educación en Ciencias, Buenos Aires, v. 6, n. 1, p. 113-123, 2011.

SAUVÉ, L. Educação ambiental e desenvolvimento sustentável: uma análise complexa. 1996. Disponível em: www.ufmt.br/revista/arquivo/rev10/educaçãoambientaledesenvolvimento. Acesso em: 14 dez. 2019.

SORRENTINO, M.; MENDONÇA, R. T. P.; FERRARO JUNIOR, L. A. Educação ambiental como política pública. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 285-299, maio/ago. 2005.

TOZONI-REIS, M. F. C. Formação dos educadores ambientais e paradigmas em transição. Ciência & Educação, Bauru, SP, v. 8, n. 1, p. 83-96, 2002.

VEIGA, A.; AMORIM, E.; BLANCO, M. Um retrato da presença da educação ambiental no ensino fundamental brasileiro: o percurso de um processo acelerado de expansão. Brasília: Inep, 2005. 23p. (Série Documental. Textos para Discussão, 21).

WILSON, E. O. Biophilia. Cambridge: Harvard University Press, 1984.

WILSON, E. O. Biophilia and the conservation ethic. In: KELLERT, S. R.; WILSON, E. O. (ed.). The biophilia hypothesis. Washington, D.C.: Shearwater Books, 1993. p. 31-40.

Downloads

Publicado

16-11-2020

Edição

Seção

Artigos