[1]
M. Crahay, “É possível tirar conclusões sobre os efeitos da repetência?”, Cad. Pesq., vol. 36, nº 127, p. 223–246, jun. 2013.