Acordes e dissonâncias do letramento científico proposto pelo PISA 2015

Andrea Mara Vieira

Resumo


A nossa proposta é investigar a existência ou não de sintonia entre o conceito acadêmico de letramento científico e aquele previsto nos documentos do Programme for International Student Assessment (PISA) e nas normas educacionais. A despeito de toda complexidade e polissemia conceitual existente em torno do conceito de alfabetização/letramento científico, desenvolvemos uma análise teórico-comparativa desse conceito na forma como é concebido pelos especialistas, em comparação com o conceito de letramento científico previsto na base avaliativa do PISA 2015, considerando também a previsão normatizada pelas políticas públicas educacionais. Ao final, identificamos  menos  acordes  e, por variados motivos, mais dissonâncias, que podem servir como contributo para uma reflexão sobre a validade e  relevância  do PISA enquanto instrumento de avaliação, bem como sobre o tipo de aprendizagem a ser assegurada pelo nosso sistema educacional.

Palavras-chave: Letramento Científico; Pisa; Políticas Públicas; Avaliação em Larga Escala.

 

Acordes y disonancias del letramento científico propuesto por el PISA 2015

Nuestra propuesta es investigar la existencia o no de sintonía entre el concepto académico de letramento científico y el previsto en los documentos del Programme for International Student Assessment (PISA) y en las normas educacionales. A pesar de toda la complejidad y polisemia conceptual existentes en torno al concepto de alfabetización/letramento científico, desarrollamos un análisis teórico-comparativo de dicho concepto en la forma como es concebido por los especialistas, en comparación con el concepto de letramento científico previsto en la base evaluativa del PISA 2015, considerando también la previsión normalizada por las políticas públicas educacionales. Al final, identificamos menos acordes y, por variados motivos, más disonancias, que pueden servir como contribución para una reflexión sobre la validad y relevancia del PISA como instrumento de evaluación, así como sobre el tipo de aprendizaje que nuestro sistema educacional debe asegurar.

Palabras-clave: Letramento Científico; Pisa; Políticas Públicas; Evaluación en Gran Escala.

 

Chords and dissonances of scientific literacy proposed by PISA 2015

Our proposal is to investigate the harmony or lack of it between the academic concept of scientific literacy and the one stated in the documents of the Program for International Student Assessment (PISA) and in educational standards. Despite all complexity and conceptual polysemy around the concept of literacy/scientific literacy, we developed a theoretical comparative analysis of this concept as designed by experts, comparing it to the concept of scientific literacy laid down on the assessment basis of the PISA 2015, considering also the projection standardized by public educational policies. Finally, we identified less chords, and, for various reasons, more dissonance, that can serve as a contribution to discuss the validity and relevance of PISA as an assessment tool, as well as on the type of learning to be ensured by our educational system.

Keywords: Scientific Literacy; Pisa; Public Policies; Large-Scale Assessment.


Palavras-chave


Letramento Científico; Pisa; Políticas Públicas; Avaliação em Larga Escala.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDREWS, P. et al. OECD and PISA tests are damaging education worldwide – academics. The Guardian, Reino Unido-UK, 6 maio 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2017.

AULER, D.; DELIZOICOV, D. Alfabetização científico-tecnológica para quê? Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, v. 3, n. 1, p. 105-115, jun. 2001.

BRANDI, A. T. E.; GURGEL, C. M. A. A alfabetização científica e o processo de ler e escrever em séries iniciais: emergências de um estudo de investigação. Ação, Ciência & Educação, v. 8, n. 1, p. 113-125, 2002.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional/LDB. Lei 9394/96. Brasília, DF: Congresso Nacional, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Orientações curriculares para o ensino médio: ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília, DF, 2006. Disponível em: . Acesso em: 6 set. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Orientações educacionais complementares aos parâmetros curriculares nacionais: ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília, DF, 2010, p. 31. Disponível em: . Acesso em: 6 set. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional de Educação. Lei n. 13.005/14. Brasília, DF: Congresso Nacional, 2014. Disponível em: . Acesso em: 29 maio 2016.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. OCDE PISA 2015. Programa Internacional de Avaliação de Estudantes Matriz de Avaliação de Ciências. 2015. p. 12. Disponível em: . Acesso em: 1 jul. 2016.

CACHAPUZ, A. et al. Do estado da arte da pesquisa em educação em ciências: linhas de pesquisa e o caso “ciência-tecnologia-sociedade”. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, Florianópolis, v. 1, n. 1, p. 27-49, 2008.

CARVALHO, A. M. P.; TINOCO, S. C. O ensino de Ciências como ‘enculturação’. In: CATANI, D. B.; VICENTINI, P. P. (Org.). Formação e autoformação: saberes e práticas nas experiências dos professores. São Paulo: Escrituras, 2006.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. Ijuí: Editora da Unijuí, 2000.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 22, p. 89-100, jan./abr. 2003.

CHOMSKY, N. O lucro ou as pessoas?. Tradução de Pedro Jorgesen Jr. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

FOUCAULT, M. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUREZ, G. Alphabétisation scientifique et technique: essai sur les finalités de l’enseignement des sciences. Bruxelas: DeBoeck-Wesmael, 1994.

FOUREZ, G. Science teaching and the STL movement: a socio-historical view. In: JENKINS, Edgar (Ed.). Innovations in science and technology education. Paris: Unesco, 1997. v. VI.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 14. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

FREIRE, P.; MACEDO, D. Alfabetização: leitura do mundo, leitura da palavra. 6. ed. Tradução de Lólio Lourenço de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

FREITAS, L. C. Responsabilização, meritocracia e privatização: conseguiremos escapar ao neotecnicismo? In: SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO BRASILEIRA, 3.; SIMPÓSIO PNE: DIRETRIZES PARA AVALIAÇÃO E REGULAÇÃO DA EDUCAÇÃO NACIONAL, 2011, Campinas. Anais... Campinas, SP: Centro de Estudos Educação e Sociedade, 2011.

FREITAS, L. C. Os reformadores empresariais da educação. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 35, n. 129, p. 1085-1114, out./dez. 2014.

HURD, P. D. Scientific literacy: new minds for a changing world. Science Education, Hoboken, v. 82, n. 3, p. 407-416, 1998.

LÓPEZ-RUIZ, O. J. O consumo como investimento: a teoria do capital humano e o capital humano como ethos. Mediações: Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 14, n. 2, p. 217-230, jul./dez. 2009.

LORENZETTI, L.; DELIZOICOV, D. Alfabetização científi no contexto das séries iniciais. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, v. 3, n. 1, p. 37-50, 2001.

MAMEDE, M.; ZIMMERMANN. E. Letramento científico e CTS na formação de professores para o ensino de Ciências. Enseñanza de las Ciencias, Barcelona, Número Extra, 2005. VII Congreso.

MORIN, Edgar. Meus demônios. Tradução de Leneide Duarte e Clarisse Meireles. 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Russel, 2003.

MORTIMER, E. F.; MACHADO, A. H. A linguagem em uma aula de Ciências. Presença Pedagógica, Belo Horizonte, v. 2, n. 11, p. 49-57, 1996.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA. A Ciência para o Século XXI: uma nova visão e uma base de ação. Budapeste; Santo Domingo; Brasília, DF: Unesco, 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2015.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Classifying educational programmes: Manual for ISCED-97 implementation in OECD countries. Paris: OECD, 1999.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Measuring student knowledge and skills: The PISA 2000 assessment of reading, mathematical and scientifi literacy. Paris: OECD, 2000.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. The PISA 2003 Assessment framework: Mathematics, reading, science and problem solving knowledge and skills. Paris: OECD, 2003.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. PISA 2015: programa Internacional de Avaliação de Estudantes. Matriz de Avaliação de Ciências. Tradução de Lenice Medeiros. Brasília, DF: OECD; Inep, 2015. Resumo do Documento: PISA 2015 Science Framework (2013).

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO. Relatório do Desenvolvimento Humano Brasil 1996. Brasília, DF: Pnud, 1996. 186 p. Disponível em: . Acesso em: 2 jun. 2016.

ROBERTS, D. A. Scientifc literacy/science literacy. In: ABELL, S. K.; LEDERMAN, N. G. (Ed.). Handbook of research on science education. Londres: Lawrence Erbaum Associates, 2007. p. 729-780.

SANTOS, W. L. P. Educação científica na perspectiva de letramento como prática social: funções, princípios e desafios. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 36, p. 474-492, set./dez. 2007.

SANTOS, W. L. P. Educação científica humanística em uma perspectiva freireana: resgatando a função do ensino de CTS. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, Florianópolis, v. 1, n. 1, p. 109-131, mar. 2008.

SANTOS, W. L. P.; MORTIMER, E. F. Tomada de decisão para ação social responsável no ensino de ciências. Ciência & Educação, Bauru, SP, v. 7, n. 1, p. 95-111, 2001.

SASSERON, L. H. Alfabetização científica, ensino por investigação e argumentação: relações entre ciências da natureza e escola. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 17, número especial, p. 49-67, nov. 2015.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. de. Alfabetização científica: uma revisão bibliográfica. Revista de Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 16, n. 1, p. 59-77, mar. 2011.

SCHULTZ, T. W. O capital humano: investimento em educação e pesquisa. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

SILVA, M. A.; PEREIRA, R. S. A educação fotografada pelo PISA e difundida pela OCDE. In: CUNHA, C.; SOUSA, J. V. de; SILVA, M. A. (Org.). Internacionalização da educação: discursos, práticas e reflexos sobre as políticas educativas. Belo Horizonte: Fino Traço, 2016.

SOARES, M. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 25, p. 5-17, jan./abr. 2004.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

SUISSO, C.; GALIETA, T. Relações entre leitura, escrita e alfabetização/ letramento científico: um levantamento bibliográfico em periódicos nacionais da área de ensino de ciências. Ciência & Educação, Bauru, SP, v. 21, n. 4, p. 991-1009, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.18222/eae.v28i68.4410

Apontamentos

  • Não há apontamentos.