Processos avaliativos em ambientes virtuais de formação: uma perspectiva interacional-dialógica

Carime Rossi Elias, Paloma Dias Silveira, Janete Sander Costa, Margarete Axt

Resumo


Este artigo apresenta e discute processos avaliativos utilizados em uma disciplina de especialização, na modalidade de ensino a distância, cujo objetivo era o estudo e a vivência dos conceitos de autor, autoria coletiva, leitor e texto em ambiente virtual de aprendizagem. A metodologia empregada no curso foi a da interação dialógica, de Bakhtin (2003). Com base nessa perspectiva teórica, o presente trabalho examina o acompanhamento do desempenho dos alunos pelos professores ao longo da disciplina, por meio da análise de textos publicados nas ferramentas de discussão da plataforma on-line, e as trocas promovidas entre os próprios estudantes, entre os estudantes e os professores e entre os integrantes da equipe formadora. Conclui-se que esse movimento modifica o processo de ensino e contribui para a manutenção da relação ensino-aprendizagem como foco, ao mesmo tempo metodológico e avaliativo, numa perspectiva dialógica.

 


Palavras-chave


Ensino a distância; Processo de ensino-aprendizagem; Avaliação da aprendizagem; Interação dialógica

Texto completo:

PDF

Referências


AXT, Margarete. Comunidades virtuais de aprendizagem e interação dialógica: do corpo, do rosto e do olhar. Filosofia Unisinos, v. 7, n. 3, p. 256-268, set./dez. 2006.

AXT, Margarete. Do pressuposto dialógico na pesquisa: o lugar da multiplicidade na formação (docente) em rede. Informática na Educação: Teoria & Prática, Porto Alegre, v. 11, n. 1, p. 91-104, 2008.

AXT, Margarete; ELIAS, Carime. R.; COSTA, Janete S.; SILVEIRA, Paloma D.; SOL, Elena L. Interação dialógica: uma proposta teórico-metodológica em ambientes virtuais de aprendizagem. Revista Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre, v. 4, n. 1, p. 1-10, 2006.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BRAIT, Beth. A natureza dialógica da linguagem: formas e graus de representação dessa dimensão constitutiva. In: FARACO, Carlos Alberto; TEZZA, Cristóvão; CASTRO, Gilberto de (Org.). Diálogos com Bakhtin. Curitiba: Editora UFPR, 2007.

CLARK, Katerina; HOLQUIST, Michael. Mikhail Bakhtin. São Paulo: Perspectiva, 1998.

COSTA, Janete S. Autoria coletiva em ambiente informatizado na perspectiva da formação de professores em Língua Inglesa. 252 f. 2008. Tese de Doutorado (Informática na Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2008.

FÁVERI, Helena J. Avaliar é preciso: quantificar é desnecessário. In: PUENTES, Roberto V.; ORRÚ, Silvia Ester (Org.). As múltiplas faces da avaliação: teoria e prática na educação. São João da Boa Vista, SP: UNIFEOB, 2004.

HADJI, Charles. Avaliação desmistificada. Porto Alegre: Artmed, 2001.

HOFFMANN, Jussara. Avaliação mediadora: uma prática em construção da pré-escola à universidade. Porto Alegre: Mediação, 2003.

LUCKESI, Cipriano. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. São Paulo: Cortez, 2005.

MUTTI, Regina Varini; AXT, Margarete. Para uma posição enunciativa no discurso pedagógico mediado por ambientes virtuais de aprendizagem. Interface, Botucatu, v. 12, n. 25, p. 347-361, jun. 2008.

SOBRAL, Adail. Ético e estético na vida, na arte e na pesquisa em Ciências Humanas. In: BRAIT, Beth (Org.). Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2007.

SOUZA, Sandra Z. L. de; OLIVEIRA, Romualdo P. de. Políticas de avaliação da educação e quase mercado no Brasil. Educação & Sociedade, Campinas, v. 24, n. 84, p. 873-895, set. 2003. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.18222/eae266102940

Apontamentos

  • Não há apontamentos.