Monitoramento da educação infantil pública: possibilidades e conteúdos

Eliana Bhering, Beatriz de Oliveira Abuchaim

Resumo


Este artigo apresenta a primeira etapa do processo de construção
de um sistema de monitoramento para uma rede pública de
educação infantil (EI) do município do Rio de Janeiro. Partindo
de concepções teóricas a respeito de avaliação e monitoramento,
foram avaliadas 149 unidades escolares. A coleta de dados
seguiu o modelo das escalas de avaliação de ambientes e a análise
foi realizada de acordo com a Teoria Clássica das Medidas.
O objetivo centrou-se em extrair aspectos relevantes para o
monitoramento das políticas da EI do município em questão. A
análise dos dados incluiu também a compilação de informações
de diferentes fontes sobre o funcionamento da rede municipal.
Foram identificadas sete dimensões para a composição do
monitoramento das políticas e práticas educativas, além de
aspectos que podem contribuir para a melhoria do atendimento
nas unidades de ensino de EI


Palavras-chave


Educação Infantil; Políticas Públicas; Monitoramento; Avaliação

Texto completo:

PDF

Referências


BECCHI, E.; BONDIOLI, A. Avaliando a pré-escola: uma trajetória de formação de professoras. Campinas: Autores Associados, 2003.

BHERING, E. et al. Ambientes de unidades municipais de educação infantil do Rio de Janeiro: uma proposta de formação e avaliação. Relatório de Pesquisa. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2013.

BLOOM, S. S. Violence against women and girls: A Compendium of Monitoring and Evaluation Indicators. United States Agency for International Development (Usaid), 2008. Disponível em:

Women-and-Girls-a-Compendium-of-Monitoring-and-Evaluation-

Indicators>. Acesso em: 24 jan. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Educação infantil: subsídios para a construção de uma sistemática de avaliação. Brasília: MEC/SEB, 2012.

______. Indicadores da qualidade da educação infantil. Brasília: MEC/SEB, 2009.

______. Parâmetros nacionais de qualidade para a educação infantil. Brasília: MEC/SEB, 2006.

CAMPOS, M. M. et al. Educação infantil no Brasil: avaliação qualitativa e quantitativa. Relatório de Pesquisa. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2010.

CAMPOS, M. M.; ROSEMBERG, F. Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças. Brasília: MEC/SEF/DPE/COEDI, 1995.

GENTILI, P. P. A. O discurso da qualidade como nova retórica conservadora no campo educacional. In: GENTILI, P. A. A.; SILVA, T. T. Neoliberalismo, qualidade total e educação: visões críticas. Petrópolis: Vozes, 2001.

HARMS, T.; CLIFFORD, M.; CRYER, D. Infant/toddler environment rating scale. Rev. ed. New York: Teachers College, 2005.

______. Early childhood environment rating scale. Rev. ed. New York: Teachers College, 2006.

JANUZZI, P. et al. Estruturação de sistemas de monitoramento e

especificação de pesquisas de avaliação: os problemas de programas públicos no Brasil. In: FRANZESE, C. et al. Reflexões para Ibero-América: avaliação de programas sociais. Brasília: Enap, 2009.

MOKATE, K. M. Convirtiendo el “monstruo” en aliado: la evaluación como herramienta de la gerencia social. Revista do Serviço Público, Brasília, v. 53, n. 1, p. 89-131, jan./mar. 2002.

RIO DE JANEIRO. Secretaria Municipal de Educação. Gerência de Educação Infantil. Orientações curriculares para a educação infantil. Rio de Janeiro: SME/GEI, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.18222/eae255820142875

Apontamentos

  • Não há apontamentos.