Influências da iniciação científica na pós-graduação

José Albertino Carvalho Lordelo, Rodrigo Ferrer de Argôlo

Resumo


Este artigo avalia a influência da iniciação científica nos cursos de mestrado de uma instituição federal de ensino superior. Foram utilizados quatro indicadores para comparar os dados de concluintes de cursos de mestrado egressos e não egressos da iniciação científica. A população estudada foi constituída de 895 concluintes de mestrado, dos quais 242 eram egressos de programas de iniciação científica, e 653 eram não egressos. Os resultados revelam um efeito positivo na antecipação da realização da formação pós-graduada, na vinculação com a pesquisa e na produção científica dos egressos. A iniciação científica não teve influência sobre o tempo de conclusão do mestrado, comparado com o tempo de conclusão dos não egressos.


Palavras-chave


Iniciação científica; Pós-graduação; Produção técnico-científica; Formação científica.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, M. et al. A importância da iniciação científica para os alunos de graduação em Biomedicina. Revista Eletrônica Novo Enfoque, Rio de Janeiro, v. 11, n. 11, p. 61-66, 2010.

BRASIL. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. O que é plataforma Lattes. S.l.: CNPq, s.d. Disponível em: . Acesso em: 19 abr. 2012.

BRASIL. RN-017/2006. Bolsas por Quota no país. S.l.: CNPq, 2006. Disponível em: . Acesso em 19 abr. 2012.

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Disponível em: . Acesso em: 11 ago. 2012.

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Portaria n. 64 de 24 de março de 2010. Brasília, DF: Capes, 2010. Disponível em: . Acesso em: 11 ago. 2012.

CARDOSO, G. P. et. al. Iniciação científica em medicina: uma questão de interesse para todas as especialidades. Revista Pulmão RJ, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, jan./mar. 2004. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2013.

FAVA-DE-MORAES, F.; FAVA, M. A Iniciação científica: muitas vantagens e poucos riscos. São Paulo em Perspetiva, v. 14, n. 1, jan./mar. 2000. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2013.

LORDELO, J. A. C. et al. Relatório de pesquisa impactos acadêmicos e econômicos da iniciação científica – IC na UFBA. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2013.

MASSI, L.; QUEIROZ, S. L. Estudos sobre iniciação científica no Brasil: uma revisão. Cadernos de Pesquisa, v. 40, n. 139, p. 173-197, jan/.-abr. 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2012.

NEDER, R. T. A iniciação científica como ação de fomento do CNPq: o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica – PIBIC. 2001. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) – Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília, 2001.

SANTOS, V. F.; ANDRADE, C. M. Retorno econômico e social da educação e da pesquisa acadêmica: algumas metodologias de mensuração. In: UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA. Relatório de Pesquisa Impactos acadêmicos e econômicos da Iniciação Científica – IC na UFBA. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2013. p. 62-82.

TREVIZAN, M. A.; MENDES, I. A. C. Iniciação científica: modalidade de incentivo à pesquisa em enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v.12, n. 2, p. 33-38, 1991. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.18222/eae266102840

Apontamentos

  • Não há apontamentos.