Estudantes de engenharia: entre o empoderamento e o binarismo de gênero

Adriana Zomer de Moraes, Tânia Mara Cruz

Resumo


Este artigo trata, a partir de entrevistas com estudantes de Engenharia (2014), de suas experiências acadêmicas e concepções de gênero em relação ao campo profissional. O materialismo histórico e dialético, como referencial, visa a estabelecer as conexões entre o particular e a totalidade social, e entre a subjetividade e a objetividade no processo histórico de transformações e permanências. O aumento do ingresso das mulheres nas engenharias exige contínuo enfrentamento das estudantes, que expressam estratégias de empoderamento contraditoriamente acompanhadas de atributos sustentados em binarismos de gênero. Por sua vez, os colegas e os professores tendem a reforçar a divisão sexual do trabalho em novas formas.


Engineering students: between empowerment and gender binarism

This article, based on interviews with ninth semester engineering students (2014), deals with their academic experiences and conceptions of gender in the professional field. The dialectical and historical materialism, as a reference, aims to establish connections between the private and the social totality and between subjectivity and objectivity in the historical process of transformations and permanence. The increase in the number of admissions of women in engineering programs demands a continuous confrontation of female students who express empowerment strategies paradoxically accompanied by attributes supported by gender binarism. In turn, colleagues and teachers tend to reinforce the sexual division of work in new ways.

Students; Engineering; Labour; Gender Relations

 

Étudiants ingénieurs: entre l’autonomisation et le binarisme de genre

Cet article présente une analyse, menée à partir d’entretiens avec des femmes étudiants ingénieurs (2014) sur leurs expériences académiques et leurs conceptions sur l’égalité des genres dans le domaine professionnel. En prenant comme référentiel le matérialisme historique et dialectique, cette étude vise à établir les connexions entre le particulier et la totatilité du social, ainsi qu’entre la subjectivité et l’objectivité dans le processus historique de transformations et de permanences. La présence accrue des femmes dans les cours d’ingénierie implique des affrontements continus de la part des étudiantes qui ont recours à des stratégies d’empowerment, paradoxalement accompagnées d’attributs renvoyant au binarisme de genre. De leur côté, leurs collègues mâles et les enseignants ont tendance à renforcer la division sexuelle du travail par de nouveaux moyens.

Étudiantes; Ingénierie; Travail; Relations de Genre

 

Estudiantes de ingeniería: entre el empoderamiento y el binarismo de género

Este artículo trata, a partir de entrevistas con estudiantes de Ingeniería del noveno periodo (2014), de sus experiencias académicas y concepciones de género en relación al campo profesional. El materialismo histórico y dialéctico, como referencial, pretende establecer las conexiones entre lo particular y la totalidad social, y entre la subjetividad y la objetividad en el proceso histórico de transformaciones y permanencias. El aumento del ingreso de las mujeres en las Ingenierías exige continuo enfrentamiento de las estudiantes, que expresan estrategias de empoderamiento contradictoriamente acompañadas de atributos sustentados en binarismos de género. Por su parte, colegas y profesores tienden a reforzar la división sexual del trabajo en nuevas formas.

Estudiantes; Ingeniería; Trabajo; Relaciones de Género


Palavras-chave


Estudantes; Engenharia; Trabalho; Relações de Gênero

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Ricardo. Trabalho, reestruturação produtiva e algumas repercussões no

sindicalismo brasileiro. In: ANTUNES, Ricardo (Ed.). Neoliberalismo, trabalho e sindicato: reestruturação produtiva na Inglaterra e no Brasil. São Paulo: Boitempo, 1997. p. 71-84.

BRASIL. Ministério da Educação; Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da educação superior 2011: resumo técnico. Brasília: Inep, 2013. Disponível em: . Acesso em: 27 set. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação; Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior: evolução – 1980 a 2007. Brasília: Inep, 2009. Disponível em: . Acesso em: 14 abr. 2015.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Pensando gênero e ciência. In: ENCONTRO NACIONAL DE NÚCLEOS E GRUPOS DE PESQUISAS –2009/2010, 2. 2010. Pensando gênero e ciências. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2010. 198 p.

BRASIL. Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres; ONU MULHERES; Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Retrato das desigualdades de gênero e raça. 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2017.

BRUSCHINI, Maria Cristina Aranha. Mulher e trabalho: engenheiras, enfermeiras e professoras. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 27, p. 5-17, dez. 1978.

CABRAL, Carla Giovana; BAZZO, Walter Antonio. As mulheres nas escolas de engenharia brasileiras: história, educação e futuro. Revista de Ensino de Engenharia, Passo Fundo, v. 24, n. 1, p. 3-9, jan./jun. 2005.

CALAFIORI, Luciano. Mulheres conquistam espaço e humanizam a carreira de engenharia. G1, Campinas, 24 abr. 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2013.

CARVALHO, Marilia Gomes de. Gênero e tecnologia: estudantes de engenharia e o mercado de trabalho. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL MERCADO DE TRABALHO E GÊNERO: COMPARAÇÕES BRASIL-FRANÇA. 2007, São Paulo. Anais... São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2007. v. 1. p. 1-12.

CARVALHO Marilia Gomes de; SOBREIRA, Josimeire de Lima. Gênero nos cursos de engenharia de uma universidade tecnológica brasileira. ARBOR Ciencia, Pensamiento y Cultura, v. 184, n. 733, p. 889-904, set./out. 2008.

CASAGRANDE, Lindamir Salete; LIMA E SOUZA, Ângela Maria Freire de. Percorrendo labirintos: trajetórias e desafios de estudantes de engenharias e licenciaturas Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 47, n. 163, p. 168-200, jan./mar. 2017.

COSTA, Suely Gomes. Proteção social, maternidade transferida e lutas pela saúde reprodutiva. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 2, p. 301-324, jul./dez. 2002.

FAULKNER, Wendy. Nuts and bolts and people: gender-troubled engineering identities. Social Studies of Science, Thousand Oaks, CA, v. 37, n. 3, p. 331-356, jun. 2007.

FEDERAÇÃO INTERESTADUAL DE SINDICATOS DE ENGENHEIROS – FISENGE. CREA-PB incentiva participação da mulher engenheira em espaços de debate. João Pessoa, 03 mar. 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2017.

FIGUEIREDO, Luiz Carlos de. O gênero na educação tecnológica: uma análise de relações de gênero na socialização de conhecimentos da Área de Construção Civil do Centro Federal de Educação Tecnológica de Mato Grosso. 2008. 148f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

GONZALEZ REY, Luiz Fernando. Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

HIRATA, Helena. Nova divisão sexual do trabalho? Um olhar voltado para a empresa e a sociedade. São Paulo: Boitempo, 2002.

KERGOAT, Danièle. Penser la différence des sexes: rapports sociaux et division du travail entre les sexes. In: MARUANI, Margaret (Dir.). Femmes, genre et sociétés. Paris: La Découverte, 2005. p. 94-101. (L’état des savoirs).

LEON, Magdalena. Empoderamiento: relaciones de las mujeres con el poder. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 8, p. 191-201, 2000.

LOMBARDI, Maria Rosa. Perseverança e resistência: a Engenharia como profissão feminina. 2005.

f. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

LOMBARDI, Maria Rosa. Engenheiras brasileiras: inserção e limites de gênero no campo profissional. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 127, p. 173-202, jan./abr. 2006.

LOMBARDI. Maria Rosa. Engenheiras na construção civil: a feminização possível e a

discriminação de gênero. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 47, n. 163, p. 122-146,

jan./mar. 2017.

MADALOZZO, Regina; ARTES, Rinaldo. Escolhas profissionais e impactos no diferencial salarial entre homens e mulheres. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 47, n. 163, p. 202-221, jan./mar. 2017.

MENEZES, Marcia Barbosa; LIMA E SOUZA, Ângela Maria Freire de. Escolhas marcadas pelo gênero – sobre o ingresso de jovens mulheres e homens nos cursos de graduação da área de exatas na UFBA. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL ENLAÇANDO SEXUALIDADES, 3., 2013, Salvador. Anais... Salvador: Uneb, 2013. p.1-14. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2016.

MOREIRA, Antonio Flavio Barbosa; CANDAU, Vera Maria. Indagações sobre currículo: currículo, conhecimento e cultura. Brasília, DF: MEC/SEB, 2007.

NOGUEIRA. Claudia Mazzei. As relações sociais de gênero no trabalho e na reprodução. Aurora, Marília, n. 6, p. 59-62, ago. 2010.

PEREIRA, Simone Baía; NORI, Marcia Angela (Org.). Principais direitos das mulheres profissionais. Rio de Janeiro: Fisenge, 2011.

ROSEMBERG, Fúlvia; MADSEN, Nina. Educação formal, mulheres e gênero no Brasil

contemporâneo. In: BARSTED, Leila Linhares; PITANGUY, Jacqueline (Org.). O progresso das mulheres no Brasil 2003-2010. Rio de Janeiro: Cepia; Brasília: ONU Mulheres, 2011. p. 390-434.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. Rearticulando gênero e classe social. In: COSTA, Albertina Oliveira; BRUSCHINI, Cristina (Org.). Uma questão de gênero. Rio de Janeiro, São Paulo: Rosa dos Tempos, Fundação Carlos Chagas, 1992. p. 183-215.

SALVADOR, Sileide France Turan. Gênero na engenharia: o corpo docente em Curitiba, PR. 2010.

f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2010.

SANTOS, Jacqueline A. dos; SOUZA, Nádia F. de; ATOLINI, Tarcilia M. Gênero e raça na formação em engenharia no Brasil: breve análise histórica e o caso da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL – ENEDS, 13., Florianópolis. Anais... Florianópolis, 2016. p. 1-24.

Disponível em: . Acesso em: 06 jun. 2017.

SARAIVA, Karla. Produzindo engenheiras. Revista de Ensino de Engenharia, Passo Fundo, v. 27, n. 1, p. 48-56, jan./jun. 2008.

SEN, Amartya Kumar. Desigualdade reexaminada. Rio de Janeiro: Record, 2001.

SILVA, Décio. O engenheiro que as empresas querem hoje. In: LINSINGEN, Irlan von Luiz Teixeira do Vale Pereira; CABRAL, Carla Giovana. Formação do engenheiro: desafios da atuação docente, tendências curriculares e questões de educação tecnológica. Florianópolis: EDUFSC, 1999. p. 77-88.

SILVA, Paula; SAAVEDRA, Luisa. Guião de educação gênero e cidadania. Lisboa: CIG, 2009.

SIQUEIRA, Maria Juracy Tonelli. A constituição do sujeito e a divisão sexual do trabalho na família: análise do caso de um homem dono-de-casa. 1997. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997.

VELHO, Lea; LEÓN, Elena. A construção social da produção científica por mulheres. Cadernos Pagu, Campinas, n. 10, p. 309-344, jan. 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.