A compreensão histórica do fracasso escolar no Brasil

André Luiz Paulilo

Resumo


O texto, organizado em três partes, discute o modo como a ideia de fracasso escolar foi posta em questão no Brasil. Na primeira delas, o autor aborda as condições de produção das pesquisas sobre o tema, prestando atenção ao sentido histórico do seu emprego como noção de análise. Na segunda, examina material produzido sobre o tema, na forma de pesquisa ou de tradução para o português, a fim de problematizar o registro mais comum da sua história. A terceira parte propõe que a mobilização popular por escolarização entre os anos 1970/1980 em São Paulo é um elemento explicativo relevante, mas ausente da reflexão sobre a elaboração da noção de fracasso escolar como categoria de análise em educação.


Palavras-chave


Fracasso Escolar; Escolarização; História da Educação; Pesquisa Educacional

Texto completo:

PDF PDF inglês

Referências


ANGELUCCI, Carla Biancha et al. O estado da arte da pesquisa sobre o fracasso escolar (1991-2002): um estudo introdutório. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 1, p. 51-72, jan./abr. 2004.

BAUDELOT, Christian; ESTABLET, Roger. L’école capitaliste en France. Paris: François Maspero, 1971.

BOURDIEU, Pierre. L’ école conservatrice: lês inégalités devant l’ecole et la culture. Revue Française de Sociologie, v. 7, n. 3, p. 325-347, 1966.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

BOURDIEU, Pierre; BOLTANSKI, Luc; SAINT-MARTIN, Monique de. Les strategies de reconversion. Information sur les Sciences Socials, v. 12, n. 5, p. 61-113, 1973.

BOURDIEU, Pierre; DARBEL, Alain. L’amour de l’art, lês musées et leur public. Paris: Minuit, 1966.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean Claude. Les etudiants et leurs etudes. Paris: Mouton, 1964a.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean Claude. Les héritiers: les étudiants et la culture. Paris: Minuit, 1964b.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean Claude. La reproduction. Paris: Minuit, 1970.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean Claude. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1975. BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean Claude; SAINT-MARTIN, Monique de. Les étudiants et la langue d’enseignement. Cahiers Du Centre de Sociologie Européene, n. 2, 1965.

BOURDIEU, Pierre; SAINT-MARTIN, Monique de. L’excellence scolaire et les valeurs du système d’enseignement français. Annales, v. 25, n. 1, p. 147-175, jan./fev. 1970.

BOWLES, Samuel; GINTIS, Hebert. Schooling in capitalist America. Nova York: Routledge & Kegan Paul, 1976.

BOWLES, Samuel; GINTIS, Hebert. Schooling in capitalista America revisited. Socioloy of Education, v. 75, p. 1-18, jan. 2002.

BRANDÃO, Zaia; BAETA, Anna Maria Bianchini; ROCHA, Any Dutra Coelho da. O estado da arte da pesquisa sobre evasão e repetência no ensino de 1º grau no Brasil (1971-1981). Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 64, n. 147, p. 38-69, maio/ago. 1983.

CANDEIAS, António. Ritmos e formas de alfabetização na população portuguesa na transição do século: o que nos mostram os censos populacionais compreendidos entre os anos de 1890 e 1930. Educação, Sociedade e Culturas, n. 5, p. 39-63, 1996.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

CHAPOULIE, Jean-Michel; BRIAND, Jean-Pierre. A instituição escolar e a escolarização: uma visão de conjunto. Educação & Sociedade, Campinas, n. 47, p. 11-60, abr. 1994.

COLE, Mike (Org.). Bowles and Gintis revisited: correspondence and contradction in educational theory. Londres: Routledge, 1988.

CUNHA, Nadia Franco da. Sistemas de ensino no Brasil como instrumento de discriminação econômica e estratificação social. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 54, n. 119, p. 61-71, jul./set. 1970.

CUNHA, Luiz Antônio. Educação e desenvolvimento social no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.

FORQUIN, Jean-Claude. Saberes escolares, imperativos didáticos e dinâmicas sociais. Teoria e Educação, Porto Alegre, n. 5, p. 28-49, 1992.

FREITAS, Marcos Cezar de. História, antropologia e a pesquisa educacional: itinerários intelectuais. São Paulo: Cortez, 2001.

GOUVEIA, Aparecida Joly. A pesquisa educacional no Brasil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 1, p. 1-48, 1971.

ISLAMBART-JAMATI, Viviane. Culture tecnique et critique sociale a l’école élémentaire em France. Variations selon la composition du public scolaire. In: PLAISANCE, E. (Org.). L’echec scolaire. Nouveaux objets, nouvelles approaches sociologiques. Paris: Editions du CNRS, 1985a. p. 83-86.

ISLAMBART-JAMATI, Viviane. Quelques rappels de l’émergence de l’echec scolaire comme “problème social” dans les milieux pedagogiques français. In: PLAISANCE, E. (Org.). L’echec scolaire. Nouveaux objets, nouvelles approaches sociologiques. Paris: Editions du CNRS, 1985b. p. 28-40.

KOWARICK, Lúcio. Os caminhos dos encontros: as lutas sociais em São Paulo na década de 70. Presença, n. 2, p. 1984.

KRAMER, Sonia. Privação cultural e educação compensatória: uma análise crítica. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 42, p. 54-62, ago. 1982.

LAHIRE, Bernard. Sucesso escolar nos meios populares: as razões do improvável. São Paulo: Ática, 1997.

LOVISOLO, Hugo. Tradição desafortunada: Anísio Teixeira, velhos textos e ideias atuais. In: ALMEIDA, Stela Borges de. (Org.). Chaves para ler Anísio Teixeira. Salvador: OEA/UFBA/EGBA, 1990. p. 11-85.

LUC, Jean-Nöel. Du bom usage des statistiques de l´enseignement primaire aux XIXe. et XXe. Siècles. Histoire d’Education, n. 29, p. 47-64, jan. 1987. MACEDO, Carmen Cinira. Tempo de gênesis: o povo das comunidades eclesiais de base. São Paulo: Brasiliense, 1986.

MENDONÇA, Ana Waleska Pollo C. O CBPE: um projeto de Anísio Teixeira. In: BRANDÃO, Zaia; MENDONÇA, Ana Waleska Pollo C. (Org.). Por que não lemos Anísio Teixeira? 2. ed. Rio de Janeiro: Forma & Ação, 2008. p. 41-64.

NOGUEIRA, Maria Alice. A sociologia da educação do final dos anos 60/início dos anos 70: o nascimento do paradigma da reprodução. Em Aberto, ano 9, n. 46, p. 49-58, abr./jun. 1990

NOGUEIRA, Maria Alice; CATANI, Afrânio. Pierre Bourdieu. Escritos de Educação. Petrópolis: Vozes, 1998.

PATTO, Maria Helena Souza. O fracasso escolar como objeto de estudo: anotações sobre as características de um discurso. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 65, p. 72-77, maio 1988.

PATTO, Maria Helena Souza. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. São Paulo: T. A. Queiroz, 1991.

PEREIRA, Luiz. A escola numa área metropolitana. São Paulo: Edusp, 1967.

PETITAT, André. Produção da escola/produção da sociedade. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

PINHEIRO, Luca Marques. Por que tanta repetência na 1ª série? Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 55, n. 122, p. 242-253, abr./jun. 1971.

POPPOVIC, Ana Maria. Atitudes e cognição do marginalizado cultural. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 57, n. 126, p. 244-254, abr./jun. 1972.

PROST, Antoine. Histoire de l’enseignement en France 1800-1967. Paris: A. Colin, 1968.

PROST, Antoine. Une sociologie stérile: la reproduction. Esprit, ano 38, n. 12, p. 851-861, dez. 1970.

PROST, Antoine. L’ échec scolaire: usage social e usage scolaire de l’orientation. In: PLAISANCE, E. (Org.). L’ échec scolaire. Nouveaux objets, nouvelles approaches sociologiques. Paris: Editions du CNRS, 1985. p. 179-190.

RAVON Bertrand. L’ « échec scolaire » histoire d’un problème public. Paris, in Press Editions, 2000.

SANTOS, João Paulo dos. Evasão da escola e desenvolvimento. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 55, n. 122, p. 333-335, abr./jun. 1971.

SÃO PAULO. Proposta curricular do Estado de São Paulo: História. São Paulo: SEE, 2008.

SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia. São Paulo: Cortez, 1982.

SCHNEIDER, Dorith. Alunos excepcionais: um estudo de caso de desvio. In: VELHO, Gilberto (Org.). Desvio e divergência. Rio de Janeiro: Zahar, 1974.

SPOSATI, Aldaiza. Estudo monográfico das SABs do município de São Paulo. 1976. Mimeografado.

SPOSITO, Marilia Pontes. A ilusão fecunda: a luta por educação nos movimentos populares. São Paulo: Hucitec/Edusp, 1993.

TEIXEIRA, Anísio. Educação pública: administração e desenvolvimento. Relatório do Director Geral do Departamento de Educação do Districto Federal – dezembro de 1934. Rio de Janeiro: Oficina Gráfica do Departamento de Educação, 1935.

TELLES, Vera. Uma revolução no cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1987.

TRAGTENBERG, Maurício. A escola como organização complexa. In: GARCIA, Walter E. (Org.). Educação brasileira contemporânea: organização e funcionamento. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1978. p. 15-30.

VINCENT, Guy; LAHIRE, Bernard; THIN, Daniel. Sobre a história e a teoria da forma escolar. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 33, p. 7-47, jun. 2001.

WILLIS, Paul. Aprendendo a ser trabalhador: escola, resistência e reprodução social. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

XAVIER, Libânea Nacif. O Brasil como laboratório: educação e ciências sociais no projeto dos Centros Brasileiros de Pesquisas Educacionais CBPE/Inep/MEC (1950-1960). Bragança Paulista: Edusf, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Financiadores: