Mulheres e filhos menores de três anos: condições de vida

Fabiana Silva Fernandes, Nelson Gimenes, Juliana dos Reis Domingues

Resumo


Este texto apresenta o perfil de mulheres residentes no estado de São Paulo, mães de crianças na faixa etária de zero a três anos, estabelecendo comparação entre aquelas cujos filhos estão matriculados em instituições de educação infantil – EI –e aquelas que não contam com esse serviço, de modo a discutir o papel social dessas unidades. Utilizou-se, como fonte de dados, o Censo Demográfico de 2010 e foram selecionadas as variáveis referentes ao perfil geral (idade, cor/raça, escolaridade), vida familiar (arranjo familiar, posição na família), vida profissional e renda (ocupação, renda per capita). O estudo reafirma fenômenos referentes a desigualdades sociais que se aprofundam nas relações de gênero e raça/cor, explicitando essas diferenças em termos de acesso a instituições de EI.

 

Women with children under three years: life conditions

This text presents a profile of women living in the state of São Paulo who are mothers of children ages zero to three years, and compares those whose children are enrolled in early childhood education – EI – institutions and those who do not use this service, in order to discuss the social role of these units. We used the 2010 Demographic Census as our source of data, and selected the variables referring to general profile (age, color/race, education), family life ( family structure, position in the family), professional life and income (occupation, income per capita). The study reaffirms phenomena referring to social inequalities which aggravate according with gender and race/color relations, underscoring these differences in terms of access to EI institutions.

Public Policies; Early Childhood Education; Social Inequalities; Women

 

Femmes mères d’enfants de moins de trois ans: conditions de vie

Ce texte dresse le profil de femmes qui résident à l´etat de São Paulo et qui sont mères d´enfants agés de zero à trois ans. Il compare les mères dont les enfants sont inscrits dans des creches et celles dont les enfants ne le sont pas a fin de discuter le rôle social de ces équipements. Ayant recours au Censo Demográfico [recensement démographique] 2010 ont été choisies des variables rélatives au profil général (âge, race/couleur, niveau de scolarité), à la vie familiale (composition familiale, position dans la famille), à la vie professionnelle et au révenu (profession, révenu per capita). L´étude ratifie que des phénomènes rélatifs aux inegalités sociales sont aggravés par les rapports de genre et de race/couleur et explicite ces diferences en termes d´accés aux institutions de garde d´enfants.

Politiques Publiques; Éducation de La Petite Enfance; Inégalités Sociales; Femmes

 

Mujeres e hijos menores de tres años: condiciones de vida

Este texto presenta el perfil de mujeres residentes en el estado de São Paulo, madres de niños del grupo de edad de cero a tres años, y establece comparación entre aquellas cuyos hijos están matriculados en instituciones de educación infantil –EI– y aquellas en que no lo están, de modo a discutir el papel social de dichas unidades. Se utilizó como fuente de datos el Censo Demográfico de 2010 y se seleccionaron las variables relativas al perfil general (edad, color/raza, escolaridad), vida familiar (condiciones familiares, posición en la familia), vida profesional e ingresos (ocupación, renta per cápita). El estudio reafirma fenómenos relativos a desigualdades sociales que se profundizan en las relaciones de género y raza/color, explicitando tales diferencias en lo que se refiere a acceso a instituciones de EI.

Políticas Públicas; Educación Infantil; Desigualdades Sociales; Mujeres


Palavras-chave


Políticas Públicas; Educação Infantil; Desigualdades Sociais; Mulheres

Texto completo:

PDF (English) PDF

Referências


ÁVILA, B. M.; FERREIRA, V. (Org.). Trabalho remunerado e trabalho doméstico no cotidiano das mulheres. SOS CORPO Instituto Feminista para a Democracia; Instituto Patrícia Galvão – Recife: SOS Corpo, 2014.

BRASIL. Congresso Nacional. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Imprensa Nacional, 1988.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 23 dez. 1996. Brasília, DF, 1996.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 53, de 19 de dezembro de 2006. Dá nova redação aos arts. 7º, 23, 30, 206, 208, 211 e 212 da Constituição Federal e ao art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Brasília, DF, 2006.

BRUSCHINI, M. C.; RICOLDI, A. M. Família e trabalho: difícil conciliação para mães trabalhadoras de baixa renda. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 136, p. 93-123, jan./abr. 2009.

CAMPOS, M. M. Educação e políticas de combate à pobreza. Revista Brasileira de Educação, n. 24, p. 183-191, set./dez. 2003.

CAMPOS, M. M. M. Educação Infantil: conquistas e desafios. In: ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS IBERO-AMERICANOS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA. Reescrevendo a educação. Propostas para um Brasil Melhor. São Paulo: Ática, 2008. p. 91-104. Disponível em: . Acesso em: 30 maio 2014.

CAMPOS, M. M.; COELHO, R.; CRUZ, S. Consulta sobre qualidade da educação infantil: relatório técnico final. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2006.

CAMPOS, M. M.; ROSEMBERG, F.; FERREIRA, I. Creches e pré-escolas no Brasil. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1995.

CAMPOS, M. M. et al. Educação infantil no Brasil: avaliação qualitativa e quantitativa: relatório final. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2010.

CAMPOS, M. M. et al. A gestão da educação infantil no Brasil: relatório final. São Paulo: Fundação Carlos Chagas; Fundação Victor Civita, 2012.

CAMPOS, R. F. “Política pequena” para as crianças pequenas. Experiências e desafios no atendimento das crianças de 0 a 3 anos na América Latina. Revista Brasileira de Educação, v. 17, n. 49, p. 81-236, jan./abr. 2012.

CÔCO, V. Gestão na educação infantil: os processos de escolha dos dirigentes das instituições. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO, 24.; CONGRESSO INTERAMERICANO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 3., 2009. Vitória, ES. Anais... Niterói, RJ: ANPAE, 2009. p. 1-18.

FÜLLGRAF, J. B. G. A infância de papel e o papel da infância. 2001. 141 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001.

HAMMARBERG, T. The convention on the rights of the child and the industrialized countries. In: EKBERG, K.; MJAAVATN, P. E. (Ed.). Children at risk: selected papers. Norway: The Norwegian Centre for Child Research, 1993. p. 296-306.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2013.

KRAMER, S.; NUNES, M. F. Gestão pública, formação e identidade de profissionais de educação infantil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 131, p. 423-454, maio/ago. 1999.

KUHLMANN JR., M. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. 7. ed. Porto Alegre: Mediação, 1998.

KUHLMANN JR., M.; FERNANDES, F. S. Infância: construção social e histórica. In: VAZ, A. F.; MOMM, C. M. (Org.). Educação infantil e sociedade. Questões contemporâneas. Nova Petrópolis, RS: Nova Harmonia, 2012. p. 21-56.

LEONE, E. T. O perfil dos trabalhadores e trabalhadoras na economia informal. Brasília: OIT, 2010. 34 p. Documento de Trabalho nº 3.

MONTALI, L. Desigualdades de gênero no mercado de trabalho e as políticas sociais. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 18., 2012, Águas de Lindoia. Águas de Lindoia: ABEP, 20 a 24 de nov. 2012, p. 1-15.

MONTALI, L. A divisão sexual do trabalho e a desigualdade no mercado de trabalho segundo gênero: implicações para a superação da pobreza. In: CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE ESTUDOS DO TRABALHO, 7., 02-05 de julho 2013, São Paulo. Anais... São Paulo: ALASP, 2013. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2014.

MONTALI, L.; LIMA, M. T. de. Família, pobreza e acesso a programas de transferência de renda nas regiões metropolitanas brasileiras. Revista Brasileira de Estudos Populacionais, São Paulo, v. 25, n. 2, p. 211-231, 2008.

MONTALI, L.; LIMA, M. T. de. A divisão sexual do trabalho e a desigualdade no mercado de trabalho segundo gênero: implicações para a superação da pobreza. In: CONGRESSO LATINOAMERICANO DE ESTUDOS DO TRABALHO: O TRABALHO NO SÉCULO XXI.

MUDANÇAS, IMPACTOS E PERSPECTIVAS, 7., 2013. Campinas, 2 a 5 de julho 2013. Anais... Campinas: NEPP, 2013. p. 1-15.

ROSEMBERG, F. Expansão da educação infantil e processo de exclusão. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 107, p. 7-40, maio/ago. 1999.

SORJ, B. Trabalho e responsabilidades familiares: um estudo sobre o Brasil: relatório final. Rio de Janeiro: UFRJ, 2004.

SORJ, B. Arenas de cuidado nas interações entre gênero e classe social no Brasil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 149, p. 478-491, maio/ago. 2013.

SORJ, B.; FONTES, A.; MACHADO, D. C. Políticas e práticas de conciliação entre família e trabalho no Brasil: issues and policies in Brazil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 132, p. 573-594, set./dez. 2007. Disponível em: . Acesso em: jun. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Financiadores: