A participação de estudantes universitários no trabalho produtivo e reprodutivo

Tania Ludmila Dias Tosta

Resumo


O presente trabalho discute a articulação entre estudo, trabalho e família para estudantes de ensino superior a partir dos resultados de uma pesquisa mais ampla realizada na Universidade Federal de Goiás. Tomando como base uma amostra de 527 estudantes, busca-se caracterizá-los de acordo com seus pertencimentos e posições sociais, além de compreender os usos do tempo e a participação de homens e mulheres no trabalho produtivo e reprodutivo. A análise indica que, apesar de jovens mulheres constituírem a maioria da população universitária, as construções hierárquicas das relações de gênero persistem e a responsabilidade pelos afazeres domésticos ainda é assumida, de forma preponderante, como feminina.

 

The participation of university students in productive and reproductive work

This paper discusses the links among study, work and family for higher education students based on the results of a broader research carried out at the Universidade Federal de Goiás (BR). Based on a sample of 527 students, this work seeks to characterize them according to their sense of belonging and social positions, their use of time and, also, the participation of men and women in productive and reproductive work. The analysis indicates that although young women make up the majority of the population, the hierarchical structures of gender relations persist and the responsibility for domestic work is still overwhelmingly assumed by women.

Higher Education; Gender Relationship; La Bour; Family

 

La participation des étudiants universitaires dans le travail productif et reproductif

Ce travail discute l’articulation entre études, travail et famille pour des étudiants de niveau supérieur et utilise des résultats d’une recherche plus vaste menée à l’Universidade Federal de Goiás. En prenant comme base un échantillon de 527 étudiants, nous avons cherché à les caractériser en fonction de leur appartenance et de leur position sociale. Nous avons, par ailleurs, tenté de comprendre comment ils utilisaient leur temps et quelle était la participation des hommes et des femmes dans le travail productif et reproductif. Cette anlyse indique que, même si les jeunes femmes constituent la majorité de la population universitaire, les constructions hiérarchiques des relations de genre persistent et que la responsabilité pour les tâches domestiques est fondamentalement perçue comme appartenant au domaine féminin.

Enseignement Supérieur; Relations de Genre; Travail; Famille

  

La participación de estudiantes universitários en el trabajo productivo y reproductivo

El presente trabajo discute la articulación entre estudio, trabajo y familia para estudiantes de la educación superior a partir de los resultados de una investigación más amplia realizada en la Universidade Federal de Goiás. Tomando como base una muestra de 527 estudiantes, se busca caracterizarlos de acuerdo a sus pertenencias y posiciones sociales, además de comprender los usos del tiempo y la participación de hombres y mujeres en el trabajo productivo y reproductivo. El análisis indica que, a pesar de que las mujeres jóvenes constituyen la mayoría de la población universitaria, las construcciones jerárquicas de las relaciones de género persisten y la responsabilidad por las tareas domésticas todavía es considerada, de forma preponderante, como femenina.

Enseñanza Superior; Relaciones de Género; Trabajo; Familias

 


Palavras-chave


Ensino Superior; Relações de Gênero; Trabalho; Famílias

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMO, Helena Wendel. Cenas juvenis: punks e darks no espetáculo urbano. São Paulo, SP: Scritta; Anpocs, 1994.

ARAÚJO, Ângela; LOMBARDI, Maria Rosa. Trabalho informal, gênero e raça no Brasil do início do século XXI. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 149, p. 452-477, 2013.

ARTES, Amélia Cristina Abreu; CARVALHO, Marília Pinto de. O trabalho como fator determinante da defasagem escolar dos meninos no Brasil: mito ou realidade? Cadernos Pagu, Campinas, n. 34, p. 41-74, 2010.

ÁVILA, Maria Betânia; FERREIRA, Verônica. Trabalho remunerado e trabalho doméstico no cotidiano das mulheres. Recife: SOS Corpo; São Paulo: Instituto Patrícia Galvão, 2014.

BEZERRA, Heloísa Dias et al. Juventude e política: entre a vontade geral e o abandono do Estado. In: BEZERRA, Heloísa Dias; OLIVEIRA, Sandra (Org.). Juventude no século XXI: dilemas e perspectivas. Goiânia, GO: Cânone, 2013. p. 95-132.

BILAC, Elisabete Dória. Trabalho e família: articulações possíveis. Tempo Social, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 129-145, 2014.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais “Anísio Teixeira” – Inep. Censo da educação superior 2012: resumo técnico. Brasília, DF: Inep, 2014.

BRUSCHINI, Cristina; RICOLDI, Arlene. Revendo estereótipos: o papel dos homens no trabalho doméstico. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 20, n. 1, p. 259-287, 2012.

CARMO, Paulo Sérgio. Juventude no singular e no plural. Cadernos Adenauer, Rio de Janeiro, ano II, n. 6, p. 9-29, 2001.

DUFFY, Mignon. Doing the dirty work: gender, race, and reproductive labor in historical perspective. Gender & Society, Thousand Oaks, v. 21, n. 3, p. 313-336, 2007.

FERES JÚNIOR, João; DAFLON, Verônica. Políticas de igualdade racial no ensino superior. Cadernos do Desenvolvimento Fluminense, Rio de Janeiro, n. 5, p. 31-43, jul. 2014.

FOUGEYROLLAS-SCHWEBEL, Dominique. Trabalho doméstico. In: HIRATA, Helena et al. (Org.). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo, SP: Unesp, 2009. p. 256-262.

FRAGA, Paulo Cesar Pontes; IULIANELLI, Jorge Atílio Silva (Org.). Jovens em tempo real. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

GROPPO, Luís Antonio. Juventude: ensaios sobre a sociologia e história das juventudes modernas. Rio de Janeiro: Difel, 2000.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça: interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 61-73, jun. 2014.

HIRATA, Helena; ZARIFIAN, Philippe. Trabalho. In: HIRATA, Helena et al. (Org.). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo, SP: Unesp, 2009. p. 251-256.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. População jovem no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 1999. (Estudos e pesquisas. Informação demográfica e socioeconômica, n. 3).

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores 2012. Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores 2013. 2. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

KERGOAT, Danièle. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: HIRATA, Helena et al. (Org.). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo, SP: Unesp, 2009. p. 67-75.

KERGOAT, Danièle. Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais. Novos estudos Cebrap, n. 86, p. 93-103, mar. 2010.

KUCHEMANN, Berlindes Astrid. Envelhecimento populacional, cuidado e cidadania: velhos dilemas e novos desafios. Sociedade e Estado, Brasília, v. 27, n. 1, p. 165-180, jan./abr. 2012.

LIMA, Márcia; PRATES, Ian. Desigualdades raciais no Brasil: um desafio persistente. In: ARRETCHE, Marta (Org.). Trajetórias das desigualdades: como o Brasil mudou nos últimos cinquenta anos. São Paulo, SP: Editora Unesp; CEM, 2015. p. 163-189.

MANNHEIM, Karl. O problema da juventude na sociedade moderna. In: MANNHEIM, Karl. Diagnóstico de nosso tempo. Rio de Janeiro: Zahar, 1980. p. 47-72.

SENKEVICS, Adriano Souza; CARVALHO, Marília Pinto de. Casa, rua, escola: gênero e escolarização em setores populares urbanos. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 45, n. 158, p. 944-968, 2015.

TAVARES, Breitner. Na quebrada, a parceria é mais forte: jovens, vínculos afetivos e reconhecimento na periferia. São Paulo, SP: Annablume, 2012.

WAISELFISZ, Júlio Jacobo. Mapa da violência 2015: adolescentes de 16 e 17 anos do Brasil. Rio de Janeiro: Flacso, 2015.

WELLER, Wivian. A atualidade do conceito de gerações de Karl Mannheim. Sociedade e Estado, Brasília, v. 25, n. 2, p. 204-225, maio/ago. 2010.

WELLER, Wivian. Minha voz é tudo o que tenho: manifestações juvenis em Berlim e São Paulo. Belo Horizonte: Humanitas, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.