Educação matemática e ações afirmativas: possibilidades e desafios na docência universitária

Guilherme Henrique Gomes da Silva

Resumo


O propósito deste artigo é refletir sobre concepções de docentes de cursos superiores da área de exatas em relação à implantação e manutenção de ações afirmativas na universidade. Os dados aqui discutidos foram produzidos a partir de entrevistas com docentes e gestores ligados a cursos de matemática e engenharias. Para a análise dos dados, utilizaram-se ferramentas analíticas da análise de conteúdo, tendo como perspectiva teórica o inquérito crítico. Os resultados podem ser resumidos em quatro temas: além de um assistencialismo; singularidades, particularidades e desempenho de estudantes beneficiados por ações afirmativas; a questão da permanência; e valorização dos docentes envolvidos em práticas voltadas para a permanência do estudante beneficiado por ações afirmativas.

 

 

Mathematics education and affirmative actions: possibilities and challenges in higher education teaching

The purpose of this article is to discuss the conceptions of exact science faculty members in relation to the implementation and maintenance of affirmative actions in higher education. Data were produced through interviews with faculty and managers in mathematics and engineering courses, and were organized and analysed using content analysis from the theoretical perspective of critical inquiry. For analysing the data, we used content analysis’ analytical tools, having critical inquiry as theoretical perspective. Results can be summarized in four themes: assistentialism; affirmative action students’ singularities, particularities and academic achievement; the permanence issue; and the value given to teachers involved in practices aimed at promoting the permanence of students who were the beneficiaries of affirmative action.

Affirmative Action; Equity; Teachers; Higher Education

 

 


Éducation en mathématiques et actions affirmatives: possibilités et défis de l’enseignement universitaire

L’objectif de cet article est de réfiéchir sur des conceptions des professeurs universitaires dans la filiere des sciences exactes, au sujet de l´introduction et du maintien d’actions affirmatives à l’université. Les données proviennent d’entretiens avec des enseignants et des gestionnaires des cours de mathématiques et d’ingénierie. Pour l’analyse des entretiens on a utilisé l’analyse de contenu dans la perspective théorique de l´enquête critique. Les résultats peuvent se résumer en quatre themes: au delà de l´assistentialisme; les singularités, les particularités et la performance des étudiants bénéficiant d’actions affirmatives; et la valorisation des enseignants engagés dans des pratiques visant la permanence des bénéficiairest d’actions affirmatives.

Action Affirmative; Equity; Enseignant; Enseignement Supérieur

 

 

Educación matemática y acciones afirmativas: posibilidades y desafíos en la docencia universitária  

El propósito de este artigo es reflexionar sobre concepciones de docentes de cursos superiores del área de exactas en relación a la implantación y mantenimiento de acciones afirmativas en la universidad. Los datos aquí discutidos fueron producidos a partir de entrevistas con docentes y gestores vinculados a cursos de matemáticas e ingenierías. Para el análisis de los datos se utilizaron herramientas analíticas del análisis de contenido y se tuvo como perspectiva teórica la indagación crítica. Se puede resumir los resultados en cuatro temas: más allá de un asistencialismo; singularidades, particularidades y desempeño de estudiantes beneficiados por acciones afirmativas; el tema de la permanencia; y valorización de los docentes involucrados en prácticas que se destinan a la permanencia del estudiante beneficiado por acciones afirmativas.

Acción Afirmativa; Equidad; Profesores; Enseñanza Superior

 


Palavras-chave


Ação Afirmativa; Equidade; Professores; Ensino Superior

Texto completo:

PDF PDF (inglês)

Referências


BEZERRA, T. O. C. A política de cotas em universidades e inclusão social: desempenho de alunos cotistas e a sua aceitação no grupo acadêmico. 2011. 187 f. Tese (Doutorado em Educação) –Universidad de La Empresa, Montevideu, 2011.

BOWEN, W. G.; BOK, D. O curso do rio: um estudo sobre a ação afirmativa no acesso à universidade. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Garamond, 2004.

BOWEN, W. G.; KURZWEIL, M. A.; TOBIN, E. M. Equity and excellence in American higher education. Charlottesville e Londres: University of Virginia Press, 2006.

BRASIL. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado Federal, 5 out. 1988.

BRASIL. Presidência da República. Lei 12.711 de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Diário Oficial [da]República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 30 ago. 2012, p. 1.

Disponível em: .

Acesso em: 20 jan. 2014.

BROSTOLIN, M. R.; CRUZ, S. D. F. Educação e sustentabilidade: o porvir dos povos indígenas no ensino superior em Mato Grosso do Sul. Revista Interações, Campo Grande, v. 11, n. 1, p. 33-42,

jan./jun. 2010.

CAMPOS, L. A.; FERES JR., J.; DAFLON, V. T. Administrando o debate público: O Globo e a controvérsia em torno das cotas raciais. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 11, p. 7-31, maio/ago. 2013.

CARVALHO, D. D. A. D. A política de cotas da Universidade Federal do Tocantins: concepção e implicações para a permanência dos estudantes indígenas. 2010. 179 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2010.

CARVALHO, J. J. Ações afirmativas para negros na pós-graduação, nas bolsas de pesquisa e nos concursos para professores universitários como resposta ao racismo acadêmico. In: SILVA, P. B. G. E.; SILVÉRIO, V. R. (Org.). Educação e ações afirmativas. Brasília: Inep, Ministério da Educação, 2003. p. 161-190.

CATANI, A. M.; HEY, A. P. A educação superior no Brasil e as tendências das políticas de ampliação do acesso. Atos de Pesquisa em Educação, Blumenau, v. 2, n. 3, p. 414-429, set./dez. 2007.

CAVALCANTI, I. T. D. N. Análise do diferencial de desempenho entre estudantes cotistas e não cotistas da UFBA pelo propensity score matching. 2015. 158 f. Dissertação (Mestrado em Economia) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2015.

CICALO, A. Nerds and barbarians: race and class encounters through affirmative action in a Brazilian university. Journal of Latin American Studies, v. 44, n. 2, p. 235-260, 2012.

CROTTY, M. The foundations of social research: meaning and perspective in the research process. Thousand Oaks: Sage, 1998.

DAL’BÓ, T. Construindo pontes: o ingresso de estudantes indígenas na UFSCar. Uma discussão sobre “cultura” e “conhecimento tradicional”. 2011. 101 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2011.

DWORKIN, R. A virtude soberana: a teoria e a prática da igualdade. Tradução de Jussara Simões. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

FELICETTI, V. L. Comprometimento do estudante: um elo entre aprendizagem e inclusão social na qualidade da educação superior. 2011. 299 f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

FOLTZ, L. G.; GANNON, S.; KIRSCHMANN, S. L. Factors that contribute to the persistence of minority students in STEM Fields. Planning for Higher Education, v. 42, n. 4, p. 1-13, jul./set. 2014.

FRIES-BRITT, S. L.; YOUNGER, T. K.; HALL, W. D. Lessons from high-achieving students of color in physics. New Directions for Institutional Research, v. 2010, n. 148, p. 75-83, 2010.

GHIRALDELLI JR., P. Filosofia política para educadores: democracia e direito de minorias. Barueri: Manole, 2013.

GOLDEMBERG, J.; DURHAM, E. R. Cotas nas universidades públicas. In: FRY, P. (Org.). Divisões perigosas: políticas raciais no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. p. 167-172.

GUARNIERI, F. V.; MELO-SILVA, L. L. Perspectivas de estudantes em situação de vestibular sobre as cotas universitárias. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 22, n. 3, p. 486-498, 2010.

HASKINS, A. R.; KIRK-SANCHEZ, N. Recruitment and retention of students from minority groups. Physical Therapy, v. 86, n. 1, p. 19-29, 2006.

HRABOWSKI, F. A.; MATON, K. I. Beating the odds: successful strategies to increase African-American male participation in science. In: FRIERSON, H. T.; PEARSON JR., W.; WYCHE, J. H. (Org.). Black American males in higher education: diminishing proportions. Reino Unido: Emerald, 2009. v. 6, p. 207-228.

HRABOWSKI, F. A. et al. Overcoming the odds: raising academically successful African American young women. Nova York: Oxford University Press, 2002.

HURTADO, S. et al. Training future scientists: predicting first-year minority student participation in health science research. Research in Higher Education, v. 49, n. 2, p. 126-152, 2007.

HURTADO, S. et al. Improving the rate of success for underrepresented racial minorities in STEM fields: Insights from a national project. New Directions for Institutional Research, v. 2010, n. 148, p. 5-15, 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira 2013. Rio de Janeiro: IBGE, 2013 (Estudos e Pesquisas: Informação Demográfica e Socioeconômica, n. 32).

KNIJNIK, G. Mathematics education and the Brazilian Landless Movement: three diferente mathematics in the context of the struggle for social justice. In: ERNEST, P.; GREER, B.; SRIRAMAN, B. (Org.). Critical issues in mathematics education. Charlotte: Information Age, 2009. p. 153-170.

LIMA, M. E. O.; NEVES, P. S. D. C.; SILVA, P. B. E. A implantação de cotas na universidade: paternalismo e ameaça à posição dos grupos dominantes. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 19, n. 56, p. 141-163, jan./mar. 2014.

MAGGIE, Y.; FRY, P. O debate que não houve: a reserva de vagas para negros nas universidades brasileiras. Enfoques, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 93-117, 2002.

MATTOS, W. R. D. M.; MACEDO, K. A. S. D.; MATTOS, I. G. D. 10 anos de ações afirmativas na Uneb: desempenho comparativo entre cotistas e não cotistas de 2003 a 2009. Revista da ABPN, Florianópolis, v. 5, n. 11, p. 83-99, jul./out. 2013.

MENDES JR., A. A. F. Uma análise da progressão dos alunos cotistas sobre a primeira ação afirmativa brasileira no ensino superior: o caso da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Ensaio: Avaliação das Políticas Públicas Educacionais, Rio de Janeiro, v. 22, n. 82, p. 31-52, jan./mar. 2014.

MENIN, M. S. D. S. et al. Representações de estudantes universitários sobre alunos cotistas: confronto de valores. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 2, p. 255-272, maio/ago. 2008.

MUSEUS, S. D.; LIVERMAN, D. High-performing institutions and their implications for studying underrepresented minority students in STEM. New Directions for Institutional Research, v. 2010, n. 148, p. 17-27, 2010. DOI: 10.1002/ir.358.

PARK, J. J.; DENSON, N. Attitudes and advocacy: understanding faculty views on racial/ethnic diversity. The Journal of Higher Education, v. 80, n. 4, p. 415-438, jul./ago. 2009.

PINHEIRO, J. S. S. P. Desempenho acadêmico e sistema de cotas: um estudo sobre o rendimento dos alunos cotistas e não cotistas da Universidade Federal do Espírito Santo. 2014. 101 f. Dissertação (Mestrado em Gestão Pública) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2014.

QUEIROZ, D. M.; SANTOS, J. T. D. Ações afirmativas para negros no ensino superior e desempenho de estudantes. In: COSTA, L. F.; MESSEDER, M. L. L. (Org.). Educação, multiculturalismo e diversidade. Salvador: UFBA, 2010. p. 87-99.

RISTOFF, D. O novo perfil do campus brasileiro: uma análise do perfil socioeconômico do estudante de graduação. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 19, n. 3, p. 723-747, nov. 2014.

SANDEL, M. Justiça: o que é fazer a coisa certa. Tradução de Heloísa Matias e Maria Alice

Máximo. 13. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

SANTOS, D. B. R. Para além das cotas: a permanência de estudantes negros no ensino superior como política de ação afirmativa. 2009. 214 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

SCHWARTZMAN, S. A questão da inclusão social na universidade brasileira. In: PEIXOTO, M. D. C. L.; ARANHA, A. V. (Org.). Universidade pública e inclusão social: experiência e imaginação. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008. p. 23-43.

SEIFFERT, O. M. L. B.; HAGE, S. M. Políticas de ações afirmativas para a educação superior no Brasil: da intenção à realidade. In: BITTAR, M.; DE OLIVEIRA, J. F.; MOROSINI, M. C. (Org.). Educação superior no Brasil: 10 anos pós-LDB. Brasília, DF: Inep, 2008. p. 137-162.

SEYMOUR, E.; HEWITT, N. M. Talking about leaving: why undergraduates leave the sciences. Boulder, CO: WestView, 2000.

SILVA, G. H. G. Equidade no acesso e permanência no ensino superior: o papel da educação matemática frente às políticas de ações afirmativas para grupos sub-representados. 2016. 359 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Rio Claro, 2016.

SILVA, G. H. G.; POWELL, A. B. Microagressões no ensino superior nas vias da educação Matemática. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, San Juan de Pasto, Colômbia, v. 9, n. 3, p. 44-76, 2016.

SILVA, G. H. G.; SKOVSMOSE, O. Affirmative actions in terms of rights and social justice. In: SILVA, G. H. G. Equidade no acesso e permanência no ensino superior: o papel da educação matemática frente às políticas de ações afirmativas para grupos sub-representados. 2016. 359 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Rio Claro, 2016. p. 156-174.

SILVA, P. B.; SILVA, P. D. Representações sociais de estudantes universitários sobre cotas na universidade. Fractal: Revista de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, p. 525-542, abr. 2012.

TERENZINI, P. T. et al. The transition to college: diverse students, diverse stories. Research in Higher Education, v. 35, n. 1, p. 57-73, 1994.

WELLER, W.; SILVEIRA, M. Ações afirmativas no sistema educacional: trajetórias de jovens negras da Universidade de Brasília. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 16, n. 3, p. 931-947, set./dez. 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.