Gênero e cuidado em políticas: salas de acolhimento do Projovem urbano

Mary Garcia Castro, Miriam Abramovay

Resumo


O artigo analisa uma política de inclusão social, a saber, as Salas de Acolhimento e sua relação com o Projovem Urbano (Programa Nacional de Inclusão de Jovens). Discutimos que tal política remete ao debate contemporâneo sobre a economia do cuidar, em especial quanto à recorrência a uma força de trabalho feminina a baixo custo, que mobilizaria afetos e serviços similares aos domésticos, ou seja, “trabalho de mulher”, mas com singularidades próprias, já que envolve também preocupações com profissionalização, via educação infantil. O presente estudo baseia-se em pesquisas realizadas em 15 municípios brasileiros, entre 2013 e 2015, sobre as Salas de Acolhimento, que atendem a crianças de zero a oito anos, filhos de jovens estudantes do Projovem Urbano, facilitando sua participação nesse programa. Conjugam-se análises empíricas com debates contemporâneos sobre economia do cuidar e gênero.

 

Gender and care in social inclusion policies: welcome rooms of the urban projovem project

This article analyzes a social inclusion policy, the Welcome Rooms policy, and its relationship with the Urban Projovem program (National Youth inclusion program). Such a policy refers back to the present debate on the care economy, particularly as regards the participation of cheap female workforce that would involve affects and services akin to domestic ones, dubbed as “women’s work, albeit with specific characteristics since it also involves the issue of professionalization via children’s education. This study is based on research undertaken in 15 Brazilian municipalities, between 2013 and 2015, which deals with Welcome Rooms for the children (aged 0 to 8) of the Urban Projovem students, in order to facilitate their participation in the program. It combines empirical analysis and the current discussions on care economy and gender.

Public Policy; Child Care; Projovem Urbano; Social inclusion

 

Genre et care dans les politiques d’inclusion sociale: salles d’accueil do Projovem urbano

Cet article analyse la politique d’inclusion sociale des Salles d’Accueil et son rapport avec le Projovem Urbano [Programa Nacional de Inclusão de Jovens]. Cette politique remet au débat contemporain sur l´économie du care, surtout en ce qui concerne le récours à une main d´oeuvre féminine à bas coût qui mobilise des affects et des services semblables aux services domestiques, c´est à dire un “travail de femmes” avec des specificités puis qu’il comprend un souci avec la professionalisation par moyen de l´ éducation des enfants. Cette étude se base sur des recherches entreprises dans 15 communes brésiliennes, entre 2013 et 2015, concernant les Salles d’Accueil qui desservent les enfants agés de 0 à 8 ans des jeunes étudiants du Projovem Urbano a fin dé faciliter la participation de ces derniers dans le programme. Ce travail articule analyses empiriques et débats contemporains sur l’économie de care et de genre.

Politique publique; Soins à l’enfant; Projovem Urbano; L’inclusion sociale

 

Género y cuidado en políticas: salas de acogida del Projovem urbano

El artículo analiza una política de inclusión social, a saber, las Salas de Acogida y su relación con el Projovem Urbano (Programa nacional de Inclusión de Jóvenes). Discutimos que tal política remite al debate contemporáneo sobre la economía del cuidar, en especial en lo que se refiere a la recurrencia a una fuerza de trabajo femenina de bajo costo, que movilizaría afectos y servicios similares a los domésticos, es decir, “trabajo de mujer”, pero con singularidades propias, ya que también implica preocupaciones con profesionalización, vía educación infantil. El presente estudio se basa en investigaciones realizadas en 15 municipios brasileños, entre el 2013 y el 2015, sobre las Salas de Acogida, que atienden a niños de 0 a 8 años, hijos de jóvenes estudiantes del Projovem Urbano, facilitando su participación en dicho programa. Se conjugan análisis empíricos con debates contemporáneos sobre la economía del cuidar y género.

Políticas públicas; Cuidado del Niños; Projovem Urbano; La inclusión social


Palavras-chave


Políticas Públicas; Cuidados com a Criança; Projovem Urbano; Inclusão Social

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, Clara; SCALON, Celi. Percepções e atitudes de mulheres e homens sobre a conciliação entre família e trabalho pago no Brasil. In: ARAUJO, Clara; SCALON, Celi (Org.). Gênero, família e trabalho no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2005. cap. 1, p. 15-77.

BRASIL. Decreto n. 6.629, de 04 de novembro de 2008.

Regulamenta o Programa Nacional de Inclusão de Jovens – Projovem, instituído pela Lei n. 11.129, de 30 de junho de 2005, e regido pela Lei n. 11.692, de 10 de junho de 2008, e dá outras providências. Brasília, DF: Casa Civil, 2008a.

BRASIL. Decreto n. 7.649, de 21 de dezembro de 2011. Altera o Decreto n. 6.629, de 04 de novembro de 2008, e dá outras providências. Brasília, DF: Casa Civil, 2011a.

BRASIL. Lei n. 11.692, de 10 de junho de 2008. Dispõe sobre o Programa Nacional de Inclusão de Jovens – Projovem... Brasília, DF: Casa Civil, 2008b.

BRASIL. Ministério da Educação. Nota Técnica n. 001. Brasília, DF: MEC/Secadi, 2012a.

BRASIL. Ministério da Educação. Projovem Urbano 2012. Brasília, DF: MEC/Secadi, 2012b. Disponível em: . Acesso em: 2 fev. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CD/FNDE n. 60, de 09 de novembro de 2011. Brasília, DF: MEC/FNDE, 2011b.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução n. 54, de 21 de novembro de 2012. Estabelece os critérios e as normas para a transferência automática de recursos financeiros aos estados, ao Distrito Federal e aos municípios com cem mil ou mais habitantes, para o desenvolvimento de ações do Programa Nacional de Inclusão de Jovens – Projovem Urbano, para entrada de estudantes em 2013.

Brasília, DF: MEC, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2015.

CASTRO, Mary Garcia; CARVALHO, Ana Maria Almeida; MOREIRA, Lucia Vaz de Campos (Org.). Dinâmica familiar do cuidado: afetos, imaginário e envolvimento dos pais na atenção aos filhos. Salvador: Edufba, 2012.

DUARTE, Marisa Ribeiro Teixeira. Palavras de jovens sobre o Projovem: estudos com egressos e a formação de pesquisadores em avaliação de programas educacionais. Belo Horizonte: Escritório de História, 2009.

FIGUEIREDO, Luiz Claudio Mendonça. As diversas faces do cuidar: novos ensaios de psicanálise contemporânea. 1. ed. São Paulo: Escuta, 2009.

GIDDENS, Anthony. A transformação da intimidade: sexo, amor e erotismo nas sociedades modernas. São Paulo: Editora Unesp, 1993.

GONÇALVES DA FONSECA, Rosilaine. Como estudar se não tenho com quem deixar meus filhos? Um estudo sobre as salas de acolhimento do Projovem Urbano. 2014. 163 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

GUIMARAES, Nadya Araújo. Casa e mercado, amor e trabalho, natureza e profissão. Controvérsias sobre o processo de mercantilização do trabalho de cuidar. Cadernos Pagu, Campinas, n. 46, p. 59-77, jan./abr. 2016.

GUIMARAES, Nadya Araujo; HIRATA, Helena; SUGITA, Kurumi. Cuidado e cuidadoras: o trabalho de care no Brasil, França e Japão. Sociologia & Antropologia, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 151-180, jul. 2011. Disponível em: /cuidado%20e%20genero/8-ano1v1_artigo_nadyaguimaraes-helena-hirata-kurumi-sugita.pdf>. Acesso em: 2 nov. 2016.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça: interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempos Sociais: Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 26, n. 1, 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2016.

HIRATA, Helena; GUIMARAES, Nadya Araújo. Cuidado e cuidadoras: as várias faces do trabalho do care. São Paulo: Atlas, 2012.

ILLOUZ, Eva. Saving the modern soul: therapy, emotions and the culture of self-help. Berkeley and Los Angeles, California: University of California Press, 2008.

JELIN, Elizabeth. Pan y afectos: la transformación de las familias. Buenos Aires: Fondo de Cultura Econômica de Argentina, 2006.

KISHIMOTO, Tizuko Mochida. Brinquedos e materiais pedagógicos nas escolas infantis. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 27, n. 2, p. 229-245, jul./dez. 2001.

LAPA SANTO, Tatiane Rabelo; PANIZZOLO, Claudia. O brincar, o brinquedo e a brinquedoteca: um balanço acerca da presença/ausência da concepção infância/criança na produção acadêmica. Horizontes, Bragança Paulista, v. 31, n. 2, p. 77-88, jul./dez. 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2015.

LORENZONI, Ionice. Programa permitirá a jovens concluir o ensino fundamental. Maio de 2013. Disponível em: .

Acesso em: 26 jan. 2015.

MEYER, Dagmar Elisabeth Estermann. Cuidado e diferença: da integralidade à fragmentação do ser. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 22, n. 2, p. 21-30, jul. 2001. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2016.

MORAES, Maria Lygia Quartim de. A estrutura contemporânea da família. In: COMPARATO, Maria Cecília Mazzilli; MONTEIRO, Denise de Souza Feliciano (Org.). A criança na contemporaneidade e a psicanálise: família e sociedade: diálogos interdisciplinares. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2001. v. 1, p. 17-25.

NOVAES, Regina Célia Reyes; CARA, Daniel; MOREIRA, Danilo. Palavras finais. In: BRASIL. Conselho Nacional da Juventude. Política Nacional de Juventude: diretrizes e perspectivas. São Paulo: Conselho Nacional de Juventude; Fundação Friedrich Ebert, 2006. p. 130-133.

SAMARA, Eni de Mesquita. O que mudou na família brasileira? Da colônia à atualidade. Psicologia USP, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 27-48, 2002.

SOARES, Ângelo. As emoções do care. In: HIRATA, Helena; GUIMARAES, Nadya Araújo. Cuidado e cuidadoras: as várias faces do trabalho do care. São Paulo: Atlas, 2012. p. 44-60.

TORN, Teresa. El trabajo y el cuidado: cuestiones teóricometodológicas desde la perspectiva de género. Empiria: Revista de Metodología de Ciencias Sociales, n. 15, p. 53-73, enero/jun. 2008.

YIN, Robert. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

ZELIZER, Viviana. A economia do care. In: HIRATA, Helena; GUIMARAES, Nadya Araújo. Cuidado e cuidadoras: as várias faces do trabalho do care. São Paulo: Atlas, 2012. p. 15-28.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Financiadores: