Criacionismo: transformações históricas e implicações para o ensino de ciências e biologia

Luís Fernando Marques Dorvillé, Sandra Lúcia Escovedo Selles

Resumo


Ao longo das últimas décadas, um número crescente de comunidades evangélicas e adventistas tem defendido o criacionismo em nosso país. Este artigo se propõe a examinar as matrizes identitárias desse movimento, suas transformações ao longo do tempo e a influência de seus discursos na sociedade, em particular no ensino de ciências e biologia. Sugere-se que o enfrentamento dessa situação deva envolver práticas que contribuam para uma melhor compreensão da atividade científica, enfatizando a relevância da sua abordagem na formação inicial. É destacada ainda a importância de atividades didáticas capazes de promover um ambiente de respeito pelas diferentes visões de mundo ao mesmo tempo em que trabalham o conhecimento transmitido pela ótica do estranhamento, desabilitando zonas de conforto.

 

 


Palavras-chave


Ensino de Ciências; Biologia; Criacionismo; Religião

Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, Michael. Evolution versus Creationism in Education. Educational Policy, n. 22, p. 327-335, 2008.

ARMSTRONG, Karen. Em nome de Deus: o fundamentalismo no judaísmo, no cristianismo e no islamismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENSINO DE BIOLOGIA; ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS. Carta aberta. Rio de Janeiro: SBEnBio, ABRAPEC, 24 nov. 2014. Disponível em: . Acesso em: 14 abr. 2016.

BRANCH, Glenn; SCOTT, Eugenie. Manobras mais recentes do criacionismo. Scientific American Brasil, n. 81, p. 82-89, 2009.

CANDAU, Vera Maria. Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. In: CANDAU, Vera Maria (Org.). Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009. p. 154-173.

COBERN, William. Comments and Criticism. Point: belief, understanding, and the teaching of evolution. Journal of Research in Science Teaching, n. 31, p. 583-590, 1994.

COBERN, William. Worldview theory and conceptual change in science education. Science Education, n. 80, p. 579-610, 1996.

CUNHA, Luiz Antônio. Autonomização do campo educacional: efeitos do e no campo religioso. Revista Contemporânea de Educação, v. 1, n. 2, p. 1-15, 2006. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2016.

CUNHA, Magali do N. A Explosão Gospel. Um olhar das Ciências Humanas sobre o cenário evangélico no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007. 231p.

DORVILLÉ, Luís Fernando M. Religião, escola e ciência: conflitos e tensões nas visões de mundo de alunos de uma licenciatura em ciências biológicas. 2010. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2010.

FERREIRA, Nilson Cândido. Evolucionismo e criacionismo: aspectos de uma polêmica. 2008. Tese (Doutorado) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

FONSECA, Lana Cláudia de Souza. Quem somos? De onde viemos? Para onde vamos? Religião e ciência encontram-se nas aulas de ciências na escola pública. Ciência em Tela, n. 1, p. 1-11, 2008.

GOULD, Stephen Jay. Pilares do tempo: ciência e religião na plenitude da vida. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.

LARSON, Edward. Trial and error: the American controversy over creation and evolution. New York: Oxford University Press, 2003.

LAUDAN, Larry. Some problems facing intuitionist meta-methodologies. Synthese, n. 67, v. 1, p. 115-129, 1986.

LICATTI, Fábio. O ensino de evolução biológica no nível médio: investigando concepções de professores de biologia. 2005. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2005.

MARANDINO, Martha; SELLES, Sandra E.; FERREIRA, Marcia S. Ensino de biologia: histórias e práticas em diferentes espaços educativos. São Paulo: Cortez, 2011.

MARTINS, Maurício Vieira. De Darwin, de caixas-pretas e do surpreendente retorno do “criacionismo”. História, ciências, Saúde, n. 8, p. 739-756, 2001.

MATZKE, Nicholas. The evolution of creationist movements. Evolution: education and outreach, n. 3, v. 2, p. 145-162, 2010.

MAYR, Ernst. Uma ampla discussão: Charles Darwin e a gênese do moderno pensamento evolucionário. Ribeirão Preto: Funpec, 2006.

MENDONÇA, Antônio Gouvêa. Evolução histórica e configuração atual do protestantismo no Brasil In: MENDONÇA, A. G.; VELASQUES FILHO, P. Introdução ao Protestantismo no Brasil. São Paulo: Loyola, 2002. p. 11-59.

MOORE, Randy. Creationism in the United States: the aftermath of the scopes trial. The American Biology Teacher, n. 60, p. 568-577, 1998.

MOORE, Randy. The revival of creationism in the United States. Journal of Biological Education, n. 35, p. 17-21, 2000.

MOORE, Randy. The lingering impact of the scopes trial on high school Biology textbooks. Bioscience, n. 51, p. 790-796, 2001.

MORTIMER, Eduardo Fleury. Construtivismo, mudança conceitual e ensino de ciências: para onde vamos? Investigações em Ensino de ciências, n. 1, p. 20-39, 1996.

NOVAES, Regina Reyes. Pentecôtisme à la brésilienne: des controverse en cours. Archive de sciences sociales des religions, n. 105, p. 125-143, 1999.

NUMBERS, Ronald. Darwinism comes to America. Massachusetts: Harvard University Press, 1998.

NUMBERS, Ronald. The creationists: from scientific creationism to intelligent design. Massachusetts: Harvard University Press, 2006.

PARKER, Franklin. Why the evolution/creation battle rages: what educators can do. Morgantown: West Viriginia University, out. 1981. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2016.

RAZERA, Júlio César Castilho; NARDI, Roberto. Ética no ensino de ciências: atitudes e desenvolvimento moral nas controvérsias. In: RAZERA, Júlio César Castilho; NARDI, Roberto (Org.). Educação em ciências: da pesquisa à prática docente. São Paulo: Escrituras, 2001. p. 41-56.

RUSE, Michael. The evolution-creation struggle. Massachusetts: Harvard University Press, 2006.

RUTHVEN, Malise. Fundamentalism: a very short introduction. Oxford: Oxford University Press, 2007.

SCHÜNNEMAN, Haller Elinar Stach. O papel do “criacionismo científico” no fundamentalismo protestante. Estudos de Religião, n. 35, p. 64-86, 2008.

SCOTT, Eugenie C. Antievolution and Creationism in the United States. Annual Review of Anthropology, n. 26, p. 263-289, 1997.

SCOTT, Eugenie C. Evolution versus creationism: an introduction. Los Angeles: University of California Press, 2004.

SCOTT, Eugenie C. Creationism and evolution: it’s the American Way. Cell, n. 124, p. 449-451, 2006.

SCOTT, Eugenie C. Cans and Can’ts of teaching evolution. Oakland: National Center for Science Education, 17 out. 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2016.

SCOTT, Eugenie C.; MATZKE, Nicholas. Biological design in science classrooms. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, n. 104, Suppl. 1, p. 8669-8676, 2007.

SEPULVEDA, Cláudia de Alencar Serra; EL-HANI, Charbel Niño. Ensino de evolução: uma experiência na formação inicial de professores de biologia. In: TEIXEIRA, P. M. M.; RAZERA, J. C. C. (Org.). Ensino de ciências: pesquisas e pontos em discussão. Campinas: Komedi, 2009. p. 21-45.

SEPULVEDA, Cláudia de Alencar Serra; EL-HANI, Charbel Niño. Quando visões de mundo se encontram: religião e ciência na trajetória de formação de alunos protestantes de uma Licenciatura em Ciências Biológicas. Investigações em Ensino de Ciências, n. 9, p. 137-175, 2004.

SOUZA, Sandro de. A goleada de Darwin: sobre o debate criacionismo/darwinismo. Rio de Janeiro: Record, 2009.

TEIXEIRA, Pedro. Ensino de evolução e religiosidade dos estudantes: reflexões sobre a prática pedagógica. Revista da Associação Brasileira de Ensino de Biologia, n. 7, p. 6161-6172, 2014.

TEIXEIRA, Pedro; ANDRADE, Marcelo. Entre as crenças pessoais e a formação acadêmica: como professores de biologia que professam fé religiosa ensinam evolução? Ciência & Educação, n. 20, p. 297-313, 2014.

TIDON, Rosana; LEWONTIN, Richard C. Teaching evolutionary biology. Genetics and Molecular Biology, n. 27, p. 124-131, 2004.

VEIGA, Edison; BRANDÃO, Raquel. Teoria da evolução não é incompatível com fé, diz papa. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 28 out. 2014.

WILLIAMS, Robert. Scientific creationism: an exegesis for a religious doctrine. American Anthropologist, New Series, n. 85, p. 92-102, 1983.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.