Rupturas paradigmáticas e novas interfaces entre educação e saúde

Giovanni Gurgel Aciole

Resumo


A partir de sua experiência de trabalho com a educação em saúde, o autor discute as novas demandas da saúde que requerem profissionais críticos e reflexivos, competentes para o trabalho em equipe colaborativa e interdisciplinar. No contexto de ruptura paradigmática da formação profissional, em que o processo ensino-aprendizagem é assumido como construção social, se centra no protagonismo do aluno, e se estrutura pelos pressupostos de processo colaborativo, interacional e coletivo, exigindo a revisão dos papéis dos professores diante das novas funções educacionais. Demandas que incluem o uso de tecnologia computacional em ambientes virtuais de ensino-aprendizagem. Ao final, considera essas inovações e demandas como potenciais interfaces de políticas de formação de profissionais de saúde.

Palavras-chave: Tecnologia Educacional; Ensino a Distância; Educação; Saúde

 

Paradigmatic ruptures and new interfaces between education and health

Abstract

Based on his experience working with health education, the author discusses the new health demands that require critical and reflective professionals, able to work in a collaborative and interdisciplinary team. In the paradigmatic rupture context of vocational training, in which the teaching - learning process is assumed as a social construction, the focus is on the role of the student, and the former is structured by the collaborative process of assumptions, interactional and collective. This demands a revision of teachers’ roles in view of the new educational functions. These demands include the use of computer technology in virtual teaching – learning environments. Finally, these innovations and demands are considered as potential interfaces regarding training policies of health professionals.

Keywords: Educational technology; Education; Distance Education; Health

 

Ruptures paradigmatiques et nouvelles interfaces entre éducation et santé

Résumé

A partir de son expérience de travail en éducation, l’auteur discute les nouvelles demandes dans le domaine de la santé de professionnels critiques, réflexifs et compétents, aptes à travailler en equipe collaborative et interdisciplinaire. Dans un contexte de rupture paradigmatique de la formation professionnelle, le processus d’enseignement-apprentissage conçu comme une construction sociale, s´oriente vers le protagonisme de l’élève et se structure à partir des présupposés du processus collaboratif, interactionnel et collectif, ce qui exige une révision du rôle des professeurs quant à leurs nouvelles fonctions éducatives. Ces demandes passent par l’inclusion de la technologie informatique dans les environnements virtuels de l’enseignement-apprentissage. En effet, ces innovations et demandes doivent être considérées comme des interfaces potentielles en ce qui concerne la formation des professionnels de la santé.

Mots clés: Technologie de L’éducation; Enseignement à Distance; Éducation; Santé

 

Rupturas paradigmáticas y nuevas interfaces entre educación y salud

Resumen

A partir de su experiencia de trabajo con educación en salud, el autor discute las nuevas demandas de salud, que requieren profesionales críticos y reflexivos, competentes para el trabajo en equipo de forma colaborativa e interdisciplinaria. En el ámbito de ruptura paradigmática de la formación profesional, el processo de enseñanza-aprendizaje se asume como construcción social, se centra en el protagonismo del alumno y se estructura por medio de los presupuestos de proceso colaborativo, interactivo y colectivo, y ello exige la revisión de los roles de los profesores frente a las nuevas funciones educacionales. Tales demandas incluyen el uso de tecnología computacional en ambientes virtuales de enseñanza aprendizaje. Al final, considera dichas innovaciones y demandas como potenciales interfaces de políticas de formación de profesionales de salud.

Palabras clave: Tecnología de La Educación; Enseñanza a Distancia; Educación; Salud


Palavras-chave


Tecnologia Educacional; Ensino a Distância; Educação; Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

ANZIEU, D. O grupo e o inconsciente: o imaginário grupal. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1993.

AUSUBEL, D. P.; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Psicologia educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1998.

AZEVEDO, W. Capacitação de recursos humanos para educação a distância. Rio de Janeiro: Armazém Digital, 2005. Disponível em: . Acesso em: 6 maio 2006.

AZEVEDO, W. Comunidades virtuais precisam de animadores da inteligência coletiva. [entrevista s/d]. Disponível em: . Acesso em: 6 maio 2009.

BARROS, M. E. B. Desafios ético-políticos para a formação dos profissionais de saúde: transdisciplinaridade e integralidade. In: PINHEIRO, R.; CECCIM, R. B.; MATTOS, R. A. (Org.). Ensinar saúde: a integralidade e o SUS nos cursos de graduação na área da saúde. Rio de Janeiro: IMS/UERJ, Cepesq Abrasco, 2006. p. 131-152.

BLEGER, J. Temas de psicologia: entrevista e grupo. São Paulo: Martins fontes, 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria 1996, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para implementação da Política Nacional de Educação Permanente para o SUS. Brasília: MS/GM, 2007.

CAMPOS, G. W. S. Clínica e saúde coletiva compartilhadas: teoria paidéia e reformulação ampliada do trabalho em saúde. In: CAMPOS, G. W. S. et al. (Coord.). Tratado de saúde coletiva. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: Fiocruz, 2007. p. 41-80.

CAMPOS, G. W. S.; DOMITTI, A. C. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cadernos de Saúde Pública, v. 23, n. 2, p. 399-407, 2007.

CECCIM, R. B.; CARVALHO, I. M. Ensino da saúde como projeto de integralidade: a educação dos profissionais de saúde no SUS. In: PINHEIRO, R.; CECCIM, R. B.; MATTOS, R. A. (Org.) Ensinar saúde: a integralidade e o SUS nos cursos de graduação na área da saúde. Rio de Janeiro: IMS/UERJ, Cepesq Abrasco, 2006. p. 69-92.

DELORS, J. et al. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a Unesco. Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. 4. ed. São Paulo: Cortez; Brasília: MEC/Unesco, 2000.

DEMO, P. Educar pela pesquisa. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

DRISCOLL, M. P.; VERGARA, A. Nuevas tecnologías y su impacto en la educación del futuro. Pensamiento Educativo, n. 21, p. 25-37, 1997.

FREIRE, P. Educação como prática de liberdade. 20. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1991.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 28. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

FREIRE, P. Educação e mudança. 24. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

GUIZARDI, F. L. et al. A formação dos profissionais orientada para a integralidade e as relações político-institucionais na saúde: uma discussão sobre a interação ensino-trabalho. In: PINHEIRO, R.; CECCIM, R. B.; MATTOS, R. A. (Org.) Ensinar saúde: a integralidade e o SUS nos cursos de graduação na área da saúde. Rio de Janeiro: IMS/UERJ, Cepesq Abrasco, 2006. p. 153-178.

GUTIERREZ, F.; PRIETO, D. A mediação pedagógica: educação a distância alternativa. Campinas: Papirus, 1994.

KENSKI, V. M. Processos de interação e comunicação mediados pelas tecnologias. In: ROSA, D.; SOUZA V. (Org.) Didática e práticas de ensino: interfaces com diferentes saberes e lugares formativos. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

KENSKI, V. M. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas: Papirus, 2012.

LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. São Paulo: 34, 1994.

MORAN, J. M. et al. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2002.

MORIN, E. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. São Paulo: Cortez, 2002.

OKADA, A. L. P. Educação online. São Paulo: Loyola, 2003.

PEDUZI, M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Rev. Saúde Pública, v. 35, n. 1, p. 103-109, 2001.

PICHON-RIVIÈRE, E. O processo grupal. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

RIBEIRO, A. Sistema de apoio ao aluno em cursos à distância: opção ou exigência? Dissertação (Mestrado) – Universidade Nacional de Educação a Distância da Espanha, 2003.

SABINA, E. M.; MAURA, V. G.; PÉREZ, M. G. Experiencias en el apoyo a la formación de profesores de la educación superior. Rev. Invest e Innov Educ., n. 30, p. 63-77, jan./abr. 2002.

SANTOS, H.; REZENDE, F. Formação, mediação e prática pedagógica do Tutor-Orientador em ambientes virtuais construtivistas. Tecnologia Educacional, v. 31, p. 157-158, abr./set. 2002.

TEDESCO, J. C. Los pilares de la educación del futuro. Rev. Col. de Sociologia, n. 25, p. 11-23, 2005. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Financiadores: