Currículo, conhecimento e transmissão cultural: contribuições para uma teorização pedagógica contemporânea

Roberto Rafael Dias da Silva

Resumo


O artigo examina os estudos contemporâneos sobre a constituição dos currículos escolares, bem como os processos de seleção dos conhecimentos a serem ensinados, buscando ponderar a relevância e a urgência de produzirmos uma reflexão crítica sobre os modos de transmissão cultural mobilizados nas diferentes cenas pedagógicas. Para tanto, inscreve essa problematização no âmbito dos estudos curriculares, indicando as maneiras pelas quais se atribui centralidade ao conceito de conhecimento escolar. Serão revisados três pensadores sociais do século XX: Émile Durkheim, Antonio Gramsci e Hannah Arendt. Em condições teóricas diferenciadas, partindo de pressupostos argumentativos divergentes, os pensadores assinalam a relevância social e política da tarefa da transmissão cultural na escola.

 


Palavras-chave


Cultura; Conhecimentos; Teoria da Educação; Currículos.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 2005.

BIESTA, Gert. Para além da aprendizagem: educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

BOLÍVAR, Antonio. Ciudadanía y escuela pública en el contexto de diversidad cultural. Revista Mexicana de Investigación Educativa, Cidade do México, n. 20, p. 15-38, 2004.

COMENIUS, Jan Amós. Didática magna. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

DUBET, François. Crisis de la transmisión y declive de la institución. Política y Sociedad, Madri, v. 47, n. 2, p. 15-25, 2010.

DURKHEIM. Emile. Educação e sociologia. São Paulo: Melhoramentos, 1978.

DUSSEL, Inés. A transmissão cultural assediada: metamorfoses da cultura comum na escola. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 137, p. 351-365, 2009.

DUSSEL, Inés. Es el curriculum relevante en la cultura digital? Debates y desafíos sobre la autoridad cultural contemporánea. Archivos Analíticos de Políticas Educativas, Tempe, v. 22, n. 24, p. 1-26, 2014.

DUSSEL, Inés; CARUSO, Marcelo. A invenção da sala de aula: uma genealogia das formas de ensinar. São Paulo: Moderna, 2003.

FORQUIN, Jean-Claude. Saberes (organização dos). In: VAN ZANTEN, Agnès (Coord.). Dicionário de educação. Petrópolis: Vozes, 2011. p. 714-719.

GABRIEL, Carmen Teresa; CASTRO, Marcela. Conhecimento escolar: objeto incontornável da agenda política educacional contemporânea. Educação em Questão, Natal, v. 45, n. 31, p. 82-110, 2013.

GALIAN, Cláudia; SAMPAIO, Maria das Mercês. Conhecimento escolar na escola de tempo integral. In: SILVA, Roberto Rafael Dias da (Org.). Currículo e docência em políticas de ampliação da jornada escolar. Porto Alegre: Evangraf, 2014. p. 11-28.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere: v. 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

HARLE, Isabelle. Quelle place pour une sociologie des savoirs dans la formation des enseignants? Formation et Pratiques d'Enseignement en Questions, Neuchâtel, n. 10, p. 33-45, 2009.

LIBÂNEO, José Carlos. O dualismo perverso na escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28, 2012.

LIMA, Licínio. Aprender para ganhar, conhecer para competir: sobre a subordinação da educação na “sociedade da aprendizagem”. São Paulo: Cortez, 2012.

MARRERO, Adriana. La otra “jaula de hierro”: del fatalismo de la exclusion a la recuperación del sentido de lo educativo – una mirada desde la sociología. Sociologias, Porto Alegre, n. 29, p. 128-150, jan./abr. 2012.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola: uma questão pública. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

MOREIRA, Antonio Flavio B. Lendo Stella: um mote para pensar o fundamental na escola de ensino fundamental. Revista da Faeeba – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 19, n. 34, p. 193-205, 2010.

MOREIRA, Antonio Flavio B. Currículo e gestão: propondo uma parceria. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, São Paulo, v. 21, n. 80, p. 547-562, 2013.

NARODOWSKI, Mariano. Después de classe: desencantos y desafios de la escuela actual. Buenos Aires: Novedades Educativas, 1999.

RATKE, Wolfgang. Escritos sobre a nova arte de ensinar de Wolfgang Ratke (1571-1635): textos escolhidos. Apresentação, tradução e notas de Sandino Hoff. Campinas: Autores Associados, 2008. (Clássicos da Educação).

SACRISTÁN, José Gimeno. O que são os conteúdos de ensino? In: SACRISTÁN, José Gimeno; PÉREZ GOMEZ, Angel. Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artmed, 1998. p. 149-195.

SACRISTÁN, José Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SANTOS, Lucíola. Currículo em tempos difíceis. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 45, p. 291-306, 2007.

SIBILIA, Paula. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

SILVA, Roberto Rafael Dias da. Políticas de constituição do conhecimento escolar para o ensino médio no Rio Grande do Sul: uma analítica de currículo. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 30, n. 1, p. 127-156, 2014.

SILVA, Roberto Rafael Dias da. Políticas curriculares para o ensino médio no Rio Grande do Sul e a constituição de uma docência inovadora. Educação Unisinos, São Leopoldo, v. 19, n. 1, p. 68-76, 2015.

SIMONS, Maarten; MASSCHELEIN, Jan. “Se nos hace creer que se trata de nuestra libertad”: notas sobre la ironía del dispositivo de aprendizaje. Pedagogía y Saberes, Bogotá, n. 38, p. 93-102, 2013.

STRECK, Danilo. Qual o conhecimento que importa? Desafios para o currículo. Currículo sem Fronteiras, Porto Alegre, v. 12, n. 3, p. 8-24, 2012.

TIRAMONTI, Guillermina. La escuela en la encrucijada del cambio epocal. Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 92, p. 889-910, 2005.

YOUNG, Michael. Para que servem as escolas? Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 101, p. 1287-1302, 2007.

YOUNG, Michael. Education, globalisation and the ‘voice of knowledge’. Journal of Education an Work, Birmingham, v. 22, n. 3, p. 193-204, 2009.

YOUNG, Michael. Teoria do currículo: o que é e por que é importante. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 44, n. 151, p. 190-202, 2014.

YOUNG, Michael; MULLER, Johann. Three educational scenarios for the future: lessons from the sociology of knowledge. European Journal of Education, Londres, v. 45, n. 1, p. 11-27, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.