Referentes e critérios para a ação docente

Vandré Gomes da Silva, Patrícia Cristina Albieri de Almeida, Bernardete Angelina Gatti

Resumo


O estudo apresentado neste artigo teve por objetivo a construção de parâmetros categoriais que pudessem nortear e fundamentar processos de formação inicial ou continuada de professores, bem como apoiar o acompanhamento e a avaliação da ação docente em uma perspectiva formativa. O suporte para tanto veio da contribuição de professores atuantes em vários níveis e áreas, além de coordenadores pedagógicos e de formadores de professores de cursos de licenciatura. A ideia norteadora da investigação foi encaminhar a problemática proposta a partir da realidade do trabalho nas escolas para a consubstanciação de referentes sobre a ação docente observada em seus vários aspectos, a fim de conceituar os elementos básicos que a distinguem como uma atuação profissional qualificada.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Palavras-chave


Formação de Professores; Referentes de Ação Docente; Profissionalização Docente

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


AZANHA, José Mário Pires. Uma reflexão sobre didática. In: AZANHA, José Mário Pires. Educação: alguns escritos. São Paulo: Nacional, 1987. p. 70-77. (Atualidades pedagógicas; 135).

AZANHA, José Mário Pires. Cultura escolar brasileira: um programa de pesquisa. In: AZANHA, José Mário Pires. Educação: temas polêmicos. São Paulo: Martins Fontes, 1995. p. 67-78.

AZANHA, José Mário Pires. Proposta pedagógica e autonomia da escola. Cadernos de Filosofia e História da Educação, São Paulo, v. 2, n. 4, p. 11-21, 1998.

BASTOS, Alice Beatriz B. Izique. A técnica de grupos-operativos à luz de Pichon-Rivière e Henri Wallon. Psicólogo in-formação, São Paulo, ano 14, n. 14, p. 160-169, jan./dez. 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 9.394, de 20 de dez. 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2014.

CARNIEL, Isabel Cristina. Possíveis intervenções e avaliações em grupos operativos. Revista da SPAGESP, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 38-45, jul./dez. 2008.

CARVALHO, José Sérgio F. A identidade do pedagogo: agente institucional de ensino. In: IDENTIDADE do pedagogo. São Paulo: FE/USP, 1996. p. 16-26. (Estudos e documentos, 36).

CARVALHO, José Sérgio F. Construtivismo: uma pedagogia esquecida da escola. Porto Alegre: Artmed, 2001.

CARVALHO, José Sergio F. Reflexões sobre educação, formação e esfera pública. Porto Alegre: Artmed, 2013.

GATTI, Bernardete Angelina. (Org.). O trabalho docente: avaliação, valorização, controvérsias. Campinas, SP: Autores Associados; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2013.

GATTI, Bernardete Angelina; BARRETTO, Elba S. S. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: Unesco, 2009.

GAYOTTO, Maria Leonor. Conceitos básicos que facilitam a compreensão do início de um grupo. Artigo referente ao curso de especialização em coordenação de grupos operativos do Instituto Pichon-Rivière. [S.l.: s.n.], 1992. Fotocopiado.

HIRST, Paul. What is a teaching? In: PETERS, Richard Stanley (Org.). The Philosophy of Education. Oxford: Oxford University, 1973.

MAISONNEUVE, Jean. La Psychologie Sociale. Paris: PUF, 1965.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola: uma questão pública. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

MUNARI, Denize Bouttlet; RODRIGUES, Antonia Regina Furegato. Enfermagem e grupos. Goiânia: AB, 1996.

NOVAES, Gláucia Torres F. Padrões de desempenho na avaliação e profissionalização docente. In: GATTI, Bernardete A. (Org.). O trabalho docente: avaliação, valorização, controvérsias. Campinas, SP: Autores Associados; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2013.

OSÓRIO, Luiz Carlos. Grupos, teoria e prática: acessando a era da grupalidade. Porto Alegre: Artmed, 2000.

PASSMORE, John. The Phylosophy of Teaching. London: Duckworth, 1984.

PETERS, R. S. Richard Stanley. Educação como iniciação. In: ARCHAMBAULT, Reginald D. (Org.). Educação e análise filosófica. São Paulo: Saraiva, 1979. p. 101-130.

PICHON-RIVIÈRE, Enrique. O processo grupal. São Paulo: Martins Fontes, 1994.PICHON-RIVIÈRE, Enrique. Teoria do vínculo. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

ROLDÃO, Maria do Céu. Profissionalidade docente em análise: especificidades dos ensinos superior e não superior. Nuances: estudos sobre educação, Presidente Prudente, SP, ano 11, v. 12, n. 13, jan./dez. 2005.

RYLE, Gilbert. The concept of mind. Chicago: University of Chicago, 2002.

SCHEFFLER, Israel. A linguagem da educação. São Paulo: Saraiva, 1974.

SILVA, Vandré Gomes. Qualidade na educação e a ideia de uma formação pública. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 90, n. 226, p. 547-570, set./dez. 2009.

SILVA, Vandré Gomes; ALMEIDA, Patrícia C. A. Ação docente e profissionalização: referentes e critérios para formação. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2015. (Textos FCC: Relatórios Técnicos v. 44).

SILVA, Vandré Gomes; MORICONI, Gabriela M.; GIMENES, Nelson A. S. Uso de resultados dos alunos em testes padronizados na avaliação docente: esclarecendo o debate. In: GATTI, Bernardete Angelina (Org.). O trabalho docente: avaliação, valorização, controvérsias. Campinas, SP: Autores Associados; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2013. p. 71-108.

TORRECILLA, Murillo. Evaluación del desempeño y carrera profesional docente: un estúdio comparado entre 50 países de América y Europa. Santiago do Chile: Orealc/Unesco, 2006.

VIGOTSKY, Lev Semenovich. Obras escogidas. Madrid: Ministerio de Educación y Ciencia, 1990. v. I.

WALLON, Henry. A evolução psicológica da criança. Lisboa: Edições 70, 1968.

WALLON, Henry. Do acto ao pensamento. Lisboa: Moraes Editores, 1979.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.