Agruras dos avaliadores: em busca de qualidade na pesquisa em educação

Marcos Villela Pereira, Magda Floriana Damiani

Resumo


 

O objetivo do ensaio é pautar algumas consequências do produtivismo a que a comunidade acadêmica tem sido compelida, nos últimos anos. Mais particularmente, vamos tecer considerações e fazer ponderações em torno de dois episódios de avaliação de trabalhos científicos no campo da educação. Após delinear breve preâmbulo, procedemos a análise, pontuando ideias e dilemas passíveis de debate. Concluímos ponderando a abertura ao outro como exercício em que experimentamos a nossa própria tomada de posição simetricamente à tomada de posição do outro, como prática de negociação. A pluralidade de ideias é pressuposto fundamental e consideramos avaliador e leitor um par agônico que se pauta por argumentos plausíveis: ambos precisam se reconhecer na legitimidade das suas posições e, por isso, não se trata de avançar na direção do aniquilamento mútuo, mas do reconhecimento de que cada um constitui o outro não como adversário, mas como par, legítimo e razoável.

 

 

 


Palavras-chave


Produção Técnico-Científica; Análise Crítica; Pesquisa Educacional; Agonismo

Texto completo:

PDF

Referências


ALCADIPANI, R. Resistir ao produtivismo: uma ode à perturbação acadêmica. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 9, n. 4, dez. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-39512011000400015&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 03 mar. 2015.

ANDRÉ, M. Questões sobre os fins e sobre os métodos de pesquisa em Educação. Revista Eletrônica de Educação. São Carlos, SP, v. 1, n. 1, p. 119-131, set. 2007. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2015.

CABRAL, S.; LAZZARINI, S. G. Internacionalizar é preciso, produzir por produzir não é preciso. Organização & Sociedade, Salvador, v. 18, n. 58, p. 541-542, jul./set., 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1984-92302011000300011&script=sci_arttext. Acesso em: 02 mar. 2015.

DAMIANI, M. F.; BECK, F. L.; CASTRO, R. F. A preocupação com a metodologia de pesquisa está fora de moda? Análise de trabalhos apresentados em um evento da área da educação. Revista Perspectiva, Florianópolis, v. 28, n. 1, p. 227-246, jan./jun. 2010.

DE LA FARE, M.; MACHADO, F. V.; CARVALHO, I. C. M. Breve revisão sobre regulação da ética em pesquisa: subsídios para pensar a pesquisa em educação no Brasil. Práxis Educativa, v. 9, p. 247-283, 2014. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2015.

DINIZ, E. Ética e bom senso contra o produtivismo. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 53, n. 4, ago. 2013. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2015.

FONSECA, C. Que ética? Que ciência? Que sociedade? In: FLEISCHER, S.; SCHUCH, P. (Org.). Ética e regulamentação na pesquisa antropológica. Brasília: Letras Livres; Editora da UnB, 2010, p. 39-70.

GATTI, B. A. Implicações e perspectivas da pesquisa educacional no Brasil contemporâneo. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 113, p. 65-80, 2001.

GODOI, C.; XAVIER, W. O produtivismo e suas anomalias. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2015.

KESSELRING, T. Responsabilização ameaçada: sobre falar “bobagem” em educação. Educação, Porto Alegre, v. 37, n. 3, p. 435-440, set./dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2015.

KUHLMANN JR., M. Publicação em periódicos científicos: ética, qualidade e avaliação da pesquisa. Cadernos de Pesquisa, v. 44, n. 151, p.16-32, jan./mar. 2014. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2015.

MACHADO, A. M. N.; BIANCHETTI, L. (Des)fetichização do produtivismo acadêmico: desafios para o trabalhador-pesquisador. RAE - Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 51, n. 3, p. 244-254, maio/jun. 2011. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2015.

MENEGHINI, R. Publicação de periódicos nacionais de ciência em países emergentes. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 28, n. 2, jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2015.

MINAYO, M. Apresentação. In: GUERREIRO, I.; SCHMIDT, M.; ZICKER, F. (Org.). Ética nas pesquisas em ciências humanas e sociais na saúde. São Paulo: Aderaldo & Rothschild, 2008. p. 13-18.

MORAES, R. O plágio na pesquisa acadêmica: a proliferação da desonestidade intelectual. Diálogos Possíveis, Salvador, n. 1, p. 91-109, jan./jul. 2004.

MOUFFE, C. Agonistics: thinking the world politically. Londres: Verso, 2013.

PEREIRA, M. V. A escrita acadêmica – do excessivo ao razoável. Revista Brasileira de Educação, v. 18, n. 52, p. 213-244, jan./mar. 2013. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2015.

REINACH, F. Darwin e a prática da “Salami Science”. Revista de Ciências Médicas e Biológicas, Salvador, v. 12, fev. 2014. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2015.

SEVERINO, A. J. Dimensão ética da investigação científica. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 9, n. 1, jan./jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2015.

SPINAK, E. Ética editorial e o problema do plágio. SciELO em Perspectiva. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2015.

SPINK, P. K.; ALVES, M. A. O campo turbulento da produção acadêmica e a importância da rebeldia competente. Organização & Sociedade, Salvador, v. 18, n. 57, p. 337-343, abr./jun. 2011. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2013.

TREIN, E.; RODRIGUES, J. O canto de sereia do produtivismo científico: o mal-estar na Academia e o fetichismo do conhecimento-mercadoria. Universidade & Sociedade, Brasília, v. 20, n. 47, p. 122-132, fev. 2011.

TULESKI, S. A necessária crítica a uma ciência mercantilizada: a quem servem

o publicismo, o citacionismo e o lema “publicar ou perecer”? Psicol. Estud., v. 17, n. 1, p. 1-4, 2012.

VASCONCELOS, S. Integridade em pesquisa e o papel institucional: the time has come! SciELO em Perspectiva. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2014.

VILAÇA, M.; PEDERNEIRA, I. Assim é, se lhe parece: “em-cena-ação” científica num país fictício em tempos de publicar ou perecer... mas bem que poderia ser no Brasil. Revista Interface: Comunicação, Saúde e Educação, Botucatu, v. 17, n. 44, p. 235-41, jan./mar. 2013.

WARDE, M. J. A Produção discente dos programas de pós-graduação em educação no Brasil (1982-1991): avaliação e perspectivas. In: ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO. Avaliação e perspectivas na Área de educação 1982-91. Porto Alegre: ANPEd, CNPq, 1993.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.