Gênese de uma escola católica e estratégias femininas no Maranhão novecentista

Maria Aparecida Corrêa Custódio

Resumo


   O artigo apresenta os contextos de criação da Escola Santa Teresinha, a instituição particular mais antiga de Imperatriz (MA), fundada pelas capuchinhas brasileiras em sintonia com seus diretores espirituais italianos. O projeto alinhavava-se à Reforma da Igreja Católica e favorecia sua política de fomentar a adesão dos fiéis e recrutar novas gerações pela via da educação escolar. Decorreu de um momento crucial para as mulheres religiosas: processo de autonomia administrativa de sua congregação, o que lhes permitiu utilizar estratégias para expandir seus trabalhos. Em termos mais amplos, o presente estudo aponta que, a partir desse campo de observação, se veem vestígios da construção de uma rede educacional organizada pela Igreja no interior maranhense, suprindo a ação do Estado e implantando escolas elementares com fins religiosos.


Palavras-chave


História da Educação; Escola Católica; Mulheres; Educação

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Edelvira Marques de Moraes. A caminhada histórica da Escola Santa Terezinha. In: CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS MISSIONÁRIAS CAPUCHINHAS. Escola “Santa Teresinha”: 60 anos de vida (1924-1984). Imperatriz, 1984.

BEOZZO, José Oscar. A Igreja do Brasil no Concílio Vaticano II: 1959-1965. São Paulo: Paulinas, 2005.

BEOZZO, José Oscar et al. Tecendo memórias, gestando futuro: história das Irmãs Negras e Indígenas Missionárias de Jesus Crucificado (MJC). São Paulo: Paulinas, 2009.

BRANDÃO, Carlos Alberto. Facebook: depoimentos de ex-alunos. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2014.

CASTILHO, Utilia Rodrigues. Irmãs missionárias capuchinhas: uma história de amor (feita de luzes e sombras) 1904-2004. Fortaleza: Congregação das Irmãs Capuchinhas, 2004.

CERTEAU, Michel de. A cultura no plural. 6. ed. Campinas: Papirus, 2010.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 16. ed. Petrópolis: Vozes, 2009. v. 1.

CÓDIGO DE DIREITO CANÔNICO. 4. ed. rev. Lisboa: Conferência Episcopal Portuguesa, 1983. Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2013. Versão portuguesa.

COMBLIN, José. Situação histórica do catolicismo no Brasil. Revista Eclesiástica Brasileira, Rio de Janeiro, v. 37, n. 142, set. 1976.

CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS MISSIONÁRIAS CAPUCHINHAS. Revista do Centenário das IMC. Fortaleza, 2004.

CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS MISSIONÁRIAS CAPUCHINHAS. Subsídios históricos. Fortaleza, 1976. Mimeografado.

CRUZ, Mariléia dos Santos; ANJOS, Pâmela D. C. da Silva dos; RIBEIRO, Fernanda Sena. Ação missionária capuchinha no sul do Maranhão: escolarização como instrumento de expansão da fé católica. In: CRUZ, Mariléia dos Santos (Org.). História da educação de Imperatriz: textos e documentos. Imperatriz: Ética, 2012.

CUSTÓDIO, Maria Aparecida Correa. A invenção do cotidiano feminino: formação e trajetória de uma congregação católica. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2014.

DEBESSE, Maurice A. Renascença. In: DEBESSE, Maurice A.; MIALARET, Gaston (Org.). Tratado das ciências pedagógicas: história da pedagogia. São Paulo: Nacional; Edusp, 1977. v. 1.

EBY, Frederik. História da educação moderna. Porto Alegre: Globo, 1962.

FERNANDES, Henrique Costa. Administrações maranhenses: 1822-1929. 2. ed. São Luís: Instituto Geia, 2003.

GINZBURG, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

HILSDORF BARBANTI, Maria Lucia Spedo. Escolas americanas de confissão protestante na Província de São Paulo: um estudo de suas origens. 1977. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1977.

HILSDORF BARBANTI, Maria Lucia Spedo. O aparecimento da escola moderna: uma história ilustrada. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

LANGLOIS, Claude. Le catholicisme au féminin. Les congrégations françaises à supérieure générale au XIXe siècle. Paris: Les Editions du Cerf, 1984.

LEONARDI, Paula. Além dos espelhos: memórias, imagens e trabalhos de duas congregações católicas. São Paulo: Paulinas, 2010.

LIVRO de tombo da Escola Santa Teresinha: 1926-1945. Imperatriz: s.d. v. 1. Manuscrito.

LIVRO de tombo da Escola Santa Teresinha: 1946-1961. Imperatriz: s.d. v. 2. Manuscrito.

LIVRO de tombo da Escola Santa Teresinha: 1961-1978. Imperatriz: s.d. v. 3. Manuscrito.

LIVRO de tombo da Paróquia Santa Teresa D’Ávila: 1920-1937. Imperatriz: s.d. Cópia digitada.

LIVRO de Tombo do Instituído de Índios de Barra do Corda: 1901-1915. Barra do Corda: s.d. v.1. Manuscrito.

LIVRO de visitantes da Escola Santa Teresinha: 1937-1966. Imperatriz: s.d. Manuscrito.

MANACORDA, Mario Alighiero. História da educação: da Antiguidade aos nossos dias. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1989.

NEMBRO, Metódio. Frei João Pedro: missionário capuchinho superior e fundador. Tradução de Antônio Angonese. Fortaleza, 1998. v. 1.

NEMBRO, Metódio. I cappuccini nel Brasile: missione e custodia del Maranhão (1892-1956). Milano: Centro Studi Cappuccini Lombardi, 1957.

NEMBRO, Metódio. São José de Grajaú: primeira prelazia do Maranhão. Fortaleza: Edições A Voz de São Francisco, 1955.

PARAIBA. Igreja de Paranaíba (PI). Século XX. Fotos históricas.

ROSADO-NUNES, Maria José F. Freiras no Brasil. In: DEL PRIORE, Mary. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 1997.

SILVA, José Nilson Oliveira; CASTRO, Gisilda Maria Pereira de (Org.). Escola Santa Teresinha: 80 anos educando vidas. Imperatriz: Ética, 2004.

WERNET, Augustin. A Igreja paulista no século XIX: a reforma de D. Antônio Joaquim de Melo (1851-1861). São Paulo: Ática, 1987.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.