Pesquisa-ação educacional: preocupação temática, análise e interpretação crítico-reflexiva

Elena Maria Mallmann

Resumo


 

Problematizam-se situações-limite metodológicas no âmbito do desenvolvimento de pesquisa-ação como tipologia de pesquisa qualitativa em educação. Apresenta-se proposição de procedimento teórico-metodológico de pesquisa-ação sistematizada em três matrizes cartográficas: Matriz Dialógico-Problematizadora – MDP –; Matriz Temático-Organizadora – MTO –; e Matriz Temático-Analítica – MTA. São destacados exemplos das três matrizes, discutindo passo a passo seu processo de implementação. Sinaliza-se o potencial teórico-metodológico da MDP, MTO e MTA nas etapas de elaboração da preocupação temática, coleta/produção de dados, análise e proposição conceitual (conclusões) em projetos de pesquisa-ação educacional no enfoque da abordagem qualitativa.

 

 

 

 

 


Palavras-chave


Pesquisa Educacional; Pesquisa-ação; Metodologia; Pesquisa Qualitativa

Texto completo:

PDF

Referências


ANGULO RASCO, J. Félix. Investigación-acción y curriculum: una nueva perspectiva en la investigación educativa. Investigación en la Escuela, Sevilha, n. 11, p. 39-49, 1990.

ATWELL, Nedra; MAXWELL, Marge. Virtual programs and assessment in graduate Special Education. In: ANNUAL NATIONAL CONFERENCE OF THE AMERICAN COUNCIL ON RURAL SPECIAL EDUCATION (ACRES), 27., 2007. Montana. Proceedings... Billings, Montana, 2007. Disponível em: . Acesso em: 03 jul. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional da Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP 1 de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, 2002.

CARR, Wilfred; KEMMIS, Stephen. Becoming critical: education, knowledge and action research. London: The Falmer Press, 1986.

CORDENONSI, André Zanki; MÜLLER, Felipe Martins; DE BASTOS, Fábio da Purificação. A matriz dialógica problematizadora como uma estrutura para o exame e a discussão temática de uma disciplina de graduação mediada por tecnologia. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO (SBIE), 19., 2008. Fortaleza. Anais... Fortaleza, 2008. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2014.

CORTESÃO, Luiza. Da necessidade da vigilância crítica em educação à importância da prática de investigação-ação. Revista de Educação, Lisboa, v. 7, n. 1, p. 27-33, 1998.

COSTA, Marisa C. W. A caminho de uma pesquisa-ação crítica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 47-52, jul./dez. 1991.

COUTINHO, Clara Pereira. A qualidade da investigação educativa de natureza qualitativa: questões relativas à fidelidade e validade. Educação Unisinos, São Leopoldo-RS, v. 12, n. 1, p. 5-15, jan./abr. 2008.

DE BASTOS, Fábio da P. Pesquisa-ação emancipatória e prática educacional dialógica. 1995. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Instituto de Física, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.

DICK, Bob. Rigour and relevance in action research. Action Research International Online Journal, 1997. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2014.

DICK, Bob. What is action research? Action Research International Online Journal, 1999. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2014.

DICK, Bob. A beginner’s guide to action research. ARCS Newsletter, v. 1, n. 1, 2000. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2014.

DONCHE, Vincent; VAN PETEGEM, Peter. Action research and open learning: in search of an effective research strategy for educational change. Educational Action Research, v. 12, n. 3, p. 413-431, 2004.

EDWARDS, Anne. Looking at action research through the lenses of sociocultural psychology and activity theory. Educational Action Research, v. 8, n. 1, p. 195-204, 2000.

ELLIOTT, John. What is action research in schools? Journal of Curriculum Studies, Ontário, v. 10, n. 4, p. 351-355, 1978.

ELLIOTT, John. What have we learned from action research in school-based evaluation? Educational Action Research, v. 1, n. 1, p. 175-186, 1993a.

ELLIOTT, John. El cambio desde la investigación-acción. Madrid: Ediciones Morata, 1993b.

ELLIOTT, John. La investigación-acción en educación. Madrid: Ediciones Morata, 1997.

ELLIOTT, John. Recolocando a pesquisa-ação em seu lugar original e próprio. In: GERALDI, Corinta M. G; FIORENTINI, Dario; PEREIRA, Elisabete M. de A. (Org.). Cartografias do trabalho docente: professor(a) pesquisador(a). Campinas, SP: Mercado das Letras, 1998.

FRANCO, Maria A. S. Pedagogia da pesquisa-ação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 483-502, set./dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2014.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1987.

GOLDWASSER, Matthew. A guide to facilitating action research for youth. Philadelphia: Research for Action, 2004.

GORDON, Sue Marquis; EDWARDS, Jennifer, L.; HOLLIE-MAJOR, Ramona D. Benefits and issues arising from a virtual collaborative student-alumni-faculty action research project. In: ANNUAL MEETING AMERICAN EDUCATIONAL RESEARCH ASSOCIATION. San Francisco, 2006. Disponível em: http://www.eric.ed.gov/ERICWebPortal/contentdelivery/servlet/ERICServlet?accno=ED494678>. Acesso em: 21 set. 2010.

GREENWOOD, Davydd J.; LEVIN, Morten. Reconstructing the relationships between universities and society through action research. In: DENZIN, Norman K.; LINCOLN, Yvonna S. (Ed.). Handbook of qualitative research. Thounsand Oaks, CA: Sage, 2000. p. 85-106.

HODSON, Derek; BENCZE, Larry. Becoming critical about practical work: changing views and changing practice through action research. International Journal Science Education, v. 20, n. 6, p. 683-694, 1998.

HUGHES, Ian. Teaching action research on the web. Educational Technology & Society, v. 4, n. 3, p. 64-71, 2001. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2014.

KEMMIS, Stephen; McTAGGART, Robin. Cómo planificar la investigación-acción. Barcelona: Laertes, 1988.

LAMASTER, Kathryn; KNOP, Nancy. Improving web-based instruction: using action research to enhance distance instruction. Educational Action Research, v. 12, n. 3, p. 387-412, 2004.

LEITCH, Ruth; DAY, Christopher. Action research and reflective practice: towards a holistic view. Educational Action Research, v. 8, n. 1, p. 179-193, 2000.

LEWIN, Kurt. Action research and minority problems. Journal of Social Issues, v. 2, n. 4, p. 34-46, 1946.

McMAHON, Tim. Is reflective practice synonymous with action research? Educational Action Research, v. 7, n. 1, p. 163-169, 1999.

McNIFF, Jean. Action research: principles and practice. London: Routledge, 1988.

McTAGGART, Robin. Participatory action research: issues in theory and practice. Educational Action Research, v. 2, n. 3, p. 313-337, 1994.

MION, Rejane A.; SAITO, Carlos H. (Org.). Investigação-ação: mudando o trabalho de formar professores. Ponta Grossa: Planeta, 2001.

MOLINA, Rinaldo. A pesquisa-ação/investigação-ação no Brasil: mapeamento da produção (1966-2002) e os indicadores internos da pesquisa-ação colaborativa. 2007. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação de Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

MONCEAU, Gilles. Transformar as práticas para conhecê-las: pesquisa-ação e profissionalização docente. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 467-482, set./dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: 03 set. 2007.

O’CONNOR, Katherine A.; GREENE, Carol; ANDERSON, Patricia J. Action research: a tool for improving teacher quality and classroom practice. In: ANNUAL MEETING AMERICAN EDUCATIONAL RESEARCH ASSOCIATION (AERA). San Francisco, 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2014.

PENAGOS, Rafael A. La producción de conocimiento en la Investigación Acción Pedagógica (IAPE): balance de una experimentación. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 503-519, set./dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: 03 jun. 2014.

SANKARAN, Shankar. Methodology for an organisational action research thesis. Action Research International, 2001. Online Journal. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2007.

SEGAT, Taciana C.; GRABAUSKA, Claiton J. Para além de uma única teoria – o caminho é a construção conjunta de uma teoria da educação. In: MION, Rejane A.; SAITO, Carlos H. (Org.). Investigação-ação: mudando o trabalho de formar professores. Ponta Grossa: Planeta, 2001. p. 3-148.

SMITH, Bob. Addressing the delusion of relevance: struggles in connecting educational research and social justice. Education Action Research, v. 4, n. 1, 1996.

SMITH, Mark K. Action research: the encyclopedia of informal education. 2007. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2007.

THOMAS-FAIR, Ursula. Annotated observations: field notes and reflections. Education Resources Information Center, 2007. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2007.

TOZONI-REIS, Marília Freitas de Campos. A pesquisa e a produção de conhecimentos: introdução à pesquisa em educação. Curso de pedagogia da Unesp. 2010. Disponível em: Acesso em: 10 out. 2013.

TRIPP, David. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2007.

VIEIRA PINTO, Álvaro. Ciência e existência: problemas filosóficos da pesquisa científica. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

WINTER, Richard. Finding a voice – thinking with others: a conception of action research. Educational Action Research, v. 6, n. 1, p. 53-68, 1998a.

WINTER, Richard. Managers, spectators and citizens: where does “theory” come from in action research? Educational Action Research, v. 6, n. 3, p. 361-376, 1998b.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.