O compartilhamento da educação das crianças pequenas nas instituições de educação infantil

Maria Aparecida Guedes Monção

Resumo


Neste artigo discute-se o compartilhamento, entre famílias e educadores, da educação de crianças pequenas nas instituições de educação infantil. A investigação consistiu em uma pesquisa qualitativa, mediante estudo de caso de cunho etnográfico, realizado no período de 2010 e 2011, em um Centro de Educação Infantil – CEI – da rede municipal de São Paulo, que atende crianças de 0 a 4 anos. Os procedimentos metodológicos conjugaram observação participante, análise documental e entrevista semiestruturada com a equipe do CEI e com as famílias.  Os resultados evidenciaram que a relação entre educadores e familiares é permeada por conflitos, e para a efetivação de uma relação de parceria, é preciso promover ações que garantam um diálogo permanente a respeito da educação coletiva das crianças.


Palavras-chave


Educação Infantil; Relações Escola-Família; Cuidados com a Criança

Texto completo:

PDF

Referências


BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BONDIOLI, Anna; MANTOVANI, Susana (Org.). Manual de educação infantil: de 0 a 3 anos – uma abordagem reflexiva. 9. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.

BONOMI, Adriano. O relacionamento entre educadores e pais. In: BONDIOLI, Anna; MANTOVANI, Susanna. Manual de educação infantil: de 0 a 3 anos. 9. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998. p. 161-172.

BOVE, Chiara. Inserimento: uma estratégia para delicadamente iniciar relacionamentos e comunicações. In: GADINI, Lella; EDWARDS, Carolyn. Bambini: a abordagem italiana à educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2002. p. 134-149.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Parecer CNE/CEB n. 20/2009, aprovado em 11 de novembro de 2009.

Revisão das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF, 2009a. Disponível em: . Acesso em: 6 maio 2013.

BRASIL. Resolução n. 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF, 2009b. Disponível em: . Acesso em: 6 maio 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros nacionais de qualidade para a educação infantil. Brasília, DF: MEC/SEB, 2006. v. 2.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 jul. 1990; retificado em 27 set. 1990. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2013.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2013.

CASTELLO, Maria Tereza Pinho. A questão da sobreposição do papel materno ao papel profissional no contexto da creche: uma investigação baseada na técnica de Grupo Operativo. 1992. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1992.

CORRÊA, Bianca Cristina. Possibilidades de participação familiar e qualidade na educação infantil. 2001.

Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

FORTUNATI, Aldo. A educação infantil como projeto da comunidade: crianças e pais nos novos serviços para a infância e a família: a experiência de San Miniato. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FRANCISCATO, Irene. As famílias das crianças atendidas pela creche segundo a ótica de seus profissionais. 1996. Dissertação (Mestrado em Psicologia da Educação) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1996.

GADINI, Lella; EDWARDS, Carolyn. Bambini: a abordagem italiana à educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2002.

GEIS, Rosa Maria. Criar ou educar crianças: um estudo das representações sociais sobre creche. 1994. Tese (Doutorado em Psicologia da Educação) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1994.

HADDAD, Lenira. A creche em busca de identidade. São Paulo: Loyola, 1993.

KUHLMANN JÚNIOR, Moysés. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

KUHLMANN JÚNIOR. Educação infantil e currículo. In: FARIA, Ana Lúcia Goulart; PALHARES, Marina da Silveira (Org.). Educação infantil pós-LDB: rumos e desafios. Campinas: Autores Associados, 1999. p. 51-66.

MARANHÃO, Damaris Gomes. Saúde e bem-estar das crianças: uma meta para educadores infantis em parceria com familiares e profissionais de saúde. Ago. 2010. Disponível em: . Acesso em: 3 mar. 2013.

MONÇÃO, Maria A. Guedes. Subalternidade ou parceria? Um estudo das representações sociais sobre participação das famílias nas creches. 1999. Dissertação (Mestrado em Psicologia da Educação) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1999.

MONÇÃO, Maria A. Guedes. Gestão democrática na educação infantil: o compartilhamento da educação da criança pequena. 2013.Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

PARO, Vitor Henrique. Qualidade do ensino: a contribuição dos pais. São Paulo: Xamã, 2000.

SILVA, Ana Tereza Gavião Almeida Marques da. A construção da parceria família-creche: expectativas, pensamentos e fazeres no cuidado e educação das crianças. 2011. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

VITÓRIA, Telma. Representações das educadoras sobre as mães e famílias das crianças da creche. 1997. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 1997.

VITÓRIA, Telma; ROSSETTI-FERREIRA, Maria Clotilde. Processos de adaptação na creche. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 86, p. 55-84, ago. 1993.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Financiadores: