De mestres de ensino a formadores de campo no estágio supervisionado

Larissa Cerignoni Benites, Flavia Medeiros Sarti, Samuel de Souza Neto

Resumo


Este artigo apresenta resultados de revisão da literatura nacional e internacional sobre o estágio supervisionado e a figura do professor colaborador que recebe e acompanha a formação de estagiários na escola. Esse professor, formado inicialmente para a docência na educação básica, recebe estagiários em sua classe sem necessariamente contar com orientações sobre como desempenhar essa função formativa. Os estudos considerados revelam que a aprendizagem relativa ao desempenho dessa atividade tem ocorrido nos moldes das escolas de ofício, essencialmente por meio da transmissão de práticas modelares. Essas práticas formativas chocam-se com certas propostas de formação docente que se afirmam no contexto educacional atual, marcado por discursos sobre a profissionalização do magistério.

Palavras-chave


Formação de Professores; Professores; Estágio Supervisionado; Prática de Ensino

Texto completo:

PDF

Referências


ALARCÃO, Isabel. Escola reflexiva e supervisão: uma escola em desenvolvimento e aprendizagem. In: ALARCÃO, Isabel (Org.). Escola reflexiva e supervisão: uma escola em desenvolvimento e aprendizagem. Porto: Porto, 2000. p. 11-24.

ALARCÃO, Isabel. Escola reflexiva e desenvolvimento institucional: que novas funções supervisivas? In: OLIVEIRA-FORMOSINHO, Julia. (Org.). A supervisão na formação de professores I: da sala à escola. Porto: Porto, 2002. p. 217-238.

ALTET, Marguerite. Des tensions entre professionnalisation et universitarisation em formation d´enseignants à leurs articulation: curriculum et transations nécessaires. In: ETIENNE, Richard et al. (Org.). L´université peut-elle vraiment former les enseignants? Bruxelles: De Boeck, 2009. p. 215-232.

ALTET, Marguerite et al. Formateurs d’enseignants, quelle professionnalisation? Bruxelles: De Boeck Université, 2002.

BENITES, Larissa Cerignoni. O professor-colaborador no estágio curricular supervisionado em educação física: perfil, papel e potencialidades. 180f. Tese (Doutorado em Ciência da Motricidade) – Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2012.

BORGES, Cecília. A formação docente em educação física em Quebec: saberes espaços, culturas e agentes. In: ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO – ENDIPE, 14., 2008, Porto Alegre. Trajetória e processos de ensinar e aprender: práticas e didáticas. Anais... Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008. v. 2, p. 147-174.

BOURDONCLE, Raymond. Professionnalisation, formes et dispositifs. Recherche et Formation, Paris, n. 35, p. 117-132, 2000.

BOURDREAULT, Paul; PHARAND, Joanne. L’accompagnement des enseignantes associées. In: BOUTET, Marc; PHARAND, Joanne (Org.). L’accompagnement concerté des stagiaires en enseignement. Quebec: Presse de l’Université du Québec, 2008. p. 5-30.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CP 9 de 8 de maio de 2001. Documenta, Brasília, n. 476, p. 513-562, 2001a.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CP 27 de 2 de outubro de 2001b.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CP 28 de 2 de outubro de 2001c.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP 1, de 18 de fevereiro de 2002. Diário Oficial da União, Brasília, 4 de março de 2002a. Seção 1, p. 8.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP 2, de 19 de fevereiro de 2002. Diário Oficial da União, Brasília, 4 de março de 2002b. Seção 1, p. 9.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 11.788 de 25 de setembro de 2008.

CARVALHO, Marta Maria Chagas de. Modernidade pedagógica e modelos de formação docente. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 14, n. 1, 2000.

CHRISTENSON, Robert; BARNEY, David. Cooperating teachers’ expectations for student teachers during the student teaching experience in physical education. Asian Journal of Physical Education and Recreation, Hong Kong, v. 17, n. 2, p. 6-15, 2011.

CORREA-MOLINA, Enrique. Exploration des ressources du superviseur de stage lors d'entretiens post-observation en classe. 158f. Thèse. Facultés de Sciences d’Éducation. Université de Montréal, Montréal, 2004.

DUBAR, Claude. A socialização: construção de identidades sociais e profissionais. Porto: Porto, 1995.

FERNANDES, Cleoni Maria Barboza. Formação de professor universitário: tarefa de quem? In: MASSETTO, Marcos (Org.). Docência na universidade. Campinas: Papirus, 2003.

FERNANDEZ ENGUITA, Mariano. A ambiguidade da docência: entre o profissionalismo e a proletarização. Teoria e Educação, Porto Alegre, v. 4, p. 41-61, 1991.

FORMOSINHO, João. Academização da formação de professores. In: FORMOSINHO, João (Coord.). Formação de professores: aprendizagem profissional e acção docente. Porto: Porto, 2009. p. 73-92.

GARCIA, Carlos Marcelo. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto, 1998.

GARCIA, Carlos Marcelo. A formação de professores: novas perspectivas baseadas na investigação sobre o pensamento do professor. In: NÓVOA, Antonio (Org.). Os professores e sua formação. Lisboa: D. Quixote, 1999. p. 51-76.

GATTI, Bernardete Angelina; BARRETTO, Elba Siqueira Sá. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: Unesco, 2009.

GAUTHIER, Clermont et al. Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ijuí: Unijuí, 1998.

HARDY, Colin. Sources of conflict during the school experience of pre-service physical education teachers. European Physical Education Review, United Kingdom, v. 3, n. 2, p. 116-128, 1997.

KIST, Liane B. Limites e possibilidades para a implementação de uma proposta de tutoria no desenvolvimento de estágio curricular em cursos de licenciatura. 307p. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2007.

LIMA, Maria do Socorro Lucena. Reflexões sobre o estágio/prática de ensino na formação de professores. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 8, n. 23, p. 195-205, jan./abr. 2008.

MARQUES, Marta Nascimento; KRUG, Hugo Norberto. Os aspectos positivos e negativos sentidos pelos acadêmicos de educação física do CEFD/UFSM. Lecturas: Educación Física y Deportes, Buenos Aires, n. 147, p. 1-6, ago. 2010.

MUTEMERI, Judith; CHETTY, Rajendra. An examination of university-school partnerships in South Africa. South African Journal of Education, Pretoria, v. 31, p. 505-517, 2011.

NEIRA, Marcos Garcia. Proposições para o estágio disciplinar na formação de professores de Educação Física. In: NASCIMENTO, Juarez Vieira; FARIAS, Gelcemar Oliveira (Org.). Construção da identidade profissional em educação física: da formação à intervenção. Florianópolis: Editora da Udesc, 2012. p. 177-202.

NÓVOA. Antonio. The return of teachers. In: PORTUGAL. Ministry of Education. Portugal 2007: Teacher professional development for the quality and equity of lifelong learning. Lisboa, 2008. p. 21-28.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, Julia. Desenvolvimento profissional dos professores. In: FORMOSINHO, João (Coord.). Formação de professores: aprendizagem profissional e acção docente. Porto: Porto, 2009. p. 221-284.

PIMENTA, Selma Garrido. A formação de professores: saberes da docência e identidade. Nuances, Presidente Prudente, v. 3, p. 5-14, 1997.

PIMENTA, Selma Garrido (Org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 2002.

PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria do Socorro Lucena. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2011.

PHARAND, Joanne; BOURDREAULT, Paul. Enseignants associés et superviseurs: perceptions des uns à l’égard des autres et la collaboration réciproque. In: GUILLEMETTE, François; L’HOSTIE, Monique (Org.). Favoriser la progression des stagiaires en enseignement. Quebec: Presse de l’Université du Québec, 2011. p. 121-142.

PORTELANCE, Lilliane; GERVAIS, Colette. L’approche culturelle de l’enseignement selon les savoirs mis en relation par l’enseignant associé et le stagiaire. In: MOLINA-CORREA, Enrique; GERVAIS, Colette (Org.). Les stages en formation à l’enseignement: pratiques et perspectives théoriques. Québec: Université du Québec, 2008. p. 13-36.

RIBEIRO, Deolinda. A supervisão e o desenvolvimento da profissionalidade docente. In: ALARCÃO, Isabel (Org.). Escola reflexiva e supervisão: uma escola em desenvolvimento e aprendizagem. Porto: Porto, 2000. p. 87-96.

RUGIU, Antônio S. A nostalgia do mestre artesão. Campinas: Autores Associados, 1998.

SARTI, Flávia Medeiros. Mestres-de-ensino: um estudo etnográfico sobre a dimensão ética do ofício de formar professores. 2000. 190f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

SARTI, Flávia Medeiros. Parceria intergeracional e formação docente. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 25, n. 2, p. 133-152, 2009.

SARTI, Flávia Medeiros. O triângulo da formação docente: seus jogadores e configurações. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 2, p. 323-338, 2012.

SARTI, Flávia Medeiros. Pelos caminhos da universitarização: reflexões a partir da masterização dos IUFM franceses. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 29, n. 4, p. 215-244, 2013.

SAVIANI, Dermeval. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 40, p. 143-155, 2009.

SOUZA NETO, Samuel; BENITES, Larissa Cerignoni. Perspectivas para o desenvolvimento e construção do Ser-Professor: a educação física em questão. Projeto de extensão – Proex. Rio Claro: Unesp, 2008.

SOUZA NETO, Samuel; SARTI, Flavia Medeiros; BENITES, Larissa Cerignoni. Do ofício de aluno ao habitus profissional docente: desafios do estágio supervisionado. In: ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUDESTE, 10., 2011, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UERJ-Unirio-UFRJ, 2011. p. 1-11.

TARDIF, Maurice. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários. Elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas consequências em relação à formação para o magistério. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 13, p. 5-13, 2000.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

TARDIF, Maurice. A profissionalização do ensino passados trinta anos: dois passos para a frente, três para trás. Educação e Sociedade, Campinas, v. 34, n. 123, p. 551-571, 2003.

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. O trabalho docente. Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis: Vozes, 2005.

VEENMAN, Simon. El proceso de llegar a ser profesor: un análisis de la formación inicial. In: VILLA, Aurelio (Coord.). Perspectivas y problemas de la función docente. Madrid: Narcea, 1988. p. 39-69.

ZEICHNER, Ken. Repensando as conexões entre a formação na universidade e as experiências de campo na formação de professores em faculdades e universidades. Revista Educação, Santa Maria, v. 35, n. 3, p. 479-504, set./dez. 2010.

ZEICHNER, Ken. Políticas de formação de professores nos Estados Unidos: como e por que elas afetam vários países no mundo. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.