A cultura profissional dos grupos de pesquisa nos institutos federais: uma comunidade de práticas?

Vera Lúcia Bueno Fartes

Resumo


Este artigo explora a cultura profissional dos grupos de pesquisa de um importante Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, localizado na região Nordeste do Brasil, considerando os significados que pesquisadores e demais representantes institucionais dos grupos selecionados atribuem aos saberes, poderes e autonomias em suas interações sociais no processo de produção científica, tecnológica e de inovação e a possível emergência de uma comunidade de práticas na referida instituição. Como resultado, a pesquisa sinalizou para o fato de que, embora haja muitos grupos certificados pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq –, são poucos os que desenvolvem, com regularidade, atividades concernentes à prática da pesquisa científica de modo a que se possa configurar uma comunidade reflexiva autônoma, empenhada em pensar sobre si mesma e em suas condições de trabalho e vida acadêmica enquanto pesquisadores e produtores de conhecimento.


Palavras-chave


Pesquisadores; Produção técnico-científica; Cultura profissional

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, Stella L. Implicações à formação e à identidade pedagógica dos professores da educação profissional: sentidos, políticas e práticas. In: FARTES, Vera Lúcia B. (Org.). Formação, saberes profissionais e profissionalização em múltiplos contextos. Maceió: Edufal; Salvador: Edufba, 2008. p. 43-78.

ANDRÉ, Marli. Grupos de pesquisa: formação ou burocratização? Revista de Educação, PUC-Campinas, n. 23, p. 133-138, 2007.

ARAÚJO, Daniel de Magalhães; TAMANO, Luana Tieko Omena. Institutos Federais lutam para criar cultura institucional de pesquisa e pós-graduação. Revista Ensino Superior, n. 14, jul./set. 2014.

BALL, Stephen J. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, São

Paulo, v. 35, n. 126, p. 539-564, set./dez. 2005.

BAUMAN, Zygmunt. Identidade. Entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BECK, John; YOUNG, Michael F. D. Investida contra as profissões e reestruturação das identidades acadêmicas e profissionais. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 135, p. 587-610, 2008.

BERNSTEIN, Basil. A estruturação do discurso pedagógico: classe, códigos e controle. Petrópolis: Vozes, 1996.

BOURDIEU, Pierre. Compreender. In: BOURDIEU, Pierre (Org.). A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 1998.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 1982.

BRASIL. Decreto n. 7.566, de 23 de setembro de 1909. Cria nas capitais dos Estados as Escolas de Aprendizes Artífices para o ensino profissional primário e secundário. Rio de Janeiro, 23 de setembro de 1909, 88º ano da Independência e 21º da República.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1996.

BRASIL. Decreto n. 2.208, de 17 de abril de 1997. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 42 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1997.

BRASIL. Decreto n. 5.154, de 23 de julho de 2004. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2004.

BRASIL. Decreto n. 5.840, de 13 de julho de 2006. Institui, no âmbito federal, o Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – Proeja, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2006.

BRASIL. Lei n. 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 dez. 2008.

BRASIL. Centro Federal de Educação Tecnológica. Resolução n. 6, de 5 de setembro de 2000. Define as diretrizes para as linhas de pesquisa e cria o Comitê Assessor para Assuntos de Ciência e Tecnologia – CACT, o Fundo de Pesquisa e Desenvolvimento – Fundep e o Programa Institucional de Iniciação Científica e Tecnológica – PIICT. Brasília: Cefet, 2000.

BRASIL. Instituto Federal da Bahia. Relatório de Gestão e Plano de Metas, 2009/2013.

CARIA, Telmo H. O uso do conceito de cultura na investigação sobre profissões. Análise Social, n. 189, p. 749-773, 2008.

CARIA, Telmo H. Itinerário de aprendizagens sobre a construção teórica do objecto saber. Etnográfica, v. 11, n. 1, p. 215-250, 2007.

CARIA, Telmo H. Os saberes profissionais técnico-intelectuais nas relações entre educação, trabalho e ciência. In: TEODORO, António; TORRES, Carlos Alberto. Educação crítica & utopia: perspectivas emergentes para o século XXI. São Paulo: Cortez, 2006.

CARIA, Telmo H. Trajectória, papel e reflexividade profissionais: análise comparada e contextual do trabalho técnico-intelectual. In: CARIA, Telmo H. (Org.). Saber profissional. Coimbra: Almedina, 2005.

CARIA, Telmo H. O uso do conhecimento: os professores e os outros. Análise Social, n. 164, p. 805-831, 2002.

CIAVATTA, Maria; RAMOS, Marise. Ensino médio e educação profissional no Brasil: dualidade e fragmentação. Retratos da Escola, Brasília, v. 5, n. 8, p. 27-41, jan./jun. 2011.

DEWEY, John. Experiência e educação. São Paulo: Nacional, 1976.

DEWEY, John. Como pensamos. 3. ed. São Paulo: Nacional, 1959a.

DEWEY, John. Democracia e educação: introdução à Filosofia da Educação. 3. ed. São Paulo: Nacional, 1959b.

DUBAR, Claude. A socialização: a construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FARTES, Vera Lúcia B. A cultura profissional dos grupos de pesquisa nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: saberes, poderes e autonomias em uma comunidade de práticas: um estudo etnográfico. 2013. Relatório de pesquisa enviado ao CNPq, mimeografado.

FARTES, Vera Lúcia B. Escola Técnica Federal da Bahia na memória dos anos de 1970: a construção social da qualificação e da identidade operária. In: FARTES, Vera Lúcia B.; MOREIRA, Virlene C. Cem anos de educação profissional no Brasil: história e memória do Instituto Federal da Bahia (1909-2009). Salvador: Edufba, 2009.

FARTES, Vera Lúcia B. Reforma da educação profissional e crise das identidades pedagógicas e institucionais.

Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 38. n. 135, p. 657-684, 2008.

FARTES, Vera Lúcia B. Modernização tecnológica e formação dos coletivos fabris: um estudo a partir da Escola Técnica Federal da Bahia. 1994. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1994.

FARTES, Vera Lúcia B.; GONÇALVES, Maria de Cássia P. B. Um desafio à construção de novos saberes e novas práticas no trabalho docente: a formação de professores para a educação profissional de jovens e adultos. Práxis Educativa, v. 5, n. 1, p. 47-56, 2010.

FARTES, Vera Lúcia B.; MOREIRA, Virlene C. Cem anos de educação profissional no Brasil: história e memória do Instituto Federal da Bahia (1909-2009). Salvador: Edufba, 2009.

FARTES, Vera Lúcia B.; SANTOS, Adriana Paula Q. O. Saberes, identidade e autonomia na cultura docente na educação profissional e tecnológica. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 143, p. 376-401, maio/ago. 2011.

FERRETTI, Celso João. Formação profissional e reforma do ensino técnico no Brasil: anos 90.

Educação e Sociedade, ano XVIII, n. 59, p. 227-269, ago. 1997.

FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria. A formação do cidadão produtivo: a cultura de mercado no ensino médio técnico. Brasília, DF: Inep, 2006.

FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria; RAMOS, Marise (Org.). Ensino médio integrado:

concepção e contradições. São Paulo: Cortez, 2005.

GIDDENS, Anthony. Risco, confiança e reflexividade. In: BECK, Ulrich; GIDDENS, Anthony; LASH, Scott. Modernização reflexiva. São Paulo: Editora da Unesp, 1997.

GOMES, Luiz Claudio G. As escolas de aprendizes artífices e o ensino profissional na Velha

República. Vértices, Rio de Janeiro, ano 5, n. 3, p. 53-59, set./dez. 2003.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 7. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

KNORR-CETINA, Karin. Epistemic communities. Harvard: Harvard Educational, 1999.

KUENZER, Acacia Z. As mudanças no mundo do trabalho e a educação: novos desafios para a gestão. In: FERREIRA, Naura S. C. (Org.). Gestão democrática da educação: atuais tendências, novos desafios. São Paulo: Cortez, 2001. p. 33-57.

KUENZER, Acacia Z. Ensino de 2º grau: o trabalho como princípio educativo. São Paulo: Cortez, 2000.

KUENZER, Acacia Z. A reforma do ensino técnico e suas consequências. In: II SEMINÁRIO SOBRE REFORMA DO ENSINO PROFISSIONAL. Educação profissional: tendências e desafios. Documento final... Curitiba: SindoCefet/PR, 1999.

KUENZER, Acacia Z. Educação e trabalho no Brasil: o estado da questão. Brasília: Inep; Santiago: Reduc, 1991.

LATOUR, Bruno; WOOLGAR, Steve. A vida de laboratório. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1997. LIMA FILHO, Domingos L. A desescolarização da escola: impactos da reforma da educação profissional (período 1995 a 2002). Curitiba: Torre de Papel, 2003.

MANFREDI, Silvia Maria. Educação profissional no Brasil. São Paulo: Cortez, 2003.

MANFREDI, Silvia Maria. A educação profissional no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

MOLL, Jaqueline et al. A educação profissional e tecnológica no Brasil contemporâneo: desafios, tensões e possibilidades. Porto Alegre: Artmed, 2010.

MOTA, Luzia; BISPO, Andréa. As atividades de ciência, tecnologia e inovação na rede federal: um estudo sobre o perfil das pró-reitorias de pesquisa, pós-graduação e inovação. In: CONNEPI, 7, Palmas, Tocantins, 2012 (Mimeografado).

OTRANTO, Celia Regina. Criação e implantação dos institutos federais de educação, ciência e tecnologia – Ifets. Revista Retta, Seropédica, RJ, n. 1, p. 89-108, jan./jun. 2010.

RIBEIRO, Núbia M. Uma análise dos grupos de pesquisa do Cefet-BA. 2007. Monografia – Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia, 2007.

SCHÖN, Donald A. El professional reflexivo: cómo piensan los profesionales cuando actúan. Barcelona: Paidós, 1998.

SOUZA, Elias R.; RIBEIRO, Núbia M. A produção científica do Instituto Federal da Bahia em revistas de alto impacto. In: FARTES, Vera Lúcia B.; MOREIRA, Virlene C. (Org.). Cem anos de educação profissional no Brasil: história e memória do Instituto Federal da Bahia (1909-2009). Salvador: Edufba, 2010.

VYGOTSKY, Lev Semenovitch. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2005. WENGER, Etienne. Communities of practice: learning, meaning, and identity. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.