Hierarquias de conhecimento e saber profissional

Telmo H. Caria

Resumo


O objectivo deste artigo é fundamentar, do ponto de vista sociológico, a distinção entre os processos sociais e cognitivos que produzem conhecimento em sistemas abstractos de conhecimento – SAC – para gerar desigualdade cultural e os microprocessos de uso do conhecimento, que constroem saber local e cultural com base no senso comum. Circunscreve-se este objectivo a uma problematização do uso do conhecimento desenvolvido pelos grupos profissionais assalariados de classe média, ricos em capital cultural, mas sem capital simbólico equivalente, no âmbito de uma sociedade capitalista de risco. Para esse objectivo, têm-se como base as contribuições clássicas de Pierre Bourdieu, Boaventura Sousa Santos, Donald Schön e Basil Bernstein (entre outros) quanto às limitações do pensamento crítico e reflexivo e virtudes do saber profissional para suportar uma epistemologia da prática profissional.


Palavras-chave


Conhecimento; Saber profissional; Senso comum; Capital cultural

Texto completo:

PDF

Referências


ABBOTT, Andrew. The system of professions: an essay on the division of expert labor. Chicago/

London: The University of Chicago Press, 1988.

BAUMAN, Zygmunt. A vida fragmentada: ensaios sobre a moral pós-moderna. Lisboa: Relógio

D’Água, 2007 [1995].

BERNSTEIN, Basil. Vertical and horizontal discourse: an essay. British Journal of Sociology of

Education, v. 2, n. 20, p. 157-173, 1999.

BERNSTEIN, Basil. Pedagogy, symbolic control and identity: theory, research, critique. London: Taylor & Francis, 1996.

BOURDIEU, Pierre. Science de la science et réflexivité. Cours du Collège de France 2000-2001. Paris: Raisons d’Agir, 2001.

BOURDIEU, Pierre. Mediações pascalianas. Oeiras: Celta, 1998.

BOURDIEU, Pierre. La distintion: critique social du jugement. Paris: Minuit, 1979.

BOURDIEU, Pierre. Esquisse d’une theorie de la pratique. Précédé de trois études d’ethnologie kabyle. Paris/Genève: Droz, 1972.

BOURDIEU, Pierre; CHAMBOREDON, Jean-Claude; PASSERON, Jean-Claude. Le métier de

sociologue: préalables épistémologiques. Paris/La Haye: Monton, 1973.

BOURDIEU, Pierre; WACQUANT, Loïc. Réponses: pour une Anthropologie réflexive. Paris: Seuil, 1992.

CALLEWAERT, Gustave. Bourdieu, crítico de Foucault. Educação, Sociedade e Culturas, n. 19,

p. 131-170, 2003.

CARIA, Telmo H. O uso do método etnográfico no estudo do trabalho e do conhecimento

profissionais. In: TORRES, Leonor; PALHARES, José (Ed.). Metodologias de investigação em Ciências Sociais da Educação. Vila Nova de Famalicão: Húmus, 2014. p. 39-63.

CARIA, Telmo H. O trabalho profissional burocrático: modelo de análise sobre a profissionalização do trabalho social em organizações do sector não lucrativo em Portugal. Dados – Revista de Ciências Sociais, v. 56, n. 4, p. 829-865, 2013.

CARIA, Telmo H. Poder e conhecimento no trabalho profissional baseado nas Ciências Humanas e

Sociais: dados preliminares do projecto Sartpro. In: CARVALHO, Teresa; SANTIAGO, Rui;

CARIA, Telmo H. (Ed.). Grupos profissionais, profissionalismo e sociedade do conhecimento. Porto: Afrontamento, 2012a. p. 59-80.

CARIA, Telmo H. Entrevista a … Telmo Caria. Newsletter SocEd, n. 8, p. 3-6, jan. 2012b. Secção de Sociologia da Educação da Associação Portuguesa de Sociologia.

CARIA, Telmo H. A mobilização de conhecimento em situação de trabalho profissional. Versão revista e ampliada. In: FARTES, Vera; ROSELI, Maria. Currículo, formação e saberes profissionais. Bahia: Edufba, 2010. p. 165-193.

CARIA, Telmo H. O uso do conceito de cultura na investigação sobre profissões. Análise Social, v. 43, n. 4, p. 749-773, 2008a.

CARIA, Telmo H. Revisitar com os professores a cultura profissional 10 anos depois: actualidade de uma perspectiva etnográfica sobre o poder e o conhecimento. In: LIMA, Jorge; PEREIRA, Helder (Org.). Políticas públicas e conhecimento profissional: a educação e a enfermagem em reestruturação. Porto: LivPsic, 2008b. p. 113-132.

CARIA, Telmo H. Itinerário de aprendizagens sobre a construção teórica do objecto saber. Etnográfica, v. 1, n. 11, p. 215-250, 2007a.

CARIA, Telmo H. História, reforma e lucidez em ciência: a reflexividade científica segundo Pierre Bourdieu. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 79, p. 133-149, 2007b.

CARIA, Telmo H. (Ed.). Saber profissional. Coimbra: Almedina, 2005.

CARIA, Telmo H. O uso do conhecimento: os professores e os outros. Análise Social, n. 164, p. 805-831, 2002a.

CARIA, Telmo H. Da estrutura prática à conjuntura interactiva: relendo o “Esboço de uma teoria da

prática de Pierre Bourdieu”. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 64, p. 135-143, 2002b.

CARIA, Telmo H. A cultura profissional dos professores: o uso do conhecimento em contexto de trabalho na conjuntura da reforma educativa nos anos 90. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian;

Fundação para a Ciência e a Tecnologia, 2000.

CARIA, Telmo H. Debater a sociologia da educação em Portugal. Forum Sociológico, n. 6, p. 33-48, 1995. CARIA, Telmo H.; CÉSAR, Filipa; BILTES, Raquel. A profissionalização da sociologia e o uso dualístico das ciências sociais. Configurações, n. 9, p. 15-36, 2012.

CARIA, Telmo H.; PEREIRA, Fernando. O trabalho social profissional no terceiro sector. Viseu:

PsicoSoma, 2014.

CARIA, Telmo H. et al. O sistema de profissões em trabalho social: trabalho de equipa, formação e jurisdição profissional. In: CARIA, Telmo H.; PEREIRA, Fernando. O trabalho social

profissional no terceiro sector. Viseu: PsicoSoma, 2014. p. 151-180.

CALLON, Michel; LATOUR, Bruno. Le grand Léviathan s’apprivoise-t-il? In: AKRICH, Madeleine; CALLON, Michel; LATOUR, Bruno (Ed.). Sociologie de la traduction: textes fondateurs. Paris: Les Presses des Mines de Paris, 2006.

CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX (1998). Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2002 [1998].

COLLINS, Harry. Tacit and explicit knowledge. Chicago: The University of Chicago Press, 2010.

CORREIA, José Alberto. Para uma teoria crítica em educação. Porto: Porto, 1998.

COULTER, Jeff. Mind in action. Cambridge: Polity Press, 1989.

DODIER, Nicolas. Les appuis conventionnels de l’action. Elements de pragmatique

sociologique. Réseaux. Communication – Technologie – Société, v. 11, n. 62, p. 63-85, 1993.

DOMINGOS, Ana Maria et al. A teoria de Bernstein em sociologia da educação. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1986.

DUBAR, Claude. La crise des identités: l’interpretation d’une mutation. Paris: PUF, 2001.

DUBAR, Claude. A socialização: a construção das identidades sociais e profissionais. Porto: Porto, 1997.

DUBET, François. Le déclin de l’institution. Paris: Seuil, 2001.

EVANS, Jonathan St. B. History of the dual process theory of reasoning. In: MANKTELOW, Ken

I.; CHUNG, Man C. (Ed.). Psychology of reasoning: theoretical and historical perspectives. Hove:

Psychology Press, 2004. p. 241-266.

EVANS, Jonathan St.; FRANKISH, Keith. In two minds: dual processes and beyond. Oxford:

Oxford University Press, 2009.

FABIANI, Jean-Louis. Les règles du champ. In: LAHIRE, Bernard (Org.). Le travail sociologique de Pierre Bourdieu: dettes et critiques. Paris: La Découverte & Syros, 2001. p. 75-91.

GEERTZ, Clifford. Ici et lá-bas. L’antropologue comme auteur. Paris: Métaillié, 1996 [1988].

GOODY, Jack. Entre l’óralité et l’écriture. Paris: Presses Universitaires de France, 1993.

GOODY, Jack. A domesticação do pensamento selvagem. Lisboa: Presença, 1988 [1977].

ITURRA, Raúl. Fugirás à escola para trabalhar a terra: ensaios de antropologia social sobre o

insucesso escolar. Lisboa: Escher, 1990.

KARMILOFF-SMITH, Annette. Beyond modularity: a developmental perspective on cognitive

sciences. Cambridge: MIT Press, 1996.

LAHIRE, Bernard. Champs, hors-champ, contrechamp. In: LAHIRE, Bernard (Ed.). Le travail

sociologique de Pierre Bourdieu. Paris: La Découvertte & Syros, 2001. p. 23-57.

LAHIRE, Bernard. L’homme pluriel: les ressorts de l’action. Paris: Nathan, 1998.

LAVE, Jean. A selvajaria da mente domesticada. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 46,

p. 109-134, 1996.

LAVE, Jean; CHAIKLIN, Seth. Understanding practice: perspectives on activity and context.

Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

MADUREIRA-PINTO, José. Exigências da ruptura com o senso comum nas ciências sociais:

reavaliação do problema. In: MADUREIRA-PINTO, José. Propostas para o ensino das ciências sociais. Porto: Afrontamento, 1994. p. 113-129.

MADUREIRA-PINTO, José; ALMEIDA, João F. Da teoria à investigação empírica: problemas

metodológicos gerais. In: MADUREIRA-PINTO, José; SILVA, Augusto S. (Ed.). Metodologia das ciências sociais. Porto: Afrontamento, 1987. p. 55-78.

MADUREIRA-PINTO, José; ALMEIDA, João F. A investigação nas ciências sociais. Lisboa: Presença, 1980.

NUNES, João A. Teoria crítica, cultura e ciência: os espaços e os conhecimentos da globalização.

In: SANTOS, Boaventura de S. (Ed.). Globalização: fatalidade ou utopia? Porto: Afrontamento,

p. 299-337.

QUIVY, Raymond; CAMPENHOUDT, Luc V. Manual de investigação em ciências sociais. Lisboa: Gradiva, 1998.

REBER, Arthur S. Implicit learning and tacit knowledge. Oxford: Oxford University Press, 1993.

REICH, Robert B. O trabalho das nações. Lisboa: Quetzal, 1996.

REYNOSO, Carlos (Comp.). El surgimiento de la antropología posmoderna. Barcelona: Gedisa, 2003.

SANTOS, Boaventura de S. Introdução a uma ciência pós-moderna. Porto: Afrontamento, 1989.

SCHÖN, Donald A. La formación de profesionales reflexivos: hacia un nuevo diseño de la enseñanza y el aprendizaje en las profesiones. Barcelona: Paidós, 1992.

SCHÖN, Donald A. The reflective practitioner: how professionals think in action. New York: Basic Books, 1983.

SENNET, Richard. A cultura do novo capitalismo. Lisboa: Relógio D’Água, 2007.

SHWEDER, Richard A. A rebelião romântica da antropologia contra o iluminismo: ou de como

há mais coisas no pensamento para além da razão e da evidência. Educação, Sociedade & Culturas, n. 8, p. 135-188, 1997.

VAN OERS, Bert. The fallacy of decontextualization. Mind, Culture and Activity, v. 2, n. 5,

p. 135-142, 1998.

ZEICHNER, Kenneth M. A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa, 1993.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Financiadores: