Escola e status racial em Cachoeira do Campo/MG no século XIX

Marcus Vinícius Fonseca

Resumo


De acordo com uma documentação que contabilizou a população de Minas Gerais, nos anos de 1830, havia um predomínio dos negros entre os alunos das escolas de instrução elementar. Neste artigo, procuramos investigar os significados dessa experiência para a população negra através da confrontação de documentos censitários do distrito de Cachoeira do Campo/MG, que se encontrava no termo de Ouro Preto, na região central da província. O procedimento de análise ocorreu a partir da separação dos domicílios em que havia o registro de crianças frequentando escolas, em 1831. Em seguida, identificamos esses domicílios na documentação de 1838 analisando a situação dos indivíduos escolarizados e de seu grupo familiar. O intervalo de sete anos entre os documentos possibilitou a avaliação dos impactos da experiência escolar, revelando, entre outras coisas, que negros escolarizados eram preferencialmente designados como pardos e estes podiam mudar de status racial, passando até mesmo a ser classificados como brancos.


Palavras-chave


História da educação; Negros; Minas Gerais; Século XIX

Texto completo:

PDF PDF (inglês)

Referências


ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

ARIÈS, Philippe. Centuries of childhood: a social history of family life. New York: Vintage Books, 1962.

BERGAD, Laird W. Escravidão e história econômica: demografia de Minas Gerais (1720-1880). Bauru: Edusc, 2004.

BOTELHO, Tarcísio R. Estratégias matrimoniais entre a população livre de Minas Gerais: Catas Altas do Mato Dentro, 1815-1850. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAI, 14., 2004. Caxambu: Abep, 2004. 1 CD.

CHALHOUB, Sidney. A força da escravidão: ilegalidade e costumes no Brasil oitocentista. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

FARIA FILHO, Luciano Mendes; GONÇALVES, Irlen. Processo de escolarização e obrigatoriedade escolar: o caso de Minas Gerais (1835-1911). In: FARIA FILHO, Luciano Mendes (Org.). A infância e sua educação: materiais, práticas e representações (Portugal e Brasil). Belo Horizonte: Autêntica, 2004. p. 157-189.

FONSECA, Marcus V. População negra e educação: o perfil racial das escolas mineiras no século XIX. Belo Horizonte: Mazza, 2009.

LEMOS, Afonso de. Monografia da freguesia de Cachoeira do Campo. Revista do Arquivo Público Mineiro. Belo Horizonte, APM, 1941.

LIMA, Ivana Stolze. Cores, marcas e falas: sentidos da mestiçagem no Império do Brasil. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

MATTOS, Hebe Maria. Das cores do silêncio: o significado da liberdade no sudeste escravista, Brasil século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

PAIVA, Clotilde Andrade. População e economia nas Minas Gerais do século XIX. 1996. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo. 1996.

Fontes de pesquisa

MINAS GERAIS, Cachoeira do Campo. Lista nominativa dos habitantes de Cachoeira do Campo, 1831. Arquivo Público Mineiro: Inventário Sumário dos Mapas de População. Rolo 01, caixa 01, pacotilha 09. Documentos microfilmados.

MINAS GERAIS, Cachoeira do Campo. Lista nominativa dos habitantes de Cachoeira do Campo, 1838. Arquivo Público Mineiro: Inventário Sumário dos Mapas de População. Rolo 06, caixa 03, pacotilha 17. Documentos microfilmados.

MINAS GERAIS, Ouro Preto. Livro das Leis mineiras. Ouro Preto (1835-1883). Arquivo Público Mineiro.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.