Narrativas da origem histórica dos direitos humanos nos manuais de direito

Fernando Seffner, Fabiane Simioni, Renan Bulsing dos Santos, Carolina Nunes dos Santos, Milene Bobsin

Resumo


Tomando como corpus de análise manuais sobre direitos humanos citados na bibliografia dos programas de disciplinas dos cursos de Direito do Estado do Rio Grande do Sul, apresentamos três marcas frequentes no modo de narrar a história dos direitos humanos ali presentes: o estatuto da fonte histórica, a noção de evolução histórica e a pretensão de neutralidade. Estamos apoiados na afirmativa de que o modo de contar a história dos direitos humanos traz implicações diretas na definição do que sejam esses direitos. A narrativa histórica estabelece conexões possíveis entre direitos humanos e determinados temas (por exemplo, direito de família), ao mesmo tempo em que dificulta ou impossibilita conexões dos direitos humanos com outros temas (por exemplo, direito empresarial).


Palavras-chave


Direitos humanos; Ensino superior; Historiografia

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS, PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO. Associação Nacional de Direitos Humanos, Pesquisa e Pós-Graduação. S.l.: Andhep, s.d. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2014.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA. História, direito e memória. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 27., 2013, Natal. Anais... Natal: Associação Nacional de História, 2013. Disponível em: . Acesso em: 5 fev. 2014. BARRETO, Rafael. Direitos humanos: 1ª fase. Niterói: Impetus, 2012. (Coleção OAB, v.12).

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

BURLAMAQUI, Marco Guilherme Bravo. Avaliação e qualidade na educação superior: tendências na literatura e algumas implicações para o sistema de avaliação brasileiro. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 19, n. 39, p. 133-154, 2008.

BURNS, Edward McNall. História da civilização ocidental. Rio de Janeiro: Globo, 1989. v. 1: do homem das cavernas às naves espaciais.

CAVALCANTI, Carlos André. História social dos direitos humanos: desmitologização, imaginário e tipo ideal. In: ZENAIDE, M. de N. T.; DIAS, L. L. (Org.). Formação em direitos humanos na universidade. João Pessoa: Editora Universitária, 2001. p. 29-34.

CAVALCANTI, Carlos André. História moderna dos direitos humanos: uma noção em construção. In: TOSI, G. (Org.). Direitos humanos: história, teoria e prática. João Pessoa: Editora Universitária, 2005. p. 47-74

CERRI, Luís Fernando. Saberes históricos diante da avaliação do ensino: notas sobre os conteúdos de história nas provas do Exame Nacional do Ensino Médio – Enem. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 24, n. 48, p. 213-231, 2004.

COMPARATO, Fábio Konder. Afirmação histórica dos direitos humanos. São Paulo: Saraiva, 2005.

FONSECA, Márcio Alves da. Michel Foucault e o Direito. São Paulo: Saraiva, 2012.

ISIDORO, Frederico Afonso. Como se preparar para o Exame de Ordem – Direitos Humanos e Direitos Humanos Fundamentais. São Paulo: Método, 2013.

KANT DE LIMA, Roberto. Saber jurídico e direito à diferença no Brasil: questões de teoria e método em uma perspectiva comparada. In: KANT DE LIMA, Roberto. Ensaios de antropologia e de direito. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008. p. 89-126.

KELSEN, Hans. Teoria pura do Direito. São Paulo: Martins Fontes, 2009[1934].

LIMA, Ricardo Barbosa; PINHEIRO, Douglas Antonio Rocha. (Org.). Educação em Direitos Humanos. Goiânia: UFG, 2012.

MACIEL, José Fábio Rodrigues. (Coord.). Formação humanística em Direito. São Paulo: Saraiva, 2012.

MORAES, Alexandre de. Direitos Humanos Fundamentais: teoria geral. São Paulo: Atlas, 2011.

NEDER, Gizlene. A recepção do constitucionalismo moderno em portugal e a escrita da história do direito. Passagens: Revista Internacional de História Política e Cultura Jurídica, Niterói, v. 4,p. 510-533, 2012.

OLIVEIRA, Erival da Silva. Direito Constitucional Direitos Humanos. 3 ed. rev. e atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012.

PEREIRA, Nilton Mullet; SEFFNER, Fernando. O que pode o ensino de história? Sobre o uso de fontes na sala de aula. Anos 90, Porto Alegre, v. 15, p. 113-128, 2008.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Se Deus fosse um ativista dos direitos humanos. São Paulo: Cortez, 2013.

SARMENTO, George. Direitos humanos: liberdades políticas, ações constitucionais, recepção dos tratados internacionais. São Paulo: Saraiva, 2011. (Coleção Curso & Concurso).

SCARAMUCCI, Matilde Virginia Ricardi. Efeito retroativo da avaliação no ensino/aprendizagem de línguas: o estado da arte. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, v. 43, n. 2, p. 203-226, jul./dez. 2004.

SILVA, Carlos Afonso Gonçalves da; SOBREIRA, Fábio Tavares. (Coord.). Direito Constitucional e Direitos Humanos. São Paulo: Saraiva, 2013. (Coleção preparatória para concurso de delegadode polícia).

SILVA, Jeanne. A relação da ciência histórica e do direito: Implicações e distanciamentos na formulação dos conceitos de Verdade, Política e Justiça. Cadernos de Pesquisa do CDHIS, Uberlândia, v. 1, n. 33, p. 95-105, 2006.

STRAUSS, André; WAIZBORT, Ricardo. Sob o signo de Darwin? Sobre o mau uso de uma quimera. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 23, n. 68, p. 125-134, out. 2008.

TOSI, Giuseppe. Algumas questões acerca da história dos direitos humanos. Contemporaneidade e Educação, Salvador, v. V, n. 8, p. 35-55, 2000.

TOSI, Guiseppe (Org.). Direitos humanos: historia, teoria e pratica. Joao Pessoa: Editora Universitaria UFPB, 2005.

TRINDADE, José Damião de Lima. História social dos direitos humanos. São Paulo: Peirópolis, 2011.

VALOR ECONÔMICO. Regras de direitos humanos para empresas. São Paulo, 21 jul. 2014. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2014.

VILAR, Pierre. História do direito, história total. Projeto História, São Paulo, n. 33, p. 19-44, dez. 2006. Disponível em: . Acesso em: 5 fev. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.