Homens na educação infantil: olhares de suspeita e tentativas de segregação

Mariana Kubilius Monteiro, Helena Altmann

Resumo


O trabalho docente dedicado à infância é uma área profissional ocupada predominantemente por mulheres no Brasil e em outros países. Neste artigo, analisamos o período inicial da trajetória profissional de homens que optaram por atuar como professores de educação infantil, em uma rede pública que conta com apenas sete homens ocupando esse cargo. A metodologia utilizada inspirou-se nas histórias de vida, sendo realizadas entrevistas com todos os homens que atuavam no momento da coleta de dados. As trajetórias foram analisadas a partir da perspectiva dos estudos de gênero, constatando que o ingresso e permanência na profissão foram marcados por dificuldades características da área de atuação e por questionamentos e tentativas de segregação decorrentes de noções hegemônicas de masculinidade.


Palavras-chave


Docência; Educação infantil; Gênero; Masculinidade

Texto completo:

PDF

Referências


ARCE, Alessandra. Documentação oficial e o mito da educadora nata na educação infantil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 113, p. 167-184, jul. 2001.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Estudo exploratório sobre o professor brasileiro com base nos resultados do Censo Escolar da Educação Básica 2007. Brasília: Inep, 2009.

CAMPOS, Maria M.; GROSBAUM, Marta; PAHIM, Regina; ROSEMBERG, Fúlvia. Profissionais de creche. Cadernos do Cedes, n. 9, p. 39-66, 1991.

CARRIGAN, Tim; CONNELL, Bob; LEE, John. Toward a new sociology of masculinity. Theory and Society, n. 14, p. 551-604, 1985.

CONNELL, Raewyn. Kartini’s children: on the need for thinking gender and education together on a world scale. Gender and Education, v. 22, n. 6, p. 603-615, nov. 2010.

CONNELL, Robert William. Masculinities. 2. ed. California: University of California Press, 2005.

CONNELL, Robert William; MESSERSCHMIDT, James W. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Estudos Feministas, Florianópolis, 21 (1), p. 241-282, jan./abr. 2013.

COURTINE, Jean-Jacques. Introdução. Impossível virilidade. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO. Georges. História da virilidade, 3. Rio de Janeiro: Vozes, 2013a. p. 7-12.

COURTINE, Jean-Jacques. Robustez na cultura: mito viril e potência muscular. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges. História da virilidade. 3. Rio de Janeiro: Vozes, 2013b. p. 554-577.

CRUZ, Elizabete Franco. “Quem leva o nenê e a bolsa?”: o masculino na creche. In: ARILHA, Margareth; UNBEHAUM, Sandra G.; MEDRADO, B. (Org.). Homens e masculinidades: outras palavras. São Paulo: Ecos, Editora 34, 1998. p. 235-255.

ERDEN, Sule; OZGUN, Ozkan; CIFTCI, Munire Aydilek. “I am a man, but I am a pre-school teacher”: Self- and social-perception of male pre-school teachers. Procedia Social and Behavorial Sciences, v. 15, p. 3199-3294, 2011.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 132, p. 595-609, set./dez. 2007.

LOURO, Guacira Lopes. Currículo, género e sexualidade. Porto: Porto Editora, 2000.

MOSSBURG, Marc W. Male early childhood teachers: shaping their professional identity. 2004. Tese (Doutorado) – Arizona State University (EUA), 2004.

NÓVOA, António. Histórias de vida: perspectivas metodológicas. In: NÓVOA, António (Org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 2000. p. 18-30.

OPLATKA, Izhar; EIZENBERG, Mervar. The perceived significance of the supervisor, the assistant, and parents for career development of beginning kindergarten teachers. Teaching and Teacher Education, n. 23, p. 339-354, 2007.

ROSEMBERG, Fúlvia. Expansão da educação infantil e processos de exclusão. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 107, p. 7-40, jul. 1999.

SAPAROLLI, Eliana Campos Leite. A educação infantil e gênero: a participação dos homens como educadores infantis. Psicologia da Educação, São Paulo, n. 6, p. 107-125, 1º semestre 1998.

SCOTT, Joan. Gênero: Uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, Pannoica, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez., 1995.

SOUZA, Mara Isis de. Homem como professor de creche: sentidos e significados atribuídos pelos diferentes atores institucionais. 2010. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2010.

UIS. Compendio Mundial de la Educación 2010: comparación de las estadísticas de educación em el mundo. Instituto de Estadística de la Unesco, Montreal, Canadá, 2010. Disponível em: . Acesso em: 06 jan. 2013.

VIANNA, Cláudia Pereira. O sexo e o gênero da docência. Cadernos Pagu, n. 17/18, p. 81-103, 2001/02.

WOLFRAM, Hans-Joachim; MOHR, Gisela; BORCHERT, Jenni. Gender role self-concept, genderrole conflict, and well-being in male primary school teachers. Sex roles, n. 60, p. 114-127, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Financiadores: