Teoria econômica e problemas com remuneração de professores por resultados

Maraysa Ribeiro Alexandre, Ricardo Sequeira Pedroso de Lima, Fábio Domingues Waltenberg

Resumo


Tem se disseminado no Brasil o atrelamento da remuneração de professores ao desempenho de alunos em testes padronizados, políticas que não encontram fundamento teórico no campo da educação, mas sim na literatura econômico-administrativa, especialmente no chamado “modelo principal-agente”. Se por alguns são vistas como peça-chave da melhoria da educação, costumam sofrer forte oposição, sobretudo de não economistas. A avaliação de experiências concretas não resolve a questão, pois tem revelado efeitos positivos, nulos e negativos. A contribuição deste artigo consiste no escrutínio do marco teórico em que se assentam as políticas de responsabilização de professores, a fim de se testar a hipótese de que os resultados inconclusivos encontrariam explicação na própria literatura econômica. Complementarmente, investiga-se se a teoria lança luz sobre razões para a forte rejeição a tais programas em certos círculos. Responde-se afirmativamente a ambas as questões.


Palavras-chave


Programas de Responsabilização de Professores; Remuneração de Professores; Modelo Principal-agente; Economia da Educação

Texto completo:

PDF

Referências


AKERLOF, G. A.; KRANTON, R. E. Identity economics: how our identities shape our work, wages, and well-being. New Jersey: Princeton University Press, 2010.

ALEXANDRE, M. R. Programas de responsabilização de professores: quais são seus reais efeitos? Dissertação (Mestrado em Economia) – Universidade Federal Fluminense – UFF, Niterói, 2013.

ANDRADE, E. “School accountability” no Brasil: experiências e dificuldades. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 28, n. 3, jul./set. 2008.

ATKINSON, A. et al. Evaluating the impact of performance-related pay for teachers in England. Labour Economics, n. 16, p. 251-261, 2009.

BAKER, E. L. et al. Problems with the use of student test scores to evaluate teachers. EPI Briefing Paper, n. 278, 2010.

BARR, N. Economics of the welfare state. 5. ed. Oxford: Oxford University Press, 2012.

BELFIELD, C. R. Economic principles for education: theory and evidence. Northampton, MA: Edward Elgar, 2000.

BENABOU, R.; TIROLE, J. Intrinsic and extrinsic motivation. Review of Economic Studies, v. 70, p. 489-520, 2003.

BRUNS, B.; FILMER, D.; PATRINOS, H. A. Making schools work: new evidence on accountability reforms. Washington, DC: World Bank, 2011.

CHEVALIER, A.; DOLTON, P. The labour market for teachers. In: MACHIN, S.; VIGNOLES, A. (Ed.). What’s the good of education? The economics of education in the United Kingdom. Princeton: Princeton University Press, 2005.

DIXIT, A. Incentives and organizations in the public sector: an interpretative review. The Journal of Human Resources, v. 37, n. 04, p. 696-727, 2002.

DOLTON, P.; MARCENARO-GUTIERREZ, O. Global teacher status index. Varkey-Gems Foundation, out. 2013.

FALK, A.; DOHMEN, T. You get what you pay for: incentives and selection in the education system. In: ECONOMIC INCENTIVES: DO THEY WORK IN EDUCATION? INSIGHTS AND FINDINGS FROM BEHAVIOURAL RESEARCH. 16-17 may 2008. Munique, Alemanha: CESifo/ PEPG, 2008.

FERRAZ, C. Sistemas educacionais baseados em desempenho, metas de qualidade e a remuneração de professores: os casos de Pernambuco e São Paulo. In: VELOSO, F. et al. (Org.). Educação básica no Brasil: construindo o país do futuro. Rio de Janeiro: Campus/Elsevier, 2009.

FRYER, G. R. Teacher incentives and student achievement: evidence from New York city public schools. Journal of Labor Economics, v. 31, n. 2, p. 373-427, 2013.

HEYES, A. The economics of vocation or why is a badly paid nurse a good nurse? Journal of Health Economics, v. 24, n. 3, p. 561-569, 2005.

KAHNEMAN, D. Rápido e devagar. Duas formas de pensar. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.

LARRÉ, F.; PLASSARD, J. M. Quelle place pour les incitations dans la gestion du personnel enseignant? Recherches Économiques de Louvain: Louvain Economic Review, v. 74, n. 3, 2008.

LAVY, V. Evaluating the effect of teachers’ group performance incentives on pupil achievement. Journal of Political Economy, v. 110, n. 6, 2002.

LIMA, R. Programas de responsabilização de professores: análise crítica dos fundamentos teóricoconceituais e das evidências empíricas. (Trabalho de conclusão de curso) – Faculdade de Economia, Universidade Federal Fluminense – UFF, Niterói, 2013.

MAS-COLELL, A.; WHINSTON, M.; GREEN, J. Microeconomic theory. Oxford: Oxford University Press, 1995. cap. 13, 14 e 23.

MENEZES-FILHO, N.; TAVARES, P. A. Noise in education pay for performance programs: evidence using independent measures of school outcomes. In: ENCONTRO BRASILEIRO DE ECONOMETRIA, 33., 2011, Foz do Iguaçu. Anais… Foz do Iguaçu: SBE, 2011.

MURALIDHARAN, K.; SUNDARARAMAN, V. Theacher performance pay: experimental evidence from India. Journal of Political Economy, v. 119, n. 1, p. 39-77, 2011.

OSHIRO, C. H.; SCORZAFAVE, L. G. Efeito do pagamento de bônus aos professores sobre a proficiência escolar no Estado de São Paulo. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, 39., 2011, Foz do Iguaçu. Foz do Iguaçu: SBE, 2011.

PRENDERGAST, C. The provision of incentives in firms. Journal of Economic Literature, v. 37, n. 1, p. 7-63, mar. 1999.

RAVITCH, D. Death and life of the great American school system: how testing and choice are undermining education. New York: Basic Books, 2010.

SCHOKKAERT, E.; OOGHE, E. School accountability: can we reward schools and avoid pupil selection? Bonn: IZA, may 2013. (Discussion Paper Series, n. 7420)

TRANNOY, A. L’égalisation de savoirs de base: l’éclairage des théories économiques de la responsabilité et des contrats. In: MEURET, D. (Éd.). La justice du système éducatif. Bruxelles: De Boeck Université, 1999. (Coleção Pédagogie en développement)

WALTENBERG, F. Teorias econômicas de oferta de educação: evolução histórica, estado atual e perspectivas. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 1, p. 117-136, jan./abr. 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.