A formação docente e os diferentes momentos de instrumentação para o exercício da profissão

Autores

  • Taitiâny Kárita Bonzanini Universidade de São Paulo (USP), Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (Esalq), Departamento de Economia, Administração e Sociologia (LES), Piracicaba (SP), Brasil

Resumo

As questões discutidas neste texto resultam de análises do desenvolvimento de um projeto realizado durante seis semestres consecutivos com licenciandos da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da Universidade de São Paulo (Esalq/USP), no município de Piracicaba, estado de São Paulo. A partir da organização de oficinas pedagógicas, foi possível desenvolver atividades em diversos momentos da formação inicial, permeando disciplinas obrigatórias do currículo e englobando, especialmente, dois espaços vivenciais: a universidade e a escola de educação básica. A abordagem construtivista de ensino, o uso de diversos recursos didáticos e metodologias ativas, as discussões interdisciplinares e a incorporação da relação arte e ciência, bem como o enfoque ciência, tecnologia, sociedade e ambiente (CTSA), buscaram valorizar a efetiva participação do estudante e a discussão de um ensino que possa transcender os limites das disciplinas escolares e contribuíram para posturas mais dialéticas entre discentes e docente, para o reconhecimento de necessidades formativas e para a instrumentalização tanto do futuro professor como dos professores em exercício e da professora formadora.

Referências

CAMPOS, L. M. L.; BORTOLOTO, T. M.; FELICIO, A. K. C. A produção de jogos didáticos para o ensino de ciências e biologia: uma proposta para favorecer a aprendizagem. Caderno dos Núcleos de Ensino, São Paulo, p. 35-48, 2003.

CARVALHO, A. M. P. de. Ensino de Ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: CENGAGE Learning Edições Ltda., 2014.

FREIRE, P.; HORTON, M. O caminho se faz caminhando: conversas sobre educação e mudança social. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

GARCIA, C. M. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto, 1999.

LÜDKE, M.; SCOTT, D. O lugar do estágio na formação de professores em duas perspectivas. Educação & Sociedade, Campinas, v. 39, n. 142, p. 109-125, jan./mar. 2018.

NÓVOA, A. Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1997.

PAROLIN, I. Professores formadores: a relação entre a família, a escola e a aprendizagem. Curitiba: Positivo, 2005.

PÉREZ GÓMEZ, A. I. A aprendizagem escolar: da didática operatória à reconstrução da cultura na sala de aula. In: SACRISTÁN, J. G.; PÉREZ GÓMEZ, A. I. Compreender e transformar o ensino. Tradução: E. F. Rosa. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000. p. 53-63.

PIAGET, J. Biologia e conhecimento. Porto: Rés, 1978.

PICONEZ, S. C. B. (coord.). A prática de ensino e o estágio supervisionado. Campinas: Papirus, 2001.

PIMENTA, S. G. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 6. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

ZÔMPERO, Andreia Freitas; LABURÚ, Carlos Eduardo. Atividades investigativas no ensino de ciências: aspectos históricos e diferentes abordagens. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v. 13, n. 3, p. 67-80, set./dez. 2011.

Downloads

Publicado

26-11-2019