Adolescente no contexto das altas habilidades/superdotação: avaliação psicopedagógica

Autores

  • Carina Alexandra Rondini Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp), campus de São José do Rio Preto, São José do Rio Preto-SP, Brasil http://orcid.org/0000-0002-5244-5402

DOI:

https://doi.org/10.18222/eae.v31i77.7051

Palavras-chave:

Avaliação Assistida, Aluno com Altas Habilidades/Superdotação, Interação Professor-aluno.

Resumo

Trata-se de estudo de caso, objetivando-se pôr à prova a suspeita de características de altas habilidades/superdotação (AH/SD) em um adolescente de 12 anos, do sexo masculino, realizando-se dez sessões de avaliação psicopedagógica. Após anamnese detalhada com a mãe e com o adolescente, foram empreendidos testes psicopedagógicos e um de eficiência intelectual, aplicado por uma psicóloga colaboradora, como forma de avaliação multirreferencial e multimétodos. O adolescente foi avaliado com bons recursos intelectuais; todavia, características de AH/SD foram vistas apenas pela mãe, e não pelos professores participantes. Acompanhamento assistido em atividades e oferecimento de enriquecimento curricular nas áreas de seu interesse (dentro ou fora da sala de aula) e no nível de seu desempenho foram prescritos.Palavras-chave: Avaliação Assistida, Aluno com Altas Habilidades/Superdotação, Interação Professor-aluno. Adolescente en el contexto de las altas habilidades/superdotación: evaluación psicopedagógicaSe trata de un estudio de caso, que tuvo el objetivo de poner a prueba la sospecha de características de altas habilidades/superdotación (AH/SD) en un adolescente de 12 años, del sexo masculino; se realizaron diez sesiones de evaluación psicopedagógica. Después de anamnesis detallada con la madre y el adolescente, se realizaron tests psicopedagógicos y uno de eficiencia intelectual, aplicado por una psicóloga colaboradora, como forma de evaluación multirreferencial y multimétodos. El adolescente fue evaluado como teniendo buenos recursos intelectuales; aun considerando esto, características de AH/SD fueron vistas solo por la madre y no por los profesores participantes. Se prescribió acompañamiento asistido en actividades y ofrecimiento de enriquecimiento del plan de estudios en las áreas de interés del adolescente (dentro o fuera del aula) y en el nivel de su desempeño.Palabras clave: Evaluación Asistida, Alumno con Altas Habilidades/Superdotación, Interacción Profesor-alumno. The adolescent in the context of high ability/giftedness: psycho-pedagogical evaluationThis is a case study aiming to test suspected characteristics of high ability/giftedness (HA/G) in a 12-year-old male adolescent, comprising ten psycho-pedagogical assessment sessions. After a detailed anamnesis with the mother and the adolescent, a collaborating psychologist applied psycho-pedagogical tests and one of intellectual efficiency as a form of multi-referential and multimethod assessment. The adolescent was evaluated as having good intellectual resources. However, HA/G characteristics were seen only by the mother, and not by the participating teachers. Assisted monitoring of activities and offering of curricular enrichment in the areas of interest (inside or outside the classroom) and at the level of his performance were prescribed.Keywords: Assisted Assessment, Student with High Ability/Giftedness, Teacher-student Interaction.

Biografia do Autor

Carina Alexandra Rondini, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp), campus de São José do Rio Preto, São José do Rio Preto-SP, Brasil

Departamento de Ciência de Computação e Estatística (DCCE) 

Referências

ALLIENDE, F.; CONDEMARÍN, M.; CHADWICK, M.; MILICIC, N. Comprensión de la lectura 1: fichas para el desarollo de la compreensión de la lectura, destinadas a niños de 7 a 9 años. Tradução: Jonas Pereira dos Santos. Campinas, SP: André Bellos, 1992.

ALMEIDA, L.; OLIVEIRA, E.; SILVA, M.; OLIVEIRA, C. O papel dos professores na identificação de crianças sobredotadas: construção e validação de uma escala de despiste. Inovação, Lisboa, PT, v. 15, n. 1-2-3, p. 163-179, 2002.

AMARAL, D. F. C.; CORDEIRO, T. M. F. M.; COSTA, E. A. da S. Um novo olhar para as altas habilidades/superdotação no município de São José dos Pinhais – PR. Revista Expressão Católica, Quixadá, v. 7, n. 1, p. 62-68, set. 2018. ISSN 2357-8483. Disponível em: http://publicacoesacademicas.unicatolicaquixada.edu.br/index.php/rec/article/view/2106. Acesso em: 12 set. 2019.

ANJOS, A. G. dos. Formação continuada de professores em altas habilidades/superdotação: uma dissonância entre contextos. 2018. 178 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP, 2018.

BENCZIK, E. B. P. Manual da escala de transtorno de déficit de atenção/hiperatividade: versão para professores. São Paulo: Pearson Clinical Brasil, 2017.

BRADMAN, T.; ROSS, T. Miguel. Rio de Janeiro: Salamandra, 1990.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB n. 2, de 11 de setembro de 2001. Institui diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. Brasília, DF: MEC, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 11.788, de 25 de setembro de 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996; revoga as Leis nos 6.494, de 7 de dezembro de 1977, e 8.859, de 23 de março de 1994, o parágrafo único do art. 82 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e o art. 6o da Medida Provisória no 2.164-41, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Brasília, DF: MEC, 2008a.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2008b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 10 set. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB n. 4, de 2 de outubro de 2009. Institui diretrizes operacionais para o atendimento educacional especializado na educação básica, modalidade educação especial. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2009.

CALLEGARI, B. Adaptação e evidências de validade de conteúdo das escalas para avaliação das características comportamentais de estudantes com habilidades superiores. 2019. 153 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP, 2019.

CUNHA, V. A. B. da. Estudantes com indicadores de altas habilidades/superdotação e queixas escolares: concepção de suas mães. 2018. 154 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP, 2018.

CUNHA, V. A. B.; ARANTES-BRERO, D. R. B.; RONDINI, C. A. Estudantes superdotados matriculados no estado de São Paulo: dados censitários e as contribuições da universidade. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO, 7., 2019, Bauru. Anais [...]. Bauru, SP: Faculdade de Ciências, 2019. Tema: Educação pública como direito: desafios e perspectivas no Brasil contemporâneo.

CUPERTINO, C. M. B.; ARANTES, D. R. B. (org.). Um olhar para as altas habilidades: construindo caminhos. São Paulo: Fundação para o Desenvolvimento da Educação, 2008.

DELOU, C. M. C. Lista Base de Indicadores de Superdotação – parâmetros para observação de alunos em sala de aula. 1987/2001. Disponível em: http://www.sed.sc.gov.br/index.php/documentos/seminario-educacao-inclusiva-para-gestor-professor-434/andreia-fcee-435/2038-lista-basica-de-indicadores-ahs-cristina-delou-3786/file. Acesso em: 2 nov. 2019.

GALINDO, C. J.; INFORSATO, E. do C. Formação continuada de professores: impasses, contextos e perspectivas. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, v. 20, n. 3, p. 463-477, 2016.

GENTRY, M.; PEREIRA, N.; PETERS, S. J.; MCINTOSH, J. S.; FUGATE, M. Hope teacher rating scale: Administration Manual. Waco, Texas: Prufrock, 2015.

GUENTHER, Z. C. Crianças dotadas e talentosas... não as deixem esperar mais! Rio de Janeiro: LTC – Livros Técnicos Científicos, 2012.

GUENTHER, Z. C. Identificação de alunos dotados e talentosos: metodologia CEDET – versão 2012. Lavras, MG: ASPAT – Associação de Pais e Amigos para Apoio ao Talento, 2013.

GUIMARÃES, T. G.; OUROFINO, V. T. A. T. Estratégias de identificação do aluno com altas habilidades/superdotação. In: FLEITH, D. S. (org.). A construção de práticas educacionais para alunos com altas habilidades/superdotação: orientação a professores. Brasília: Ministério da Educação, 2007. v. 1, p. 53-65.

INSTITUTO DE MATEMÁTICA PURA E APLICADA/OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS. Banco de Questões 2018. Rio de Janeiro: IMPA, 2018.

LORENZINI, M. V. Uma escala para detectar a disgrafia baseada na escala de Ajuriaguerra. 1993. 148 f. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, 1993.

MENDONÇA, L. D. Identificação de alunos com altas habilidades ou superdotação a partir de uma avaliação multimodal. 2015. 129 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São Paulo, 2015.

MENDONÇA, L. D.; RODRIGUES, O. M. P. R.; CAPELLINI, V. L. M. F. Identificação inicial de alunos com altas habilidades ou superdotação: avaliação intelectual, de desempenho escolar e indicação pelos professores. Revista Educação Especial, Santa Maria, RS, v. 30, n. 57, p. 203-218, jan./abr. 2017.

MIRANDA, L. C.; ALMEIDA, L. S. Sinalização das altas habilidades cognitivas pelos professores: validade estrutural da Escala de Habilidade Cognitiva e de Aprendizagem (EAAC). Revista Amazônica, Belém, v. 6, n. 2, p. 297-309, 2013.

OLIVEIRA, G. C. Avaliação psicomotora à luz da psicologia e da psicopedagogia. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

OUROFINO, V. T. A. T.; FLEITH, D. S. A condição underachievement em superdotação: definição e características. Psicologia: Teoria e Prática, São Paulo, v. 13, n. 3, p. 206-222, 2011.

OUROFINO, V. T. A. T.; FLEITH, D. S.; GONÇALVES, F. C. Fatores associados à baixa performance acadêmica de alunos superdotados. Psicologia em Pesquisa, Juiz de Fora, MG, v. 16, n. 1, p. 28-38, 2011.

PÉREZ, S. G. P. B.; FREITAS, S. N. Manual de identificação de altas habilidades/superdotação. Guarapuava, PR: Apprehendere, 2016.

POCINHO, M. Superdotação: conceitos e modelos de diagnóstico e intervenção psicoeducativa. Revista Brasileira de Educação Especial, Bauru, SP, v. 15, n. 1, p. 3-14, jan./abr. 2009.

RECH, A. J. D.; NEGRINI, T. Formação de professores e altas habilidades/superdotação: um caminho ainda em construção. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, v. 14, n. 2, p. 485-498, jan. 2019. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/11080. Acesso em: 14 set. 2019.

REIS, H. M. M. de S. Educação inclusiva é para todos?: a (falta de) formação docente para altas habilidades/superdotação no Brasil. 2006. 32 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006. Disponível em: http://www.bdtd.uerj.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=53. Acesso em: 14 set. 2019.

RENZULLI, J. S. The three-ring conception of giftedness: a developmental model for promoting creative productivity. In: STERNBERG, R. J.; DAVIDSON, J. E. (ed.). Conceptions of giftedness. 2. ed. New York: Cambridge University, 2005. p. 246-279.

ROEDER, I. Exclusão social de crianças e adolescentes com altas habilidades: um olhar psicopedagógico. 2018. 75 p. Dissertação (Mestrado em Teologia) – Faculdades EST, São Leopoldo, RS, 2018.

RONDINI, C. A. Caminhos e descaminhos na formação docente para o trabalho com os estudantes com altas habilidades/superdotação. Formação Docente, Belo Horizonte, v. 11, n. 22, p. 79-94, 2019.

SÃO PAULO (Estado). Resolução SE n. 68/2017. Dispõe sobre o atendimento educacional aos alunos, público-alvo da Educação Especial, na rede estadual de ensino. São Paulo: Secretaria da Educação, 2017.

SEABRA, A. G.; DIAS, N. M. (org.). Avaliação neuropsicológica cognitiva: atenção e funções executivas, São Paulo: Memnon, 2012. v. 1.

SOMERA, E. A. S. Coletânea de notas das aulas estruturadas em contexto interdisciplinar para a formação psicopedagógica. São José do Rio Preto, SP: Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto. Disciplinas: A práxis psicopedagógica: instrumentos para avaliações e diagnósticos, intervenção e prevenção, procedimentos institucionais e clínicos, Curso de Especialização Lato Sensu em Psicopedagogia Clínica e Institucional, 2016/2017/2018.

TARDIF, M.; LESSARD, C.; GAUTHIER, C. Formação dos professores e contextos sociais. Porto: Rés, 2001.

TENTES, V. T. A.; FLEITH, D. S. Características pessoais, familiares e escolares: estudo comparativo entre superdotados e superdotados underachievers. Revista Avaliação Psicológica, Campinas, SP, v. 13, n. 1, p. 77-85, 2014.

VEIGA, E. C. da. Altas habilidades/superdotação e a psicopedagogia modular: avaliando potencialidades. Revista Educação Especial, Santa Maria, RS, v. 27, n. 50, p. 641-648, set. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/14283. Acesso em: 12 set. 2019.

VIRGOLIM, A. M. R. A contribuição dos instrumentos de investigação de Joseph Renzulli para a identificação de estudantes com altas habilidades/superdotação. Revista Educação Especial, Santa Maria, RS, v. 27, n. 50, p. 581-610, set./dez. 2014.

WECHSLER, D. Escala Wechsler de Inteligência para Crianças: (WISC-IV): manual de instruções para aplicação e avaliação. Tradução: Maria de Lourdes de Duprat. 4. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2013.

Downloads

Publicado

31-10-2020

Edição

Seção

Artigos