Estrutura argumentativa em textos de alunos brasileiros

Autores

  • Claudia R. Riolfi Universidade de São Paulo (USP), São Paulo (SP), Brasil; http://orcid.org/0000-0003-2698- 4207 http://orcid.org/0000-0003-2698-4207
  • Renata de O. Costa Universidade de São Paulo (USP), São Paulo (SP), Brasil; http://orcid.org/0000-0002-2188-0532 http://orcid.org/0000-0002-2188-0532

Palavras-chave:

Escrita, Argumentação, Currículo, Desenvolvimento

Resumo

O artigo mostra a ocorrência de encadeamentos argumentativos em textos redigidos por alunos do ensino fundamental I em uma escola pública brasileira. A pesquisa, de caráter longitudinal, foi norteada por três questões: 1) Quais encadeamentos argumentativos ocorrem? 2) Quais conjunções são empregadas para criar encadeamentos argumentativos? 3) Em que medida a habilidade de usar encadeamentos argumentativos muda ao longo do fundamental I? O corpus analisado compreendeu 123 textos escritos por nove participantes no período em que cursavam do 2º ao 5º ano do ensino fundamental. Análises quantitativas e qualitativas foram feitas. O estudo mostrou que os participantes conseguiram empregar encadeamentos argumentativos desde o início, com predominância dos normativos. Ademais, verificou-se um acréscimo no número de blocos semânticos nos textos dos participantes. Os achados apontam para mudanças na pesquisa a respeito da argumentação e nos currículos escolares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGUIAR, Heloísa Helena da Cruz. A capacidade de argumentação nos alunos de 5ª e 6ª séries. Cadernos do CNLF, v. 9, n. 10, 2005. Disponível em: . Acesso em: 13 out. 2017.

ALVES, Maria Teresa Gonzaga; SOARES, José Francisco; XAVIER, Flavia Pereira. Índice Socioeconômico das Escolas de Educação Básica Brasileiras. Ensaio: Avaliação e Políticas

Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 22, n. 84, p. 671-704, jul./set. 2014. Disponível em:

<http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v22n84/a05v22n84.pdf>. Acesso em: 13 out. 2017.

ASCOMBRE, Jean-Claude; DUCROT, Oswald. L´argumentation dans la langue. Bruxelles: Mardaga, 1983.

AURIAC-PEYRONNET, Emmanuèle. The impact of oral training on argumentative texts produced by ten-and eleven-year-old children: exploring the relation between narration and argumentation. European Journal of Psychology of Education, v. 16, n. 2, p. 1143-1144, jun. 2001.

BARROS, Genize Molina Zilio. Gênero argumentativo no ensino fundamental I: análise de produções de alunos participantes do prêmio Escrevendo o Futuro. 2004. Dissertação (Mestrado) − Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil, 2004.

BITTAR, Marisa; BITTAR, Mariluce. História da educação no Brasil: a escola pública no processo de democratização da sociedade. Acta Scientiarum. Education, Maringá, v. 34, n. 2, p. 157-168, jul./dez. 2012. Disponível em: <http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciEduc/article/view/17497>. Acesso em: 13 out. 2017.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 13 out. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: língua portuguesa. Brasília, DF: MEC/SEF, 1997. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro02.pdf>. Acesso em: 13 out. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes curriculares nacionais para o ensino fundamental. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998a. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/resolucao_ceb_0298.pdf>. Acesso em: 13 out. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998b.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais. Ensino médio: linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília, DF: MEC/SEF, 2000. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/14_24.pdf>. Acesso em: 13 out. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 11.274, de 6 de fevereiro de 2006. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 7 fev. 2006. Seção 1. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2006/lei-11274-6fevereiro-2006-540875-publicacaooriginal-42341-pl.html>. Acesso em: 13 out. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano de Desenvolvimento da Educação: razões, princípios e programas. Brasília, DF: MEC, 2007. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/arquivos/livro/>. Acesso em: 13 out. 2017.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – Inep. Índice de Desenvolvimento da Educação Básica: resultados e metas. Brasília, DF: Inep, Disponível em: <http://ideb.inep.gov.br/resultado/resultado/resultadoBrasil.seam>. Acesso em: 13 out. 2017.

CAMPOS, Claudia Mendes. Efeitos argumentativos na escrita infantil ou ilusão da argumentação. 2005. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2005.

CAMPOS, Maria Inês Batista. Textos argumentativos em materiais didáticos: que proposta seguir?. DELTA, São Paulo, v. 27, n. 2, p. 219-234, 2011.

CAREL, Marion. Argumentation interne et argumentation externe au lexique: des proprietés différentes. Langages, v. 35, n. 142, p. 10-21, 2001.

CAREL, Marion; DUCROT, Oswald. Le problème du paradoxe dans une sémantique argumentative. Langue Française, v. 123, n. 1, p. 6-26, 1999.

CHAPMAN, Marilyn. Research in writing: preschool through elementary, 1983-2003. L1-Educational Studies in Language and Literature, v. 6, n. 2, p. 7-27, 2006. Disponível em:

<https://doi.org/10.17239/L1ESLL-2006.06.02.04>. Acesso em: 13 out. 2017.

COIRIER, Pierre; GOLDER, Caroline. Writing argumentative text: a developmental study of the acquisition of supporting structures. European Journal of Psychology of Education, v. 8, n. 2, p. 169-181, jun. 1993.

COSTA, Renata de Oliveira. Pequenos publicitários: a persuasão na escrita de crianças. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) − Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

COSSON, Rildo. Mother tongue education in Brazil: a battle of two worlds. L1-Educational Studies in Language and Literature, v. 7, n. 1, p. 37-52, 2007. Disponível em:

org/10.17239/L1ESLL-2007.07.01.04>. Acesso em: 13 out. 2017.

DUCROT, Oswald. Provar e dizer: linguagem e lógica. São Paulo: Global, 1981.

DUCROT, Oswald. O dizer e o dito. Campinas: Pontes, 1987.

DUCROT, Oswald. Argumentação e “topoi” argumentativos. In: GUIMARÃES, Eduardo (Ed.). História e sentido na linguagem. Campinas: Pontes, 1989.

FERRO, Regina Torquato. Discurso argumentativo: identificação de marcas argumentativas na produção escrita de alunos da 4a. serie. 1997. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 1997.

GRAHAM, Steve; PERIN, Dolores. A meta-analysis of writing instruction for adolescent students. Journal of Educational Psychology, v. 99, n. 3, p. 445-476, 2007. Disponível em: <http://psycnet.apa.org/fulltext/2007-11761-001.pdf>. Acesso em: 13 out. 2017.

JAKOBSON, Roman. Closing statements: linguistics and poetics. In: SEBEOK, Thomas Albert. Style in language. Cambridge, MA: MIT Press, 1960.

KNUDSON, Ruth E. The development of written argumentation: an analysis and comparison of argumentative writing at four grade levels. Child Study Journal, v. 22, n. 3, p. 167-184, 1992.

LEITÃO, Selma; ALMEIDA, Eliana G. da S. A produção de contra-argumentos na escrita infantil. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 13, n. 3, p. 351-361, 2000. Disponível em: <https://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722000000300004>. Acesso em: 13 out. 2017.

LEON, Fernanda Leite Lopez de; MENEZES-FILHO, Naércio Aquino. Reprovação, avanço e evasão escolar no Brasil. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 32, n. 3, dez. 2002. Disponível em: <http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/4286/1/PPE_v32_n03_Reprovacao.pdf>. Acesso em: 13 out. 2017.

LURIA, Alexander Romanovich; YODOVICH, F. Speech and the development of mental processes in the child. Harmondsworth: Penguin, 1971.

MEYER, Michel. Questões de retórica: linguagem, razão e sedução. Lisboa: Edições 70, 1998.

MIDGETTE, Ekaterina; HARIA, Priti; MACARTHUR, Charles. The effects of content and audience awareness goals for revision on the persuasive essays of fifth-and eighth-grade students. Reading and Writing, v. 21, n. 1-2, p. 131-151, fev. 2008.

PEREIRA DE CASTRO, Maria Fausta. A argumentação na fala da criança: entre fatos de língua e de discurso. Linguística, São Paulo, v. 13, p. 61-80, 2001.

PERELMAN, Chaïm; OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. The new rhetoric: a treatise on argumentation. Notre Dame: University of Notre Dame Press, 1969.

PEROSA, Graziela Serroni; LEBARON, Frédéric; LEITE, Cristiane Kerches da Silva. O espaço das desigualdades educativas no município de São Paulo. Pro-Posições, Campinas, v. 26, n. 2, maio/ago. 2015. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/0103-7307201507705>. Acesso em: 13 out. 2017.

PINHEIRO, Regina; LEITÃO, Selma. Consciência da “estrutura argumentativa” e produção textual. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 23, n. 4, p. 423-431, out./dez. 2007. Disponível em: <https://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722007000400008>. Acesso em: 13 out. 2017.

POUIT, Delphine; GOLDER, Caroline. Idea retrieval in argumentative text writing by 11–18 year old students. European Journal of Psychology of Education, v. 17, n. 4, p. 309-320, dez. 2002.

REZNITSKAYA, Alina; ANDERSON, Richard C.; KUO, Li-Jen. Teaching and learning argumentation. Elementary School Journal, v. 107, n. 5, p. 449-472, maio 2007.

RIJLAARSDAM, Gert; BRAAKSMA, Martine; COUZIJN, Michel; JANSSEN, Tanja; RAEDTS, Mariet; VAN STEENDAM, Elke; TOORENAAR, Anne; VAN DEN BERGH, Huub. Observation of peers in learning to write: practice and research. Journal of Writing Research, v. 1, n. 1, p. 53-83, 2008. Disponível em: <https://pure.uva.nl/ws/files/4252745/62153_300305.pdf>. Acesso em: 13 out. 2017.

RIOLFI, Claudia Rosa. Criando o novo com as mesmas velhas palavras. In: COLÓQUIO DO LEPSI, 5., 2004, São Paulo. Proceedings... Psicanálise, Instituições e Infância. São Paulo: USP/IP/FE, 2004. Disponível em: <http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=MSC0000000032004000 100001&lng=en&nrm=abn>. Acesso em: 13 out. 2017.

RIOLFI, Claudia R.; COSTA, Renata de O. Marcas de argumentação em textos escritos por crianças. Zetetiké: Revista de Educação Matemática, Campinas, v. 18, p. 295-324, 2011. Disponível em: <http://ojs.fe.unicamp.br/ged/zetetike/article/view/2758>. Acesso em: 13 out. 2017.

RIOLFI, Claudia R.; IGREJA, Suelen G. Ensinar a escrever no ensino médio: cadê a dissertação?. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 1, p. 311-324, 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ep/v36n1/a08v36n1.pdf>. Acesso em: 13 out. 2017.

RIOLFI, Claudia R.; MAGALHÃES, Mical. Modalizações nas posições subjetivas durante o ato de escrever. Estilos da Clínica, v. 13, n. 24, p. 98-121, 2008. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/

issn.1981-1624.v13i24p98-121. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/estic/article/view/68524>. Acesso em: 13 out. 2017.

VEIGA, Cynthia Greive. Escola pública para os negros e os pobres no Brasil: uma invenção imperial. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 39, p. 502-516, set./dez. 2008.

Disponível em: <http://uaslp.redalyc.org/articulo.oa?id=27503907>. Acesso em: 13 out. 2017.

VYGOTSKY, Lev S. Mind and society: the development of higher psychological processes. Cambridge-MA: Harvard University Press, 1978. Trabalho original publicado em 1930.

Publicado

30-04-2021

Como Citar

Riolfi, C. R., & Costa, R. de O. (2021). Estrutura argumentativa em textos de alunos brasileiros. Cadernos De Pesquisa, 48(169), 776–800. Recuperado de http://publicacoes.fcc.org.br/index.php/cp/article/view/5106

Edição

Seção

Artigos