Diretrizes curriculares para o curso de pedagogia: trajetória longa e inconclusa.

Autores

  • Leda Escheibe Universidade do Oeste de Santa Catarina – Campus Joaçaba

Palavras-chave:

ogia, Formação de Professores, Educação Infantil

Resumo

Este artigo aborda as discussões e embates acerca da definição das diretrizes curriculares para o Curso de Pedagogia, ocorridos após a aprovação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1996. Focaliza o processo de mobilização e resistência das entidades do campo educacional no sentido de assegurar a docência como base para esse curso e a superação da dicotomia entre licenciatura e bacharelado no seu interior. A análise aponta como cerne do embate a contraposição ao modelo de formação dos Institutos Superiores de Educação e de Cursos Normais Superiores, veiculado pela reforma educacional da década de 1990, o qual se insere em um contexto de políticas neoliberais. Indica ainda que a recente aprovação de diretrizes curriculares para o Curso de Pedagogia (Parecer CNE/CP 5/2005 e Resolução CNE/CP 1/2006) e sua definição como uma licenciatura que forma unificadamente o professor para a educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental, constitui uma solução negociada entre as entidades e o Conselho Nacional de Educação.

Biografia do Autor

Leda Escheibe, Universidade do Oeste de Santa Catarina – Campus Joaçaba

Downloads

Publicado

24-06-2013

Edição

Seção

Tema em Destaque