Austrália, Brasil e Canadá: impacto das avaliações no ensino de Ciências

Autores

  • Paulo Sérgio Garcia Professor dos cursos de graduação e pós-graduação da Universidade Municipal de São Caetano do Sul
  • Xavier Fazio Brock University
  • Debra Panizzon University of South Australia
  • Nelio Bizzo Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.18222/eae.v0ix.4824

Palavras-chave:

Ensino de Ciências, Testes, Políticas Educacionais, Responsabilização.

Resumo

A cultura global de testes se expandiu rapidamente nas últimas décadas. Nessas avaliações, as áreas mais comumente testadas são as de Linguagem e Matemática (LM). O foco e as políticas de responsabilização têm trazido consequências para o ensino de Ciências. Neste estudo reúnem-se evidências do Brasil, do Canadá e da Austrália para compreender as implicações dessas políticas para o ensino de Ciências, com base em pesquisas recentemente publicadas. Os resultados mostraram que a cultura dos testes, com ênfase em LM, e as políticas de responsabilização têm gerado o descaso e a negligência com o ensino de Ciências, causado sobretudo pelos sistemas de ensino e pelos gestores escolares, que criam iniciativas, ações e projetos voltados para atingir os resultados e metas em LM.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Sérgio Garcia, Professor dos cursos de graduação e pós-graduação da Universidade Municipal de São Caetano do Sul

Professor dos cursos de mestrado e coordenador do observatório da educação do grande ABC

Xavier Fazio, Brock University

Licenciatura em Biologia, phd em Science Education. Associate Professor, Faculty of Education, Brock University. Ontario, Canadá. 

Debra Panizzon, University of South Australia

Licenciatura em Biologia, phd Science Education.

Nelio Bizzo, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo

Professor titular da Faculdade de Educação da Unviersidade de São Paulo

Referências

AIKENHEAD, Glen S. Research Into STS Science Education. Educación Química, Belo Horizonte, v. 16, p. 384-397, 2005.

ALAVARSE, Ocimar Munhoz; MACHADO, Cristiana; BRAVO, Maria Helena. Avaliações externas e qualidade na educação básica: articulações e tendências. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 24, n. 54, p. 12-31, jan./abr. 2013.

ARELARO, Lisete Regina Gomes. Direitos sociais e política educacional: alguns ainda são mais iguais que outros. In: SILVA, S.; VIZIM, M. (Org.). Políticas públicas: educação, tecnologias e pessoas com deficiências. Campinas: Mercado de Letras, 2003. p. 13-36.

BALL, Stephen J. Cidadania global, consumo e política educacional. In: SILVA, L. H. da. A escola cidadã no contexto da globalização. Petrópolis: Vozes, 1999. p. 127-137.

BAUER, Adriana. Estudos sobre sistemas de avaliação educacional: um retrato em branco e preto. Revista @mbienteeducação, São Paulo, v. 5, p. 7-31, 2012.

BAUER, Adriana. Limites, desafios e possibilidades das avaliações de sistemas educacionais: contribuições do ciclo de debates para as políticas de avaliação. In: BAUER, Adriana; GATTI, Bernardete A.; TAVARES, Marialava R. (Org.). Vinte e cinco anos de avaliação de sistemas educacionais no Brasil: implicações nas redes de ensino, no currículo e na formação de professores. Florianópolis: Insular, 2013. p. 281-294.

BAUER, Adriana; ALAVARSE, Ocimar Munhoz; OLIVEIRA, Romualdo Portela. Avaliações em larga escala: uma sistematização do debate. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. especial, p. 1367-1382, dez. 2015.

BENAVOT, Aaron; TANNER, Erin. The growth of national learning assessments in the world, 1995-2006. Paris: Unesco, 2007. Background paper for the Education for All Global Monitoring Report 2008, Education for All by 2015: Will we make it.

BERNARDO, Allan B. I. et al. Students’ perceptions of science classes in the Philippines. Asia Pacific Education Review, Philippines, v. 9, n. 3, p. 285-295, ago. 2008.

BONAMINO, Alicia C. de. Avaliação educacional no Brasil 25 anos depois: onde estamos? In: BAUER, Adriana; GATTI, Bernardete A. (Org.). Vinte e cinco anos de avaliação de sistemas educacionais no Brasil: implicações nas redes de ensino, no currículo e na formação de professores. Florianópolis: Insular, 2013. p. 43-60.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas. Inclusão de Ciências no SAEB: documento básico. Brasília, DF: Inep, ago. 2013.

BRASIL. Diretoria de Avaliação da Educação Básica. Brasil no PISA 2015: sumário executivo. Brasília, DF, 2015. Disponível em: <http://download.inep.gov.br/acoes_internacionais/pisa/documentos/2016/pisa_brasil_2015_sumario_executivo.pdf>. Acesso em: 04 mar. 2016.

BROK, Perry Den et al. Californian science students’ perceptions of their classroom learning environments. Educational Research and Evaluation: An International Journal on Theory and Practice, England & Wales, London, v. 12, n. 1, p. 3-25, 2006.

BROOKE, Nigel P.; CUNHA, Maria Amália; FALEIROS, Matheus. A avaliação externa como instrumento da gestão educacional nos estados: relatório final. Belo Horizonte: Game/UFMG; Fundação Victor Civita, 2011. Disponível em: <http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/pdf/avaliacao_externa_fvc.pdf>. Acesso em: 27 dez. 2012. 2930

BRUNNER, José Joaquín. Límites de la lectura periodística de resultados educacionales. In: IAIES, Gustavo et al. Evaluar las evaluaciones: una mirada política acerca de las evaluaciones de la calidad educativa. Buenos Aires: Unesco/IIPE, 2003. p. 67-84.

CANADÁ. Council of Ministers of Education. About CMEC. Toronto: CMEC, 2016a. Disponível em: <http://www.cmec.ca/11/About/index.html>. Acesso em: 2 dez. 2017.

CANADÁ. Council of Ministers of Education. Pan-Canadian Assessment Program (PCAP). 2016b. Disponível em: <http://www.cmec.ca/302/Programs-andInitiatives/Assessment/Pan-Canadian-Assessment-Program-(PCAP)/PCAP-2013/ index.html>. Acesso em: 2 dez. 2017.

CASASSUS, Juan. Política y metáforas: un análisis de la evaluación estandarizada en el contexto de la política educativa. In: BAUER, Adriana; GATTI, Bernardete A.; TAVARES, Marialva R. (Org.). Vinte e cinco de avaliação de sistemas educacionais no Brasil: origens e pressupostos. Florianópolis: Insular, 2013. p. 21-46.

CHAPMAN, David; SNYDER, Conrad. Can high stakes national testing improve instruction: re-examining conventional wisdom. International Journal of Educational Development, Amsterdam, v. 20, p. 457-474, 2000.

DORN, Sherman. Accountability Frankenstein: understanding and taming the monster. Charlotte, NC: Information Age Publishing, 2007.

DOW, Allison. Exploring the current state of grades 4 to 8 science education in Ontario. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculty of Education, Brock University, Ontario, 2015. Disponível em: <http://dr.library.brocku.ca/ handle/10464/6983?show=full>. Acesso em: 12 abril 2016.

EDUCATIONAL QUALITY AND ASSESSMENT OFFICE. Highlights of the provincial results. Assessments of reading, writing and Mathematics, primary division (grades 1-3) and junior division (grades 4-6). English-Language Students, 2014-2015. Ontario: OQRE, 2015. Disponível em: <http://www.eqao.com/en/assessments/results/communication-docs/ provincial-report-highlights-elementary-2015.pdf>. Acesso em: 12 dez. 2015.

EDUCATIONAL QUALITY AND ASSESSMENT OFFICE. Highlights of the provincial results. Assessments of reading, writing and Mathematics, primary division (grades 1-3) and junior division (grades 4-6). English-Language Students, 2015-2016. Ontario: OQRE, April 2016. Disponível em: <http://www.eqao.com/en/assessments/results/communication-docs/provincial-reporthighlights-elementary-2016.pdf>. Acesso em: 15 mar. 2017.

ESTEBAN, Maria Teresa. Considerações sobre a política de avaliação da alfabetização: pensando a partir do cotidiano escolar. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 17, n. 51, p. 573-592, 2012.

EUROPEAN COMISSION. Eurydice Network. National testing of pupils in Europe: objectives, organisation and use of results. Bruxelas: Eurydice Network, 2009. 3031

FAZIO, Xavier; GARCIA, Paulo Sergio; PANIZZON, Debra Lee. Comparative analysis of elementary science teacher preparation in Australia, Brazil, and Canada. In: INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR SCIENCE TECHNOLOGY EDUCATION SYMPOSIUM, 18., set. 2008, Esmirna, Turquia. Proceedings of... Ancara: Palme & Bookshops, 2008. v. 1, p. 737-745.

FAZIO, Xavier E.; KARROW, Doug. Science takes a back seat: an unintended consequence of prioritizing literacy and numeracy achievement. Canada Education, Ontario, v. 56, n. 1, jun. 2013.

FREITAS, Dirce Nei Teixeira de. A avaliação da educação básica no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2007.

FREITAS, Luiz Carlos de. Caminhos da avaliação de sistemas educacionais no Brasil: o embate entre a cultura da auditoria e a cultura da avaliação. In: BAUER, Adriana; GATTI, Bernardete A.; TAVARES, Marialva R. (Org.). Vinte e cinco anos de avaliação de sistemas educacionais no Brasil: origens e pressupostos. Florianópolis: Insular, 2013. p. 147-176.

GARCIA, Paulo Sérgio; BIZZO, Nelio. Educational policies and science education in Brazil: a case study. In: EUROPEAN SCIENCE EDUCATION RESEARCH ASSOCIATION, 11., 2015, Helsinki. Proceedings… Helsinki: European Science Education Research Association, 2015.

GARCIA, Paulo Sérgio; BIZZO, Nelio; FAZIO, Xavier. Challenges faced by science teachers in distance continuing education. In: INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR SCIENCE TECHNOLOGY EDUCATION SYMPOSIUM, 15., 2012, Hammamet, Tunis. Proceedings... Hammamet, Tunis: 2012. v. 1, p. 23-33.

GARCIA, Paulo Sérgio; BIZZO, Nelio; FAZIO, Xavier. Desafios da formação contínua a distância para professores de ciências. Revista Iberoamericana de Educacion a Distancia, Ecuador, San Cayetano Alto, v. 17, n. 2, p. 37-57, 2014.

GARCIA, Paulo Sérgio; FAZIO, Xavier; PANIZZON, Debra. Formação Inicial de professores de ciências na Austrália, Brasil e Canadá: uma análise exploratória. Ciência e Educação, Bauru, v. 17, p. 1-19, 2011.

GIMENES, Nelson et al. Além da Prova Brasil: investimento em sistemas próprios de avaliação externa. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 24, n. 55, p. 12-32, maio/ago. 2013.

GOUW, Ana Maria; BIZZO, Nelio. A percepção dos jovens brasileiros sobre suas aulas de Ciências. Educar em Revista, Curitiba, n. 60, p. 277-292, abr./jun. 2016.

HAGOPIAN, Jesse (Ed.). More than a score: the new uprising against high-stakes testing. Chicago: Haymarket Books, 2014.

HORTA NETO, João L. Um olhar retrospectivo sobre a avaliação externa no Brasil: das primeiras medições em educação até o SAEB de 2005. Revista Iberoamericana de Educación, Madrid, v. 42, n. 5, p. 1-14, abr. 2007. 312

HORTA NETO, João L. As avaliações externas e seus efeitos sobre as políticas educacionais: uma análise comparada entre a União e os Estados de Minas Gerais e São Paulo. 2013. Tese (Doutorado em Política Social) – Instituto de Ciências Humanas, Departamento de Serviço Social, Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

HYPÓLITO, Álvaro Moreira. A necessária meta-avaliação das políticas de avaliação. In: BAUER, Adriana; GATTI, Bernardete A.; TAVARES, Marialva R. (Org.). Vinte e cinco anos de avaliação de sistemas educacionais no Brasil: origens e pressupostos. Florianópolis: Insular, 2013. p. 211-227.

IAIES, Gustavo. Evaluar las evaluaciones. In: IAIES, G. et al. Evaluar las evaluaciones: una mirada política acerca de las evaluaciones de la calidad educativa. Buenos Aires: Unesco/IIPE, 2003. p. 15-36.

INTERNATIONAL ASSOCIATION FOR THE EVALUATION OF EDUCATIONAL ACHIEVEMENT. Trends in International Mathematics and Science Study (TIMSS), 2011: Ontario Report. Toronto: Educational Quality and Accountability Office, 2012. Disponível em: <http://www.eqao.com/pdf_e/12/TIMSS_Ontario_Report_2011.pdf>. Acesso em: 07 mar. 2015.

KLINGER, Don A.; DELUCA, Chistopher; MERCHANT, Stefan. Canada: the intersection of international achievement testing and educational policy development. In: VOLANTE, L. (Ed.). The intersection of international achievement testing and educational policy: global perspectives on large-scale reform. Routledge: Nova York, 2016. p. 140-159.

LIMA, Licínio. O paradigma da educação contábil. Políticas educativas e perspectivas gerencialistas no ensino superior em Portugal. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 4, p. 43-59, 1997.

LINGARD, Bob. Policy borrowing, policy learning: testing times in Australian schooling. Critical Studies in Education, London, v. 51, n. 2, p. 129-147, 2010.

MADAUS, George; RUSSELL, Michael; HIGGINS, Jennifer. The paradoxes of high stakes testing: how they affect students, their parents, teachers, principals, schools, and society. Charlotte: Information Age, 2009.

MONS, Nathalie. Theoretical and real effects of standardised assessment. Bruxelas: Eurydice Network, 2009.

NEW SOUTH WALES. Department of Education. Literacy and numeracy strategy 2017-2020. Sydney: New South Wales Government, [s.d.]. Disponível em: <https://www.det.nsw.edu.au/media/downloads/about-us/literacy-numeracy/ literacy-and-numeracy-strategy.pdf>. Acesso em: 10 fev. 2017.

OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO DO GRANDE ABC. Efeitos IDEB na região do grande ABC sobre o Ensino de Ciências. São Caetano do Sul: Universidade Municipal de São Caetano do Sul, 2015.

OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO DO GRANDE ABC. Políticas de avaliação e de responsabilização no grande ABC: a percepção dos professores de Ciências. São Caetano do Sul: Universidade Municipal de São Caetano do Sul, 2016. 323

O’GRADY, Kathryn et al. Measuring up: Canadian results of the OECD PISA study. The performance of Canada’s youth in science, reading, and Mathematics. 2015 First Results for Canadians Aged 15. Toronto: Council of Ministers of Education, 2016.

OLIVEIRA, Romualdo P. de. A utilização de indicadores de qualidade na unidade escolar ou porque o IDEB é insuficiente. In: BAUER, Adriana; GATTI, Bernardete A. (Org.). Vinte e cinco anos de avaliação de sistemas educacionais no Brasil: implicações nas redes de ensino, no currículo e na formação de professores. Florianópolis: Insular, 2013. p. 87-100.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. PISA 2015 assessment and analytical framework: Science, Reading, Mathematics and Financial Literacy. Paris: OECD, 2016.

OZGA, Jenny. Investigação sobre políticas educacionais: terreno de contestação. Porto: Porto, 2000.

PHILLIPS, David. Learning from elsewhere in education: some perennial problems revisited with reference to British interest in Germany. Comparative Education, London, v. 36, n. 3, p. 297-307, 2000.

RAVITCH, Diane. The death and life of the great American school system: how testing and choice are undermining education. New York: Basic Books, 2010.

REID, Alan. Rethinking national curriculum collaboration: towards an Australian curriculum. Canberra: Department of Education, Science and Training, 2005.

REID, Alan. Is this really a revolution? A critical analysis of the Rudd government’s national education agenda. Curriculum Perspectives, Berlin, v. 29, n. 3, p. 1-13, 2009.

SANTOS, Lucíola L. A avaliação em debate. In: BAUER, Adriana; GATTI, Bernardete A. (Org.). Vinte e cinco anos de avaliação de sistemas educacionais no Brasil: origens e pressupostos. Florianópolis: Insular, 2013. p. 229-245.

SMITH, William. National testing policies, school practices, and student outcomes: an analysis using data from PISA 2009. Paris: OECD Publishing, 2014. (Education Working Papers).

SONGER, Nancy Butler; RUIZ-PRIMO, Maria Araceli. Assessment and science education: Our essential new priority? Journal of Research in Science Teaching, New Jersey, v. 49, n. 6, p. 683-690, 2012.

SOUSA, Sandra Zákia. Avaliação externa e em larga escala no âmbito do Estado brasileiro: interface de experiências estaduais e municipais de avaliação da educação básica com iniciativas do governo federal. In: BAUER, Adriana; GATTI, Bernardete A. (Org.). Vinte e cinco anos de avaliação de sistemas educacionais no Brasil: implicações nas redes de ensino, no currículo e na formação de professores. Florianópolis: Insular, 2013. p. 61-85.

SOUSA, Sandra Zákia; PIMENTA, Claudia Oliveira; MACHADO, Cristiane. Avaliação e gestão municipal da educação. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 23, n. 53, p. 14-36, set./dez. 2012.334

STECHER, Brian M. Consequences of large-scale, high-stakes testing on school and classroom practice. In: HAMILTON, Laura; STECHER, Brian M.; KLEIN, Stephen P. (Ed.). Making sense of test-based accountability in education. Santa Monica: Rand, 2002. p. 79-100.

TEDESCO, Juan C. Prólogo. In: IAIES, Gustavo et al. Evaluar las evaluaciones: una mirada política acerca de las evaluaciones de la calidad educativa. Buenos Aires: Unesco/IIPE, 2003. p. 11-14.

THOMSON, Sue; BORTOLI, Lisa de; UNDERWOOD, Catherine. TIMSS 2015: a first look at Australia’s results. Melbourne: Australian Council for Educational Research, 2016.

VOLANTE, Louis; BEN JAAFAR, Sonia. Educational assessment in Canada. Assessment in Education: Principles, Policy & Practice, London, v. 15, n. 2, p. 201-210, 2008.

Downloads

Publicado

21-05-2021

Como Citar

Garcia, P. S., Fazio, X., Panizzon, D., & Bizzo, N. (2021). Austrália, Brasil e Canadá: impacto das avaliações no ensino de Ciências. Estudos Em Avaliação Educacional, 29(70), 188–221. https://doi.org/10.18222/eae.v0ix.4824

Edição

Seção

Artigos