Exames e lógicas de fabricação de bons alunos nas classes médias

Autores

  • Ana Matias Diogo Universidade dos Açores, CICS.NOVA.UAC/CICS.UAC, Ponta Delgada, Portugal
  • Benedita Portugal e Melo Instituto de Educação, Universidade de Lisboa, UIDEF, Lisboa, Portugal
  • Manuela Ferreira Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, CIIE, Universidade do Porto, Porto, Portugal

Palavras-chave:

Relações Pais-alunos, Classe Média, Relações Escola-família, Rendimento Escolar

Resumo

Neste texto, analisam-se as opiniões de pais das classes médias urbanas, muito escolarizadas, difundidas na blogosfera, acerca dos exames do 4º ano, no quadro do crescente investimento na educação e escolarização dos filhos protagonizado por esse grupo social. A análise de 38 posts e 311 comentários pertencentes a 29 blogues, publicados entre 2012 e 2015 em páginas portuguesas da internet, evidenciou várias lógicas de fabricação de bons alunos que contrariam a suposta homogeneidade atribuída à relação das classes médias com a escola. Propõese uma tipologia exploratória que procura dar conta de distintas éticas do trabalho escolar, modelos de acompanhamento do trabalho escolar e conceções de criança-aluno coexistentes nesse grupo social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Matias Diogo, Universidade dos Açores, CICS.NOVA.UAC/CICS.UAC, Ponta Delgada, Portugal

Ana Matias Diogo, Universidade dos Açores, CICS.NOVA.UAc/CICS.UAc.Professora Auxiliar, na área de Sociologia da Educação.Universidade dos Açores, Campus de Ponta Delgada, Apartado 1422, 9501-801, Ponta Delgada. ana.is.diogo@uac.pt 

Benedita Portugal e Melo, Instituto de Educação, Universidade de Lisboa, UIDEF, Lisboa, Portugal

Benedita Portugal e Melo, Instituto de Educação, Universidade de Lisboa, UIDEF.Professora Auxiliar na área de Sociologia da Educação.Instituto de Educação, Universidade de Lisboa, Alameda da Universidade, 1649-013, Lisboa, Portugal. mbmelo@ie.ulisboa.pt.

Manuela Ferreira, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, CIIE, Universidade do Porto, Porto, Portugal

Manuela Ferreira, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade do Porto, Centro de Investigação e Intervenção Educativas (CIIE/FPCE).Professora Associada na área de Educação - Sociologia da Infância.Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação. R. Alfredo Allen, 4200-135, Porto, Portugal. manuela@fpce.up.pt

Referências

AFONSO, A. Questões, objetos e perspetivas em avaliação. Avaliação: Revista da Educação Superior, Campinas, v. 19, n. 2, p. 487-507, 2014.

ALANEN, L. Generational order. In: QVORTRUP, J.; CORSARO, M.; HONING, M-S (Org.). Handbook of childhood studies. London: Palgrave, 2009. p. 159-174.

ALMEIDA, J. F.; CAPUCHA, L.; COSTA, A. F.; MACHADO, F. L.; TORRES, A. A sociedade. In: REIS, A. (Org.). Retrato Portugal: factos e acontecimentos. Rio de Mouro: Temas & Debates, 2007. p. 43-79.

BALL, S. J. Class strategies and the education market: the middle class and social advantage. London: Routledge Falmer, 2003.

BALL, S. J. Performatividade, privatização e o pós-estado do bem-estar. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1105-1126, 2004.

BALL, S.; VINCENT, C.; KEMP, S.; PIETIKAINEN, S. Middle class fractions, childcare and the “relational” and “normative” aspects of class practices, The Sociological Review, v. 52, n. 4, p. 478-502, 2004.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BARRET DEWIELE, C. E.; EDGERTON, J. D. Parentocracy revisited: still a relevant concept for understanding middle class educational advantage? Interchange, v. 47, p. 189-210, 2016.

BECK, U. A reinvenção da política: rumo a uma teoria da modernização reflexiva. In: BECK, U.; GIDDENS, A.; LASH, S. (Org.). Modernização ref lexiva, política, tradição e estética no mundo moderno. Oeiras: Celta, 2000. p. 1-52.

BIDOU-ZACHARIASEN, C. Les classes moyennes: définitions, travaux et controverses.

Éducation et Sociétés, n. 14, p. 119-134, 2004.

BOURDIEU, P. La distinction: critique sociale du jugement. Paris: De Minuit, 1979.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J.-C. Les héritiers: les étudiants et la culture. Paris: De Minuit, 1964.

BROWN, P. The “Third wave”: education and the ideology of parentocracy. British Journal of Sociology of Education, v. 11, n. 1, p. 65-85, 1990.

CARDOSO, G.; COSTA, A. F.; COELHO, A.; PEREIRA, A. A sociedade em rede em Portugal: uma década de transição. Coimbra: Almedina, 2015.

CHAUVEL, L. L’école et la déstabilisation des classes moyennes. Éducation et Sociétés, v. 2, n. 14, p. 101-118, 2004.

COLLET-SABÉ, J.; TORT, A. What do families of the ‘professional and managerial’ class

educate their children for? The links between happiness and autonomy. British Journal of Sociology of Education, v. 36, n. 2, p. 234-249, 2013.

CORSARO, W. Sociology of childhood. London: Pine Forge, 1997.

COSTA, A. F.; MAURITTI, R.; MARTINS, S. C.; MACHADO, F. L.; ALMEIDA, J. F. Classes sociais na Europa. Sociologia, Problemas e Práticas, n. 34, p. 9-46, 2000.

DIOGO, A. M.; FERREIRA, M.; MELO, B. P. “Exames para que te quero!”: pistas para aprofundar um debate inacabado. Plataforma Barómetro Social, 1ª série de 2016 de artigos de opinião, março 2016.

DUBET, F. Les lycéens. Paris: Seuil, 1991.

ESTANQUE, E. A classe média: ascensão e declínio. Lisboa: Fundação Francisco Manuel dos Santos, 2012.

ESTEVES, M. Análise de conteúdo. In: LIMA, J. A.; PACHECO, J. A. (Org.). Fazer investigação. Porto: Porto, 2006. p. 105-126.

EURYDICE. Exames nacionais de alunos na Europa. Lisboa: Editorial do Ministério da Educação, 2010.

FERREIRA, M.; DIOGO, A. M.; MELO, B. P. Performance escolar: os exames do 4.º ano na TV. Análise Social, v. 227, n. LIII, p. 280-307, 2018.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes, 1977.

GIDDENS, A. As consequências da modernidade. Oeiras: Celta, 2002.

IRWIN, S.; ELLEY, S. Concerted cultivation? Parenting values, education and class diversity. Sociology, v. 45, n. 3, p. 480-495, 2011.

KELLERHALS, J.; MONTANDON, C. Les stratégies educatives des familles: milieu social, dynamique, familiale et education des pré-adolescents. Neuchâtel: Delachaux et Niestlé, 1991.

LAREAU, A. Unequal childhoods: class, race and family life. Berkeley: University of California Press, 2003.

MAGALHÃES, A.; STOER, S. A nova classe média e a reconfiguração do mandato endereçado ao sistema educativo. Educação, Sociedades & Culturas, n. 18, p. 25-40, 2002.

MAROY, C. A análise qualitativa de entrevistas. In: ALBARELLO, L.; DIGNEFFE, F.; HIERNAUX, J.-P.; MAROY, C.; RUQUOY, D.; SAINT-GEORGES, P. (Org.). Práticas e métodos de investigação em ciências sociais. Lisboa: Gradiva, 1997. p. 117-155.

MAROY, C.; VOISIN, A. As transformações recentes das políticas de accountability na educação: desafios e incidências das ferramentas de ação pública. Educação & Sociedade, Campinas, v. 34, n. 124, p. 881-901, 2013.

MELO, B. P.; DIOGO, A. M.; FERREIRA, M. O regresso dos exames do 4º ano: escola, crianças e dinâmicas familiares na blogosfera. Sociologia, Problemas e Práticas, v. 81, p. 141-161, 2016.

MONS, N. Effets théoriques et réels des politiques d’évaluation standardisée. Revue Française de Pédagogie, v. 169, p. 99-139, 2009.

NOGUEIRA, M. A. Um tema revisitado: as classes médias e a educação escolar. In: DAYRELL, J.; NOGUEIRA, M. A.; RESENDE, J. M.; VIEIRA, M. M. (Org.). Família, escola e juventude. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012. p. 110-131.

PERRENOUD, P. Métier d’élève et sens du travail scolaire. Paris: ESF Éditeur, 1994.

PORTUGAL. Conselho Nacional de Educação. Avaliação das aprendizagens dos alunos no ensino básico. Relatório técnico. Lisboa: CNE, 2016.

TONUCCI, F. Contributo para a definição de um modelo educativo: da escola transmissiva à escola construtiva. Análise Psicológica, v. 1, n. 5, p. 169-178, 1986.

TURMEL, A. A historical sociology of childhood: developmental thinking, categorization and graphic visualization. New York: Cambridge University Press, 2009.

VAN ZANTEN, A. Les classes moyennes, l’école et la ville: la reproduction renouvelée. Education et Sociétés, n. 14, p. 5-12, 2004.

VAN ZANTEN, A. New modes of reproducing social inequality in education: the changing role of parents, teachers, schools and educational policies. European Educational Research Journal, v. 4, n. 3, p. 155-169, 2005.

VAN ZANTEN, A. Reflexividad y elección de la escuela por los padres de la clase media en

Francia. Revista de Antropologia Social, n. 16, p. 245-278, 2007.

VAN ZANTEN, A. El fin de la meritocracia: un análisis de los cambios recientes en las relaciones de la escuela con el sistema económico, político y social. In: FANFANI, E. T. (Org.). Nuevos tiempos y nuevos temas de la agenda de política educativa. Buenos Aires: IIPE Unesco/SXXI Editores, 2008. p. 173-190.

VICENT, C.; MAXWELL, C. Parenting priorities and pressures: furthering understanding of

“concerted cultivation”. Discourse: Studies in the Cultural Politics of Education, v. 37, n. 2, p. 269-281, 2016.

WEBER, M. A ética protestante e o espírito do capitalismo. Porto: Presença, 1983.

WOODHEAD, M. Sujeitos, objetos ou participantes: dilemas da investigação psicológica com crianças. In: CHRISTENSEN, P.; JAMES, A. (Org.). Investigação com crianças, perspectivas e práticas. Porto: Edições Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti, 2005. p. 1-28.

Downloads

Publicado

30-04-2021

Como Citar

Diogo, A. M., Melo, B. P. e, & Ferreira, M. (2021). Exames e lógicas de fabricação de bons alunos nas classes médias. Cadernos De Pesquisa, 48(169), 748–775. Recuperado de http://publicacoes.fcc.org.br/index.php/cp/article/view/5138

Edição

Seção

Artigos